sexta-feira, 30 de setembro de 2011

RICARDO E A NAMORADINHA CARENTE

ama8

conto de Ricardo

Sou o Ricardo, de BH, já publiquei alguns contos aqui no site mas agora resolvi contar mais um que aconteceu recentemente. Tenho 35a, sou casado, tenho 1,78alt, 78kg, olhos e cabelos castanhos e um corpo legal, sem barriga, não sou dotado e tenho um pau bonito e sem pelos.

Sempre entro em salas de bate papo afim de conhecer alguém interessante para um papo e claro, se rolar encontros reais. Em um desses bate papo, conheci a Roberta, uma negra, 22 anos, muito bonita, cintura fininha e uma bunda maravilhosa, seios médios e duros e uma boca maravilhosa, mas que namora um cara, que segundo ela gosta muito de futebol e sempre deixa ela na mão nos finais de semana, inclusive tendo viajado algumas vezes e deixando ela sozinha

. Conversamos durante uns dois meses, até que ela foi se abrindo, e eu sempre tentando convence-la a se encontrar comigo, que seria algo gostoso, e só fariamos o que ela quisesse, sem forçassão de barra, o que ela sempre negava, pois dizia que tinha vontade mas também tinha muito medo. Conversamos muito até que ela resolveu me mostrar algumas fotos dela na praia, eu quando vi fiquei louco, uma negra gostosissima, um bumbum que me deixou louco, eu logo insisti em conhece-la pessoalmente, e disse a ela que eu tinha algumas fotos nú e se ela quissesse eu poderia mostrar... Ela aceitou e disse que seria apenas isso e nada mais....

Mostrei ela as fotos e ela disse que era gostoso, lisinho e diferente do namorado, que era peludo e que incomodava ela tantos pelos.. Então falei que poderia mostrar pela cam e se ela gostasse eu mostraria pessoalmente, ela disse que queria ver apenas na cam, e não pessoalmente.... Liguei minha cam comecei a mostrar a barriga, a cueca e não tirava o pau pra fora, e ela me pedindo pra mostrar, eu notando que ela estava com tesão disse que só mostraria se ela me pedisso por telefone, o que ela aceitou.... Liguei pra e perguntei o que ela queria ver, e ela me disse que queria ver o meu pau, e que ela estava molhadinha de tesão.... Então fui descendo a cam, tirei a cueca e mostrei o pau pra ela que no telefone começou a dizer que queria pegar, lamber chupar e sentar e rebolar nele gostoso, o que eu disse que seria quando ela quisesse.... Ficamos muito tempo nesse clima, até ela me pedir pra gozar que ela queria ver minha porra saindo do meu pau... Fiquei me punhetando até que chegou a hora e eu disse que ia gozar, e ela no telefone me dizendo que estava com o dedo na xaninha e ia gozar junto comigo... Não segurei mais e gozei muito, e deixei escorrer pela minha mão, pra ela ver o que eu queria dar pra ela...

E assim foram nossos encontros no msn, sempre com exibições e gozadas, até que convenci ela a me encontrar pessoalmente para fazermos tudo o que a gente tinha falado... Ela pensativa aceitou mas disse que seria somente o que ela quisesse... E eu claro concordei....

No dia marcado fiquei esperando ela no estacionamento de um shopping aqui em BH, liguei pra ela, e ela me disse que já estava dentro do shopping, e que viria até o carro... Esperei alguns minutos e quando eu olho, vejo uma mulher saindo pela porta e vindo em direção ao meu carro, não acreditei quando vi, era ela, e muito mais bonita e gostosa do que nas fotos, e olha que nas fotos de biquini na praia ela estava deliciosa... Ela então entrou no carro, nos apresentamos e não pude deixar de notar o decote dela, que deu uma risadinha e disse que se fosse pra eu ir assim, que desceria do carro, pois estava até com medo de mim...

Quebrado o gelo, sai com o carro e fomos direto pra um motel perto do shopping, pois como sou casado e ela tem namorado, não podiamos dar bobeira, mas tudo conforme ela havia dito, só rolaria algo mais, se ela quisesse. Chegando no motel, ela desceu na frente e eu entrei atrás, e quando ela abriu a porta, eu dei um tapinha de leve no bumbum dela, que deu um sorriso e me chamou de safado, o que eu logo confirmei, e disse que ela ainda não tinha visto nada....

