quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Perdi a Aposta e Tive Que Chupar

CB2

conto de Fernandinha 

Pode parecer meio estranha a história que vou contar, mas aconteceu realmente. Meu nome é Fernanda e tenho 20 anos. Sou morena e segundo a galera, muito gostosa. Sou a típica morena popozuda, com um bundão empinado e as coxas grossas, mas nadinha de celulite.

Devido toda minha família, tios e avós, morarem em minha cidade, sempre fui cercada de primos e primas. Apesar deste contato todo, e ainda saber que minha irmã dava para todos os meus primos, nunca tive qualquer relacionamento com algum deles, apesar de todos serem muito bonitos. Todos nós sempre saímos juntos para festas, cinema e boates, mas sempre eu ficava com alguém de fora do grupinho.

Minha irmã, piranha que só ela, não perdia uma chance de fuder com algum de meus primos, e já até a flagrei chupando o cacete de um deles. Como já havia rolado algumas vezes, combinamos, eu e ela, de jogarmos baralho aqui em casa com nossos primos Reinaldo e Roberto, 21 e 22 anos, pois meus pais estariam fora naquela noite e assim poderíamos beber e jogar a noite toda. Lá pelas dez horas os dois chegaram e logo começamos a jogar buraco, sendo nós duas contra eles.

Ganhamos as primeiras partidas e, embaladas pela cerveja, brincávamos com eles, chamando-os de fracotes, que não tinham forças para ganhar da gente... E sabe com é que é homem, eles logo se sentiram diminuídos e começaram a nos provocar.

-Então vamos apostar, jogar sem valer não tem graça, provocou um deles.
-valendo o quê? - Perguntei.
-Quem ganhar escolhe. -Respondeu.

Sem ver sacanagem na parada, aceitamos. Começamos outra e tomando mais e mais cervejas, já fazíamos uma merda atrás da outra até que perdemos mesmo o jogo.

- E aí fodonas, perderam? Ironizou Roberto.

Minha prima os mandou dizerem logo o que queriam.

-Vocês vão ter que pagar um boquete para nós, Disse Reinaldo, sem vacilar.
- Qualé, ficaram malucos? -Disse indignada.
- Ué, tiraram tanta onda e agora vão amarelar? -Provocou Roberto, rindo.
-Ta bom então, mas só um pouco, aceitou minha irmã, que já estava adorando a situação.

Ela foi logo puxando Reinaldo para o sofá e mandando-o sentar. Roberto ria e me provocava, e aí Fernanda, perdeu pagou. Eu não acreditava no que via, minha irmã abaixou as calças de Reinaldo com cueca e tudo e começou a bater uma punheta para ele. Eles estavam á poucos metros de mim e logo comecei a sentir minha bucetinha se umedecer toda.

Reinaldo tinha um cacete grande e logo estava super duro. Os dois me olharam e, com o cacete duro nas mãos, minha irmã me disse Vai Fernanda chupa o pau dele. Roberto me olhou e, já cheia de tesão mas muito envergonhada, o chamei para o meu quarto, puxando-o pelas mãos. Disse para o Roberto que seria só uma chupadinha e mais nada, e ele, com um sorriso safado concordou. Me sentei na cama com ele em pé á minha frente comecei a abrir sua calça. Antes mesmo de tirar seu cacete para fora, ele já se mostrava bem duro pelo volume que fazia.

Não seria a primeira vez nem a segunda que eu iria chupar um cacete, mas aquela situação toda estava me perturbando muito, ao mesmo tempo em que me excitava, mas na hora que enfiando a mão dentro de sua cueca, tirando seu cacete para fora, um tesão louco me tomou o corpo e depois de o medir com os olhos, 16 cm – confirmei depois, comecei a chupar.

Era do tamanho que eu gosto, que dá para chupar bem gostoso enfiando quase tudo na boca. Abaixei sua calça e acariciando seu saco peludo, e me dediquei a mamar o cacete de Roberto. Seu pau era muito bonito e a cabeça era bem grande, inchada e roxa.

