sexta-feira, 22 de junho de 2012

MUITA PUTARIA SAINDO DO BARZINHO

gifs_speed_324 conto de Gabriel - narcisosantos@hotmail.com

Conheci Leila pela internet e, logo de cara, descobrimos ter muitas coisas em comum: éramos da mesma cidade e estavamos com muito tesão.
Depois de teclarmos e de falarmos muita putaria pelo telefone, resolvemos nos encontrar. Eu estava louco pra foder com ela, pelas fotos que me enviou era uma mulher muito bonita, de cerca de 40 anos, seios grandes e um olhar provocante...
Leila sugeriu que nos encontrassemos num barzinho .
Cheguei cheio de tesão e expectativa. Fiquei meio decepcionado quando ela me recebeu com um insosso beijinho no rosto e ao ver que ela estava com alguns amigos e com a sua irmã que logo me apresentou. Ela me disse prá ficar à vontade, que logo a gente ia poder conversar, mas à medida que o tempo ia passando, comecei a ver que ela estava adorando se exibir, adorando ser o centro das atenções. Os amigos faziam piadinhas ,ela sorria maliciosamente, e ,devido ao barulho no ambiente eu não conseguia ouvir quase nada.
Resumindo, tenho que confessar que fiquei decepcionado e com ciúmes. Ela não estava me dando um pingo de atenção . De vez em quando me olhava e sorria, mas era só...

Me preparei prá ir saindo de mansinho, sem ninguem ver. Chamei o garçon discretamente e pedi a minha conta.
Sentada ao meu lado estava a irmã de Leila, devido ao barulho não consegui entender muito bem o nome dela, acho que era Tatiane, Tati, alguma coisa assim. Só tinhamos conseguido trocar algumas palavras, mas foi a única pessoa com quem eu havia conversado.
Confesso que não tinha dado muita atenção prá ela e ela tinha sido gentil comigo. Ela me perguntou se eu estava indo embora e eu não tive outro jeito senão dizer a verdade: disse que sim, inventei uma desculpa.
Paguei a minha conta  e quando estava me levantando discretamente ela me perguntou se eu podia lhe dar uma carona, porque ela queria ir embora também. Ela me disse que também ia sair sem se despedir de ninguém e saimos " à francesa", como se diz.

Na rua, prestei atenção em Tati, que me sorria : muito mais jovem que Leila, estatura média,  bunda  grande e  coxas bem grossas (ao mesmo era o que transparecia pelo contorno da calça jeans apertada)  peitos pequenos e um rosto muito bonito, com olhos castanhos claros, seus olhos eram penetrantes e chamavam muito atenção.
Com os olhos cheios de curiosidade ela logo me perguntou de onde eu conhecia sua irmã.
Eu disse que não lembrava mas ela disse que sabia, que era da sala de sexo, disse também que todas as pessoas que estavam na mesa eram da sala de sexo que Leila frequentava. Enquanto caminhavamos em direção ao estacionamento, ela desculpou-se pela atitude da irmã e diz ter percebido que eu estava deslocado e disse que também estava se sentindo assim, a sua irmã a havia convidado mas que ela não gostou do jeito do pessoal, e finalizou que só mesmo sua irmã é que era capaz de gostar de gente assim..
Eu me senti na obrigação de dizer prá ela que , de uma certa forma, eu também fazia parte "daquele pessoal". Ela sorriu e disse que, de qualquer maneira, eu era diferente. Tatiane encheu minha bola , disse que sentiu que era eu um cara gentil e educado, etc etc..

Ela me passou o endereço, programei no GPS e depois de conversarmos um pouco sobre coisas variadas ela começou a fazer perguntas sobre meus papos com sua irmã, a conversa evoluiu para conversas nas salas de bate papo, ela falou que achava meio bobo esse negócio de sexo virtual ( confesso que me senti bobo também, pela maneira como ela disse ) e que, prá ela sexo tinha que ser real. Concordei com ela e continuamos falando sobre sexo, sobre nossas experiências e fantasias. E para quase tudo que eu relatava ela dizia que eu era legal, mas me achava meio bobo prá minha idade. Eu sorria sem graça, porque ja estava me sentindo incomodado .
Uns instantes depois, o GPS indicou que tinhamos chegado. A rua estava deserta , parei em frente a um prédio. Tati me agradeceu a carona, beijei seu rosto. Ela tentou abrir a porta,estava um pouco emperrada, ela não estava conseguindo, então me debrucei para ajudá-la, senti seu perfume, e quando fiquei com o rosto bem proximo do dela, nos olhamos profundamente, seus olhos castanhos claros me hipnotizaram e sem nos falarmos, começamos a nos beijar. Seus beijos eram uma delícia, e apesar da posição incomôda, não conseguia parar e fui me excitando. Me empolguei e comecei a acariciar seus peitinhos por cima da camiseta, ela não se opôs,começou a gemer suavemente, entre os beijos, então enfiei a mão por dentro da camiseta e apalpei seus seios macios mesmo por cima do soutien. Nisso um carro passou e ela me interrompeu, pedindo prá parar. Saiu do carro e me pediu pra esperar. Voltou logo em seguida e disse prá eu estacionar na garagem do prédio, com um sorriso maroto. Convidou-me para ir ao seu apartamento, mas me pediu pra ficar quietinho, dizendo que tinha cameras na garagem , no elevador e nos corredores dos andares.