Conversamos mais um pouco na cama e comecei a beijar o pescoço dela, a nuca, as costas....... Deitei ela de bruços e abri a blusa dela, descia lambendo as costas até a cintura, e subia novamente, apertando os seios e o bumbum dela, ainda de roupa... Ela muito timida dizia que nunca havia feito isso, e que era loucura, virei ela de frente pra mim e comecei a beijar a boca dela, descendo lambendo os seios, e a barriga... Ela já com muito tesão, pegou o meu pau por cima da calça e começou a apertar.. Abriu o ziper e pegava no meu pau por cima da cueca, mas me disse que eu não a comeria aquele dia..... Então passei a esfregar o meu pau no rosto dela, que tentava passar a lingua nele, mas eu segurava ela e esfegava meu pau nos labios dela que gemia de tesão... ela dizia que queria apenas me chupar aquele dia e nada mais.........

Depois ela começou um delicioso boquete, mamou gostoso o meu pau e disse que era muito gostoso chupar um pau sem pelos e lisinho, e que queria chupar sempre... Enfiava ele na boca e tirava, lambia em volta dele passando a lingua de cima em baixo, parecia estar louca de tanto tesão... Coloquei o dedo na xininha dela e estava molhadinha de tesão, mas ela tirava minha mão e dizia que nada mais do que isso, apenas me chuparia...... Depois de um tempo falei com ela que ia gozar e tirei o pau da boca dela e gozei nos seios, que ficaram todo lambuzados de porra, que ela esfregava e dizia que queria mais.....

Depois ela lambeu meu pau novamente ate ele ficar sem uma gotinha de porra, todo limpinho..

Me deitei então por cima dela, e comecei a sarrar ela gostoso, seios, bunda beijando ela muito, e consegui abrir a calça, que ela ainda teimava em não querer tirar.... colocava o dedo na xaninha dela e dizia que queria comer ela naquele dia, que queria ver ela rebolando gostoso no meu pau, e que ela iria gostar de sentir o meu pau dentro dela. Ela molhadinha, eu sai e coloquei uma camisinha e voltei denovo pra cima dela, sarrava a bunda dela e coloquei ela deitada de barriga pra cima e com os pés nos meus ombros..

Desci a calça dela até na nas coxas, arredei a calcinha e ela me pediu pra comer ela ali, daquele jeito, e assim foi, comecei a enfiar o meu pau, e ela gemendo, me chamando de safado, que eu era cachorro e que tinha conseguido o que eu queria...... me dizia pra meter gostoso, que queria sentir meu pau pulsando na buceta dela, e que queria gozar rebolando nele... Ficamos assim um bom tempo, eu alternava a velocidade e metia gostoso, até ela começar a gemer mais alto e dizer que estava gozando, e que queria meu pau comendo ela sempre...

.Gozamos juntos e ela ficou na cama deitada, depois foi pro banheiro e ficou um tempo......... Vestiu a roupa e voltou pra cama... Tomei um banho e voltei também, pensando que ela estivesse com raiva por eu ter pedido mais do que um boquete........

Ela me deu um beijo e depois de conversar mais um pouco, me deu uma outra chupada deliciosa e fomos embora, afinal ela estava matando aula...

Esse caso é veridico e aconteceu em uma quarta feira.... E depois, já nos encontramos novamente, e ela agora até incentiva o namorado a ir jogar uma bolinha no sábado a tarde... Se alguém de BH gostou e quiser me conhecer, ou conversar.... Casais, casadas ou mulher solteiras, façam contato e deixem o email ou msn... Tenho ,35 anos sou casado, meu email (msn) é toakionline@hotmail.com Abraço a todos e desculpem o tamanho do conto....
(
http://swingprive.com/principal.htm)

quinta-feira, 22 de setembro de 2011


GANHANDO SURRA DE PICA

Oi como vão vocês? Já me conhecem né? Sou Luanna 26 anos, corpinho estilo mingnon, 1,64 de altura 60 kg cabelos longos e ondulados, olhos escuros e uma boca bem provocante. Sou casada com Paulo um homem mais velho já na casa dos 40, um homem deliciosamente provocante, corpo sarado, ombros largos, mãos fortes. Ele é militar trabalha geralmente à noite, voltando para casa logo nas primeiras horas da manhã. Num dessas minhas noites solitárias resolvi ligar para ele, eu estava pegando fogo. Meu corpo ardia de tesão - como diz uma amiga minha mulher é um bicho estranho ás vezes nem quer ouvir falar de sexo, outras fica subindo pelas paredes – eu estava louca precisava de sexo. Disquei para seu celular, ele atendeu preocupado a final de contas eu não tinha costume de ligar para ele na alta madrugada. Com uma voz assustada me indagou se algo sério havia acontecido, respondi que sim, que eu estava com o corpo ardendo, minhas entranhas estavam como um vulcão só conseguia pensar num remédio eficiente: ele.