Chupei meu primo durante uns dez minutos até que sentindo que ele iria gozar logo, aumentei o ritmo de minha chupada, indo e vindo com a cabeça cada vez mais rápido, até que senti sua porra me inundando a boca. Pela primeira vez eu deixava alguém gozar em minha boca, eu sempre pedia para gozarem sobre meus peitos, mas estava adorando. Sua porra tinha um sabor muito estranho, mas não era ruim. Roberto gemia baixinho enquanto eu mamava e mamava, engolindo seu leitinho todo. Depois me bateu uma vergonha e pedi que vestisse a calça.

Ouvindo uns gemidos vindos da sala, Roberto me chamou para ir ver com ele o que eles estavam fazendo. Eu fui, e o que vi me acendeu novamente o tesão. Minha irmã estava de quatro no sofá sendo fodida com força pelo meu primo, que a segurava pela cintura. Roberto estava atrás de mim passando a mão em minha bunda. Continuei a assistir a transa dos dois e logo meu primo já estava me abaixando à calça de lycra que eu usava. Dei uma olhadinha para trás, mas logo voltei a outra cena, deixando meu primo me lamber a bunda.

Abaixado, ele me mordia a bunda toda e lambia meu reguinho. Eu estava hipnotizada pela cena, e muito excitada. Meu primo, se aproveitando disso, me abraçou por trás e começou a me acariciar os peitos e a bucetinha completamente úmida. Depois ele tirou minha blusa e abaixando-se de novo atrás de mim, levantou uma de minhas pernas e começou a chupar minha buceta. Eu própria segurava minha perna no ar, enquanto sentia sua língua em minha bucetinha e no meu cuzinho.

De onde nós estávamos eles não poderiam nos ver, pois eles estavam meio de costas para gente, e assim, assistindo meu primo comendo minha irmã, me agarrei ao alisar da porta e com uma das pernas levantadas, deixei que Roberto me comesse. Ele enfiou tudo de uma só vez e, me segurando pelos peitos, passou a me fuder. Depois de alguns minutos, eles mudaram de posição, com ela sentando sobre ele, mas, não querendo que me vissem, fechei a porta do quarto e puxei Roberto para a cama.

-Chupa minha buceta, eu estou morrendo de tesão, implorei.

Roberto me deitou, abriu e levantou minhas pernas e mandou ver. Nossa, e como chupava bem! Ele abria com os dedos meus lábios vaginais e enfiava a língua lá dentro, me fazendo gemer. Eu nem lembrava mais dos outros dois lá na sala. Roberto me chupou bastante até que veio para cima de mim e cravou seu cacete em minha bucetinha.

Eu gemia e o abraçava, enquanto de pernas para cima, recebia seu cacete gostoso. Louca para gozar, troquei de posição com ele e de cócoras enfiei seu cacete na buceta. O cavalguei por uns dez minutos e gozei aos gritos, rebolando como uma puta. Um dos melhores da minha vida! Meu gozo parecia não ter fim. Quanto mais eu rebolava mais eu gozava. Depois Roberto me virou de quatro e começou a me foder assim.

-Que bunda linda!, disse.

Enquanto me deliciava com as estocadas de Roberto, ouvia os gemidos de minha irmã na sala, me excitando ainda mais. Roberto tirou seu cacete e começou a lamber meu cuzinho. Depois de me lamber bastante, Roberto começou a enfiar um dedo, depois outro e logo um terceiro, enquanto me masturbava. Ele começou a me fuder o cuzinho até então virgem, preparando-o para o seu cacete. –

-Já bati muita punheta imaginando te comendo o cuzinho, disse enquanto enfiava e tirava seus dedos em minha bundinha.
-Agora eu vou te comer como sempre quis, priminha gostosa, concluiu.