Segurei-me até entrarmos no apartamento, quando então a agarrei , apertando-a contra mim, palmilhando sua bunda, apertando suas nádegas e devorando sua boca. 'nossa, que homem tesudo', ela dizia, entre beijos deliciosos, ' gostosa', eu respondia e levantava sua camiseta para tirar.
Eu estava com tanto tesão que só não rasgou porque o tecido era forte. Arranquei sua camiseta com um puxão e mergulhei no seu pescoço, beijando e dando chupões barulhentos. Nos atracamos e nos beijávamos, nos mordíamos,
passeava com a lingua no seu pescoço , fui descendo e lambendo sua pele macia, toquei os seios, fui lambendo, passando a lingua nos biquinhos rosados e de vez em quando mordia, beijava , voltava a lamber, ela estava encostada na parede apertada na parede e enquanto a chupava, abri sua calça, ela mesma me ajudou a tirá-la , juntamente com a calcinha, . Tirei a minha roupa toda rapidamente e  então fui com uma das mãos acariciando sua xoxota, enfiando um dedo e depois outro , dois dedos na xoxota e lhe chupando os seios ,ela simplesmente gemia e se contorcia e puxava minha cabeça de encontro aos seus seios, de olhos fechados fui descendo boca e lingua até que me ajoelhei e lambi seu grelinho, ela gemia, coloquei uma de suas pernas no meu ombro, comecei a lamber e mordiscar seu grelinho, ' delicia', 'tarado",ela dizia, eu só a olhava nos olhos e continuava a chupar e a lamber seu grelinho , enfiando a lingua na xoxota, lambendo todo o melzinho que começava a se formar, enfiava e tirava a lingua do sua xoxota e fui enfiando sem pedir um dedinho no seu rabinho, 'tarado', ela disse, ' to adorando, não pára' e ela começou a rebolar na minha cara, o que me deixou mais excitado ainda e com vontade de chupar ela bem rápido . Ela me empurrou eu fiquei deitado de barriga pra cima e então ela veio e sentou com a xoxota na minha cara e ficou esfregando o grelinho no meu queixo e nos meus lábios entõa colocou o grelinho na minha boca , que delicia de xoxota, poucos pelos, ela se contorcia, rebolava na minha cara e gemia.. 'que tesão' ela repetia.. gemia..

De repente se levantou , ' tesão, não quero gozar agora , fica assim, quero te chupar' ela disse. Veio engatinhando até o pau duro e começou a me punhetar com força,rapidamente, apertando meu pau me olhando com cara de zangadinha..' tesão, pau gostoso' ela dizia e punhetava que nem louca..
colocava o pau na boca ,enfiava bem fundo deixava ele bem molhado de saliva , tirava punhetava.. repetia 'tesão,adoro um pau duro , grosso como o seu, adorooo '..' safada, eu dizia,' sente o gosto da minha rola', ' isso, gostoso, adoro' ela dizia enquanto enfiava e tirava o pau da sua boca , ' delicia de homem', ela dizia, me mimando..' quero mamar ele todinho'. Eu mandei ela cuspir no meu pau enfiar todo na boca,ela fez , me olhando, bati com o pau na sua cara toda, ela me olhava e dizia '  deliciaaaa '.. depois pegou o pau com as duas mãos e com cara de tarada começou a me chupar freneticamente, enfiando e tirando o pau da boca , sugando com tanta voracidade que parecia querer arrancar o caralho do meu corpo..