Percebendo do que se tratava Paulo entrou no jogo, me pediu para esperar alguns instantes que ele iria fechar a porta da sala onde se encontrava.

- Pronto minha gata, agora podemos conversar com calma e eu vou tentar te medicar direitinho. Conta para mim o que você está sentindo, quero saber direitinho que ta afligindo a minha gostosinha.

- Ai amor, parece que estou com febre, meus peitinhos estão duros, os bicos bem vermelhinhos e muito, muito enrijecidos. Estou sentindo meu coração acelerando, uma vontade de sentir suas mãos no meu corpo.

- Hum, e está sentindo mais alguma coisa? Conta para mim.

- Minha xaninha, meu gostoso, está latejando. Nossa meu amor minha calcinha esta molhadinha, não estou mais agüentando de tanto tesão.

- Você é realmente uma putinha muito safada, ainda bem que estou sozinho, meu pau está muito duro.

- Hum, delicia, vamos nos tocar bem gostoso, quero gozar com você agora.

Naquela hora eu e meu macho fizemos um dos mais deliciosos sexos virtuais da minha vida. Ouvir sua voz baixinha, com medo de ser pego por alguém no trabalho me deixava mais tesuda. Ele me conduzia, me mandava esfregar gostoso minha bucetinha, usei um brinquedinho que ele havia me dado, penetrava o vibrador em mim e sentia meu corpo tremer, gozei gostoso. Do outro lado da linha ouvia ele me chamar de gostosa, puta, safada aos poucos sua voz foi ficando mais trêmula percebi que ele estava prestes a gozar. Propositalmente desliguei o telefone. Ele ligou imediatamente, por maldade não atendi.

Fui ao banheiro e tomei um delicioso banho, me ensaboei e a sensação da água morna caindo forte em meu corpo me deixava mais relaxada, mas nem por isso meu tesão diminuía, novamente resolvi recorrer ao vibrador. Passei-o por meus seios, pela minha barriga e esfreguei meu grelinho, não sei o que me deu, instintivamente fui lentamente penetrando o brinquedinho no meu cuzinho. Sentia uma dorzinha gostosa abaixo do umbigo, um arrepio percorria todo meu corpo, ali sozinha eu gemia, arranhava os azulejos, não podia parar. Lentamente aumentei a intensidade, meu Deus que loucura, sentir aquilo vibrando fundo no meu cuzinho me fez gozar mais uma vez.

Terminei meu banho e coloquei uma camisetinha provocante, resolvi dormir sem calcinha naquela noite, já podia esperar o que aconteceria quando Paulo voltasse do trabalho. Estava cansada dormi profundamente, acordei com o barulho dele abrindo a porta da garagem. Preparei-me para recebê-lo tirei a coberta e deitei-me de bruços com a bundinha bem empinada e as pernas entreabertas, fingi ainda dormir. Ele entrou no quarto, percebi que deixou algo sobre a mesa. Podia sentir que ele olhava para mim, sentou-se ao meu lado na cama, levantou minha camiseta e me deu um aperto forte no bumbum.

- Puta safada. Me deixou doido, você me paga sua cachorrinha ordinária.

Simulando que estava acordando me espreguicei e olhei com uma carinha dengosa para ele.

- Bom dia amor. Estou doidinha de saudades, vem aqui, deita aqui comigo.

Ele se levantou, foi até a janela do quarto, abriu as cortinas e os vidros, o vento frio que entrou arrepiou meu corpo. Paulo me olhava fixamente com um sorriso deliciosamente malicioso:

-Lu, vem aqui vem!