Eu até pensei em fazer um doce para dar o cuzinho para ele, mas logo ele tirou os dedos e começou a enfiar o cacete duro como ferro em meu buraquinho apertado. Ao contrário do que esperava, não senti nenhuma dor, só prazer. Seu cacete foi entrando firme até que senti seu saco encostar na minha bucetinha, e assim que levei minhas mãos até a ela, começando a me masturbar, Roberto começou a me comer.

Ele estocava profundamente e quase tirava seu cacete de meu cuzinho, me fazendo delirar de tesão.
-Me come gostoso, estou adorando dar o cuzinho para você, gemi. Vou gozaaaaar... gemeu logo em seguida.

Eu não agüentei tanto tesão e gozei com ele, aos gritos novamente, como nunca havia gozado. Ali eu entendi por que dizem que nada é melhor do que gozar por trás. Roberto me fodia freneticamente e eu não parava de gozar, sentindo sua porra escorrendo pelas minhas pernas, até que desabamos na cama, exaustos.

Depois de trocarmos uns beijos, nos vestimos e voltamos á sala, encontrando-os também já vestidos e no maior love. Começamos a rir feitos bobos e depois de uma rodada saideira de cerveja, eles foram embora. Antes de dormirmos, contamos uma para a outra o que tinha rolado e rimos muito. Assim como eu, ela também tinha dado o cuzinho e tinha adorado. Depois desse dia passei a transar com Roberto direto, e sempre terminando com ele me comendo por trás.

Conto enviado por Fernandinha
(
http://confrariadoscontos.blogspot.com )

terça-feira, 4 de outubro de 2011

A BUCETA DE ROSA

za9

Conheci Rosa numa época em que quebrei a perna e fiquei hospedado na casa dos meus tios, no litoral . .Meu tio estava bastante adoentado, também precisando de cuidados e a pequena família se revezava durante a semana, cuidando de nós, exceto nas quartas-feira, quando Dona Rosa , que era enfermeira vinha, para, principalmente, medicar meu tio. ..
Rosa era uma mulher exuberante : gordinha, como eu gosto,  morena-clara, bronzeada, olhos esverdeados, altura média.. De pernas grossas e  um bumbum arrebitado e apetitoso..Ela tinha os seios grandes, levemente caídos com o bico saliente que deixava a blusa bem marcada, dando a impressão que ela estava sempre excitada. ..
Mas o que chamava a atenção nela era a  buceta enorme que ela tinha.. 
Prestando bem atenção (como eu fiz ) se percebia que se destacava ainda mais no seu corpo . Quando estava com uma roupa mais apertava (quase sempre) se percebia que sua  xoxota possuia os grandes lábios exageradamente salientes e estufados, fazendo um volume inacreditável. ( Segundo alguns especialistas, casos assim são raros e se trata de uma distorção genética.)
Aquela buceta começou a fazer parte das minha fantasias mais obscenas. Me masturbava pensando nela e sonhava que estava fodendo Dna Rosa e esporrava na cueca .Amanhecia todo melado, Sempre que ela vinha , ficavamos conversando a tarde toda, porque meu tio dormia depois do almoço . A empregada da casa estava ocupada  e nós ficavamos conversando e vendo televisão.. .
Conversavamos sobre tudo, e ficamos bastante amigos...ela era divertida e sensivel e parecia gostar da minha companhia .
Enquanto conversávamos, eu olhava claramente para a sua buceta. Por mais que  tentasse disfarçar, meus olhos deslizavam pelo seu corpo generoso e caíam direto na  perereca. Ela percebia, mas não parecia ficar com raiva por eu a observar tão intimamente..

Assim passou-se o tempo e enquanto eu estava com a perna engessada, fui ficando cada vez mais louco de tesão por ela.
Prá encurtar o assunto , depois que melhorei da perna ,voltei prá São Paulo e só revi Dona Rosa alguns meses depois, numa
festa de aniversário do meu tio......
Numa hora em que ficamos sozinhos na cozinha, eu
disse que estava com saudades dela, dos nossos papos e que sentia falta da sua companhia. Ela me olhou com carinho e disse que também sentia falta, que me achava muito legal. Nesse dia não pudemos conversar muito , mas eu senti que havia um clima
de afeto entre nós.
Confesso que voltei  na casa da minha tia algumas vezes, na e
sperança de reve-la ou de ter notícias sobre ela.
Felizmente, meu tio já tinha
melhorado. Minha tia disse que não tinha mais contato com Rosa, mas a tinha
encontrado na rua e ela tinha perguntado por mim..