Levantou-se dizendo ' tesão, quero sentir esse pau gostoso na minha buceta' , e então veio por cima de mim, na posição de cavalgar.  ' vou deixar entrar só a cabecinha', ela disse. ' tesuda' eu dizia, e ela me olhando disse ' bobão'. Encostou a cabecinha no grelinho na entradinha da buceta e rebolou lentamente, me olhando, esfregando o cuzinho e o grelinho, de vez em quando deixando entrar um pouquinho na xaninha.
Eu gemia de prazer.. ' bobão, ' ela disse' vou ficar assim até voce implorar pra eu descer '..' safada' eu disse . Ela repetiu que eu era bobão e pincelou a cabecinha no cuzinho . ' assim você me tortura, eu dizia".. ' delicia de homem,' ela respondia. Raspou a bucetinha na cabecinha ,dizendo " to meladinha de tesão' , me olhou bem fundo nos olhos e pediu pra pegar nos seus seios..fazer carinho.. eu comecei a massagear seus seios e ela dizia ' isso, assim' , enquanto a pica roçava sua buceta.. Eu comecei a chupar os biquinhos dos seios dela ' quer o pau todinho dentro , quer ?' ela perguntava me provocando. ' quero '
' a bucetinha tá quentinha' ela dizia, massageando o clitóris, enquanto rebolava roçando lentamente a buceta na cabecinha do caralho . ' quero que você goze no pau' eu disse..' 'gozo sim meu tesão.... ela dizia .. to doida pra sentir ele dentro de mim, dizia esfregando o grelinho. ' o grelinho já ta inchado, pede ,bobão' ela dizia,' manda..'ela falava provocadora..' ' desce, safadinha, eu quase gritei'. ' delicia' ela disse, se ajeitou e desceu até a metade, gemendo..' aiii, tesãooo' dizia ' que pauzão, vai entrar muito fundo' . Louco de tesão eu a segurei pelo quadril tentando empurrar pra baixo,agarrei sua bunda. ' isso, tarado, abre meu bumbum' . Abri as nadegas dela e empurrei de baixo pra cima, levantando meus quadris , ela gemeu ' aiii amor, caramba" forcei-a a descer , vendo a bucetinha engolir o pau inteiro, estava uma deliciaa. ' to sentindo cutucar la no fundo', disse ela,rebolando , . Começamos a nos movimentar no mesmo ritmo aos gemidos..Ela fazia o movimento de sobe e desce e eu a martelava de baixo pra cima, ainda mantendo sua bunda aberta..' aiii que tesão, gabriel' ela dizia, rebolando no meu pau, sua bucetinha apertadinha contraia meu pau, eu gemia..Pedia os seios na minha boca, mamava;  ela rebolava pra entrar e sair em movimento pra frente e pra tras e em circulos  , cada vez mais rápido , ambos gemendo . ' aperta a minha bunda' ela pediu, e eu apertava,apalpava. ' aperta o meu bumbum' ela pedia e eu apertava bem forte..  ' ahh,que delicia' ela gemia.Eu também gemia, sentindo sua buceta mastigando meu pau. Eu socava a buceta dela de baixo pra cima , aumentando a força , metendo cadenciado estocando fundo... ' que tesão, gabriel, mete, mete , fode , fode'...ela quase gritava.. ela pediu pra eu xingar ela e eu a xinguei de puta, de vagabunda, de piranha, de cachorra, e ela gemia e pedia mais e dizia ' isso, isso' enquanto dançava no meu pau cada vez mais rapidamente. Uns segundos depois disse :' vou gozar'.. Repetiu se contorceu, se esticou e gritou : 
' aiiii to gozandooooooo ' . Senti as contrações na sua buceta e ela gozava e começou a dar tapas na minha cara ..repetindo ' to gozando, to gozando' Parei de me movimentar e fiquei sentindo ela gozar  e batendo na minha cara.

Meu rosto estava dolorido , senti as ultimas contrações dela e ela foi tirando devagar , dizendo que sua buceta tava sensivel porque tinha gozado..' delicia, disse ela, me beijando , precisava de uma foda assim'.

Um pouco depois, ela passeou a boca pelo meu pescoço, meus mamilos e me presenteou com uma masturbação deliciosa. Enquanto me beijava ,senti a pressão de sua mãozinha na cabeçinha do meu pau e nos suaves movimentos de vai e vem. Enquanto se recuperava de um orgasmo, aquela menina deliciosa, ainda com o rostinho vermelho me punhetava rapidamente. Era muito gostoso, aquela mãozinha macia, aquela boca deliciosa e quando ela falou bem baixinho no  meu ouvido :'goza pra sua putinha, goza', eu não resisti e esporrei gostosamente entre seus dedos. Ela espalhou a porra no meu pau e continou me punhentando, dizendo :'quero mais, quero mais porra', até eu não aguentar mais..
Fizemos mais algumas loucuras naquela noite, muito mais do que eu havia imaginado com Leila. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conte sua fantasia