Levantei-me bem devagar fui ao seu encontro. Ele estava encostado na grade da varanda, ainda era bem cedo, podíamos ver alguns vizinhos. Ele me abraçou com força, beijou minha boca, chupava minha língua com sofreguidão, podia sentir seus dedos apertando forte minhas costas. Como um animal faminto percorria meu corpo com as mãos, mordia minha língua, senti um leve gosto de sangue em meus lábios, o filho da puta me machucou. Tentei me soltar de seu beijo, mas ele me segurava me mantinha quase imóvel junto ao seu corpo. Penetrava sua língua em meus lábios e forçava minha boca a abrir-se cada vez mais, a dor da mordida passou e no lugar ficou um tesão enorme, podia sentir o liquido de minha excitação escorrer entre minhas coxas. Perdi a noção de quanto tempo ficamos nos beijando, notei que o volume de seu pau quase estourava a farda, ele suava, eu precisava cuidar muito bem do meu macho. Alcancei sua calça e apertei levemente aquele mastro que fazia minha alegria. Ele entendeu o recado e se afastou um pouco, segurou meu rosto e sorrindo ordenou:

- Vem puta, ajoelha diante do seu macho.

Como uma esposinha obediente ajoelhei-me e comecei a beijar e a morder seu corpo ainda vestido. Com cuidado tirei seu cinto e abri o zíper. Ai, que delírio podia sentir o cheiro bom do seu corpo, sentir o odor vibrante do seu sexo me deixava com mais vontade de chupá-lo.

- Entra amor, alguém pode nos ver.

- Deixa disso vadia, eu sou seu homem e quero aqui, seja boazinha e faz o que você sabe que eu gosto.

Entendi o recado, naquele momento ele estava no comando, eu já não era só a esposa bonita, jovem que ele tinha orgulho em apresentar para os amigos. Ali eu era a mulher, a putinha particular dele, a que fazia ele se sentir macho, que sabia e o fazia gozar como um bicho insano.

Ajoelhada alisei contemplativa suas pernas fortes envolvida pela farda, seus pés grandes presos naquele coturno empoeirado. Tirei suas botas, abaixei e tirei suas calças, ele olhava supervisionando cada um dos meus movimentos e eu me arrastava no tapete de nosso quarto só de camiseta, Paulo delirava, mordia os lábios olhando meu jeito submisso.

Calmamente liberei seu pau, duro, grosso já estava melado mostrando que o desejo realmente havia tomado conta de nós. Toquei com as unhas levemente a cabecinha do pinto, ele gemeu. Eu estava indo no caminho certo, com a outra mão apertei seu saco estava inchado, pesado de tesão, ali guardado estava o precioso leite com que Paulo me alimentava e eu estava sedenta por isso. Lambi toda a extensão de seu pênis, da base até a cabeçona vermelha grande. Fui beijando como quem reverencia um monumento, abocanhei. Tentava desesperadamente colocá-lo todo em minha boca, sentia a cabeça bater na garganta. Respirava com calma para não me engasgar e nem perder nenhum lance daquela chupada gostosa. Arranhava sua barriga e chupava, pressionava meus lábios contra o pinto dele, Paulo enlouquecido segurou meus cabelos e movimentava freneticamente seu quadril contra minha boca. Estava literalmente fudendo minha boca, eu enlouquecida tocava meu grelo e sentia faíscas de desejo saltarem do meu corpo. Não demorou muito:

- Ai puta, safada vou encher sua boca de porra.

- Puta que pariu, to gozando!

E gozou, senti os jatos fortes de porra encherem minha garganta, minha boca. Não larguei da piroca dele, continuei chupando e engoli tudo, no fim um fio de sêmen escorreu pelo cantinho da minha boca, com a língua lambi. Olhei para seu pau que ainda estava duro, porem limpinho.

- Olha Luanna você é deliciosa, uma boca divina, adoro fude-la. Mas ainda quero mais.

Me levantei do chão com sua ajuda e me deitei de bruços na cama. Ele veio por cima de mim, beijou minha nuca, o pescoço, toda a extensão das costas depois passou a beijar meus pés, minhas pernas. Foi massageando com firmeza e delicadeza minhas coxas, passando a mão, esfregando, podia sentir meu tesão escorrendo por entre as pernas. Ele judiava de mim, eu pedia, implorava para ele me penetrar, precisava gozar naquele mastro. Paulo abrir meu bumbum e passou a língua quente, molhada por toda extensão, do meu cuzinho até meu grelinho. Não suportei e comecei a gemer a gritar de tesão:

- Ai safado, chupa assim. Faz sua mulher gozar gostoso.