Dois ou tres meses depois, numa
sexta-feira, durante minhas férias, eu fui à praia, bem cedo. Depois de alguns mergulhos, caminhei mais um pouco e foi quando a vi. Dona Rosa estava sozinha, perto de alguns coqueiros. Fiquei olhando-a de longe, um pouco, antes de me aproximar. Ela estava de maiô. porém devido à sua protuberância, bem provocante e bonita. Quando se acomodava , eu me aproximei...Nos abraçamos fortemente e comentamos sobre a coincidência do encontro..  E começamos a conversar
matando saudades das nossas antigas conversas..
Dona Rosa me disse que  estava de
folga , o marido e o filho estavam trabalhando  e que ela estava se sentindo sozinha
então veio à praia. Disse, sorrindo , que era um prazer ter me encontrado.....
Ficamos
conversando um tempão,  depois fiquei com sede, lhe ofereci uma bebida e procuramos um quiosque, onde começamos a beber cerveja e batidas de abacaxi. Ela adorou, chamou de "uma pequena loucura". Eu ri.  Bebemos enquanto conversavamos e riamos, eu comecei a me sentir tonto e ela também me disse que estava de pilequinho, mas
estava adorando..
Bebemos mais um pouco e ela me chamou pra caminhar .
Caminhamos e ela me disse que ia me levar para um ponto na praia que mais gostava. Ali o movimento de banhistas era menor e não havia qualquer espécie de comércio na calçada. Este local era considerado deserto para muito frequentadores da região, pois possuia grandes dunas de areia e uma vegetação bastante densa. Descobrimos que ambos gostavamos daquele ponto da praia, mais tranquilo..Ela deitou-se na esteira, sua buceta parecia que tinha aumentado de tamanho. Estava uma coisa " indecente" de tão grande e saliente.  Ela parecia estar à vontade por que, como eu disse, estava em um
ponto da praia onde havia pouquíssima gente .Aliás, naquela hora não havia ninguém.
Deitou-se de costas e pediu prá eu passar um pouco de protetor solar nela..A bebida nos relaxou e começamos a falar de coisas mais pessoais...Quando mais a via sorrir, mais crescia minha excitação. Seu jeito de falar e me olhar me deixavam
completamente hipnotizado. Minhas mãos deslizavam suavemente pelo seu corpo.
Um
prazer enorme me invadia ,  quando eu esbarrava levemente os dedos na sua buceta.
Talvez descontraída pelo efeito da bebida ou se sentindo à vontade com nosso papo, ela começou a desabafar : Disse que o volume que a vagina fazia na calcinha era algo anormal e chamava a atenção de todo mundo. Disse, meio constrangida, que os
namorados dela , sempre achavam  feio.
Um pouco envergonhada, ela contou, que o
seu  marido quando viu sua xoxota pela primeira vez disse que daquele tamanho ele só tinha visto em vaca e égua o que na época a magoou bastante, deixando-a bastante complexada. Depois ele se desculpou mas Rosa me explicou que , depois dessa brincadeira., sem graça, só transava no escuro para que ele não percebesse a saliência
exagerada.
Percebi que ficou triste e seus olhos estavam úmidos, quando virou-se e 
perguntou se eu não achava a sua perereca grande demais..." - Seja sincero, ela disse "
.
Eu alisei o seu rosto e seus
cabelos e lhe disse prá não ficar triste.  Olhando fixamente nos seus olhos, eu respondi
que a  parte mais sexy dela  era justamente  a xoxota .
Ela não respondeu nada,  e continou falando, como se não tivesse me ouvido. Ela
continou desbafando dizendo, que desde os 13 anos, percebeu que ela estava ficando maior do que a das outras garotas. Nos vestiários, as meninas riam dela  e ficavam dizendo que aquilo tudo não era normal em uma mulher. Eu respondi e disse que  ficava excitado quando via uma buceta como a dela. completei dizendo tudo o que
sentia por ela, desde a primeira vez em que a vira.
Falei do meu tesão, do meu desejo e
das minhas fantasias por ela. Meu coração batia em disparada, mas a bebida tinha soltado a minha voz. Perguntei se podia tocá-la. Antes que ela respondesse, minha 
mão começou a percorrê-la suavemente.
Enquanto alisava sua xoxota , comecei a beijar
sua boca...Nos beijamos, várias vezes e eu apalpava sua buceta com mais tesão.. Em meio aos beijos, ela me confidenciou que meu carinhos a deixaram toda molhadinha de desejo.