- Isso puta, grita, mostra para todo mundo quem é seu macho sua vadia!

Ficamos ali os dois gemendo alto. Pouco importava se os vizinhos ou se a diarista ouvisse, queríamos gozar.

Paulo levantou-se abriu a gaveta do criado e pegou o vibrador, na hora me assustei, mas sabia que ele faria algo delicioso comigo. E minha previsão foi acertada, eu ainda estava de bruços, Paulo se encaixou entre minhas pernas, alisava e apertava meu bumbum, lentamente começou a penetrar seu pênis em mim, sentia a cabecinha entrar rasgando minha xaninha, ele colocava um pouquinho e parava, ficava imóvel me torturando com penetração. Logo ele movimentava levemente o quadril e mais um pedaço do pau entrava em mim, eu não pude agüentar e empurrei rapidamente meu bumbum para trás entrou tudo. Rebolei gostoso me sentindo preenchida por ele. Paulo bombava com força, sentia seu caralho ir fundo dentro de mim. Sem parar de bombar ele introduzia seu dedo indicador em meu cuzinho que piscava de desejo por ele. Ele se abaixou sobre meu corpo e me fez chupar o vibrador, deixei-o molhado com minha saliva. Mal podia esperar pelo prazer que eu estava prestes a sentir. Meu homem abriu bem minhas nádegas e foi enfiando calmamente o vibrador no meu rabinho, fazia isso sem parar de bombar na minha bucetinha. Eu só gemia, urrava de tesão sentido aquela dupla penetração, que me rasgava, me preenchia, me levava ás nuvens.

- Isso putinha, geme gostoso e rebola. Ta sendo bem comida, agora você vai aprender a ser uma putinha ainda mais gostosa.

- Ai Paulo, estou morrendo de tanto prazer, vou gozar demais.

Meu tesão era tamanho que não pude resistir muito tempo, gozei com o pau dele enfiando na minha xaninha e com um vibrador ligado em alta intensidade no fundo do meu rabinho. Eu gozava e ele não parava de estocar, me chamava de gostosa, de vadia, uma onda de calor percorria meu corpo, me sentia trêmula, relaxada, mas sabia que ainda podia e que iria gozar mais. Instintivamente as lágrimas começaram a brotar dos meus olhos, Paulo me fazia gozar e chorar de tanto tesão. Aquele homem realmente sabia me tratar como uma puta. Com mais algumas estocadas pude sentir a porra quentinha do meu macho inundar minha buceta. Ele jogou seu corpo grande contra o meu e mordia meu pescoço. Ficamos assim por algum tempo, depois nos beijamos e ficamos abraçados nos olhando com desejo e com carinho. Ele sorriu me agradecendo. Escrevo esse conto já pensando em usar uma camisola bem provocante e como uma boa esposinha esperar meu maridão voltar do serviço.

Beijos a todos e comentem ok?!!!!!

terça-feira, 20 de setembro de 2011

CONTOS COM MUITO TESÃO

 

sexo_oral_005

ARLETE
Conto de Gabriel

Arlete era uma mulher morena, de cerca de 54 anos. Arlete era uma pessoa bastante comum, nem feia nem bonita, mas tinha algo que a iluminava : era uma pessoa extremamente simpática. Seu sorriso era cativante e ela tinha uma aura que fazia todo mundo se sentir bem.

Conheci  Arlete quando o meu tio estava internado . Na ocasião, a mãe dela também estava internada no mesmo quarto.
Nos encontravamos no horário da visita , durante a semana, que era o horario do meu almoço e do dela também.. Arlete foi muito simpática e carinhosa com o meu tio e eu também com a mãe dela. 
Isso acabou nos aproximando e conversando, descobri que o trabalho dela ficava no caminho do meu e um dia, lhe ofereci carona.

Passamos a ir embora juntos todos os dias e conversavamos bastante naquela curta distância..
Arlete fez amizade com algumas pessoas no hospital e mudamos as nossas visitas para a tarde, depois do expediente. foi muito bom para o meu tio e para a mãe dela.. E para mim, também, devo confessar, pois assim eu podia levar Arlete em casa e encompridar os nossos papos.