Completamente excitados, saimos dali, aos beijos , agarrados e entramos no primeiro hotel que encontramos, um pequeno hotel vagabundo no centro da cidade.Mal fechei a porta do pequeno quarto, praticamente arranquei sua roupa a força, tirando a saida de praia e descendo o maiô até os pés..Eu quase engasgei quando vi sua  xana enorme , que estava completamente depilada. Meus olhos brilharam e ela me disse que nunca tinha visto esse brilho nos olhos do seu marido .............
Ela me
puxou para um beijo e empurrou minha cabeça para seus enormes seios...Na mesma hora eu comecei a chupar seus peitões,  a mordiscar, a passar a lígua nos biquinhos e ela começou a gemer muito  .Fui lambendo sua barrigona, mordiscando, beijando e fui descendo devagarinho, até chegar em sua xana,coloquei a cabeça entre suas  pernas e começei a chupar sua buceta com uma fome que a deixou louca.Eu sugava os lábios da sua  xoxota ao meu tempo que tentava colocá-la toda na boca. Ela gemia que nem louca e dizia que a chupada a fazia explodir de desejo. Ao mesmo tempo que chupava sua perereca eu repetia que adorava sua buceta , que  era a garota mais gostosa que eu já tinha chupado e exigi que ela gozasse na minha boca.Ela apenas gemia, mais e mais e
puxava meus cabelos..
Então abri bem sua boceta e comecei a passar a ponta da língua
no grelão dela, passei, passei, até ele crescer,  .Quando ela estava quase gozando pediu pra eu parar,me puxou para outro beijo em sua boca, ela estava tremendo de tesão,
doida para gozar,mas queria gozar no meu pau . 
Quando viu que eu me acalmei,
levou minha boca para os seu peitos e comecei de novo a morder a chupar, mas dessa vez chupei mais forte, bem mais forte para ela sentir dor, mas quanto mais forte eu chupava com mais tesão ela ficava, aí desci para sua buceta de novo, chupei sua buceta mas apertando os biquinhos de seu peito, lambi, chupei, mordi seu grelinho de leve, passava a lingua ferozmente, esfregei minha cara em sua buceta, chupei sua baba
todinha...
Mas não acabei por aí continuei lambendo-a  e beijando todo o seu corpo, até
ela gemer e gritar que estava louca pelo meu pau   ..Ela gemia e enquanto me beijava freneticamente, começou a acariciar o meu pênis. Eu não estava mais aguentando de
tesão e tirei a  calça..Ela então pôs pra fora meu pinto ..
O meu pau tava duro duro e
com uma glande que parecia que ia estourar de tão inchada. Além de grande o meu pênis tinha duplicado de grossura Entre beijos melados ela me pediu prá ser comida bem gostoso .  Vendo que parecíamos dois animais no cio, eu levantei suas pernas para
alto e deixei bem a mostra sua xoxota e finalmente enfiei meu cacete  dentro dela.
Apesar da sua buceta ser bem saliente e gorda, era estava bem apertada... Eu estava louco de tesão, e não agüentei, coloquei tudo até o fim , ela gemia :  comecei a estocar
bem devagar, ouvindo aquele gemidinho rouco que me deixava louco de tesão...
E
nquanto estocava ela pedia prá eu foder mais forte, que ela gostava bem forte e gemia
"  "... aiiiii, huuuummm...."
Iniciei um vai-e-vem mais rápido com estocadas mais forte,
chegando a fazer barulho . Ela  soltava gritinhos roucos e a cada batida gritava..Coloquei-a de quatro, apertando-a pela cintura e amassando seus seios .E fiquei ali estocando, aproveitei que minha mão estava no seu quadril e fui descendo-a até chegar em sua xana, com um dos dedos comecei a acariciar o seu clitóris, nisso ela foi aumentando a intensidade dos gemidos cada vez mais altos, eu não estava com pressa e só pensava em dar prazer à ela e a esfregar aquela bucetona, parei com meus movimentos de vai e vem e  fiquei masturbando-a por um bom tempo.. Huuum que
coisa de louco!
Ela gritou, e mexia com as pernas esfregando-as uma na outra, sentia
sua buceta apertar meu pau, parecia uma massagem muito gostosa...
Eu já não agüentava mais, me segurava pra não gozar, os seu gemidos me deixaram a
ponto de bala. Mudamos novamente de posição, retirei meu pau e a virei de frente prá mim e a beijei  . Então comecei a chupar seus peitos e com um dos dedos enfiei em sua xana, a masturbei longamente.Novamente, tive tesão de chupá-la e desci até sua buceta
e a chupei com tesão e fome. Ela me puxou prá cima dela e pediu pra ser fudida bem gostoso .
Rosa  abriu bem as pernas grossas e macias e eu  recomecei enfiando somente a cabeça do
pau num vai-e-vem bem gostoso aos poucos botei tudo até o saco. Ela me abraçou e colocou sua cabeça no ombro esquerdo , gemendo bem gostoso, enquanto isso me unhava e apertava.... Ora me mordia o ombro, nossa não estava mais agüentando, já
estava sentindo aquele tesão vindo.
Sentia que foi se acumulando, acumulando... Nisso disse a ela:........ " Tô quase gozando....."............
"- Então goza bem gostoso, Gabriel
, goza, me enche de porra.. .. huuuummm..."
Aumentei o ritmo conforme ia aumentando o tesão, nisso fui apertando-a ,puxando-a
pela  cintura . Cada vez mais forte. Ela também foi gemendo cada vez mais alto.... Até
que não agüentei e gozei...
O primeiro jato foi muito forte, dei um tranco, após a
primeira  ejaculada  .Logo veio o segundo jato também forte devido ao tesão que sentia e claro gemi muito, a mordi no ombro com força.... Meu tesão era tanto que dei outras
jorradas bem gostosas...
"- Ai que delicia, ela dizia, que delicia. ..não tira ainda, vou gozar
..vou gozar...Hummm, que gostosura....."
Gemia e gemia, repetia que estava muito
gostoso. Então , ela se contraiu e gozou, deu um grito alto e apertou minhas costas
como se estivesse beliscando. ..
Fiquei com o pau dentro da sua buceta até cessarem meus espasmos
..

Depois ficamos abraçados, nos beijando, e depois de eu chupá-la novamente e dessa
vez fazendo ela gozar na minha boca, Rosa  disse que lembrou das palavras dos seus namorados e do seu marido, mas que desta vez  sentia-se inteiramente realizada como
mulher e fêmea. ..
Entre incontáveis beijos eu disse a ela que aquilo era coisa do
passado.Nos encontramos mais algumas vezes e eu sempre chupava muito a sua buceta
.
Infelizmente, as circunstancias da vida nos separaram, mas sempre lembro de ter
ouvido orgulhoso, ela dizer que ,graças à mim,  agradecia por ter nascido com uma bucetona. ( conto de Gabriel .
narcisosantos@hotmail.com )