Trocando confidencias, descobri que Arlete , embora sendo uma mulher já madura, na casa dos 50 e poucos anos, ainda não havia se casado. Sua vida era apenas trabalhar e cuidar da sua mãe. Como acontece em várias famílias, seus irmãos se casaram, se afastaram ,deixando prá ela, a missão de cuidar da mãe.  
Assim, a sua vida ficou limitada, ela estava muito estressada, se sentindo sozinha  e conversar comigo ,segundo ela, estava lhe fazendo bem...  

Naqueles dias eu também comecei a perceber que queria estar sempre proximo dela. E também eu gostava muito da mãe de Arlete . Porisso quando Dona Clara, mãe de Arlete, teve alta, eu comecei a ir visitá-la quando saia do serviço
Passava ali de meia a uma hora , conversando um pouco com D. Clara  e depois um pouco com Arlete.
Aquela simpatia, aquele sorriso, aquele jeito de ser me encantavam. Ela também parecia gostar de mim , porque eu sou um bom ouvinte. 

Um dia , quando cheguei, ela estava de camiseta e calça jeans, e enquanto eu conversava com Clara,  ela pediu licença pra trocar de roupa, porque estava com calor.
Arlete voltou com um vestido soltinho , de alça , com um sutiã de renda , eu a comia com os olhos e ela me olhava como se que se divertindo.  Dona Clara,  , depois de medicada, pegou no sono um pouco mais cedo do que o costume.  Nesse dia, eu senti em Arlete, um olhar diferente, um pouco mais envolvente e sensual.

Mais tarde , ela me convidou para um lanche e depois ficamos conversando no sofá.
Ela me olhava de um jeito tão doce, que meu comportamento sempre exemplar não durou muito. Segurei no seu rosto e lhe roubei um beijo . Ela ficou assustada e não correspondeu a principio. Eu estava muito excitado e insisti procurando sua lingua que comecei a chupar..
Logo me deitei por cima dela. Beijei muito a sua boca e mergulhei no seu pescoço sedoso. Bastante assustada, Arlete pediu pra eu parar,
Nisso o telefone tocou, eu não a deixei atender e continuei beijando-a , estava uma delicia.

Mas o toque do telefone acordou Dona Clara  e ela começou a chamar do quarto. Arlete estava ofegante, atendeu o telefone, foi até o quarto da mãe .
Eu estava confuso, um pouco arrependido pela minha empolgação, mas não muito. Ela estava muito sensual e eu estava louco pra comer ela..

Quando sua mãe  finalmente dormiu, novamente, Arlete voltou para a sala
- Mamãe demorou pra dormir, ela disse, ela se assustou com o telefone.
Eu não respondi, apenas disse :
- Você é linda..  e a agarrei aos beijos no meio da sala.  
Ela dizia ainda, sufocada nos meus braços :  '- agora ela está medicada.. Ela tem andado muito estressada... dei um remédio prá ela dormir.. '
Eu só dizia:  '- sim,amor', e começava uma sessão de amassos que foi ficando cada vem mais quente.
'- Mesmo assim, ela demorou pra dormir.' ela continuava ..' Ela gosta muito de você,Gabriel,' ela dizia,' suas visitas fazem muito bem à ela.'

E eu, apertado nela , beijava e chupava o seu pescoço. Ela continuava a falar, agora mais baixinho, eu a apertava como que querendo fundir-se nela.
'- Ela te acha muito charmoso.. como está o seu tio ? 'Arlete dizia, tentando se safar dos meus braços.
'- Bem, amor, ele tá bem.. gostosa...'eu dizia e suspirava.
Eu me esfregava nela com o pau duro por dentro da calça, roçando, como se quisesse entrar com calça e tudo.
Eu estava alucinado,tonto de tesão.. Beijava, abraçava, apalpava, apertava,
Enfiei a lingua em sua boca e a beijei loucamente .

A principio, ela não correspondeu, mas depois de outras investidas, me abraçou pelo pescoço. Beijei-a até ficar ofegante. Isso me deixou ainda mais louco.
Abaixei o seu vestido , deixando-a de soutien.
Recomeçamos os amassos e os beijos. Ela me puxou  para o seu quarto e eu levei ela  para a cama, tocando no seu peito direito por cima do soutien. 
Fiquei apalpando, depois peguei no outro, puxei o soutien de lado, meio desajeitado, e comecei a acariciar o biquinho com a palma da mão, sem parar de beijar a sua boca..o biquinho tava durinho.

Ela puxou o sutiã e ficou com os peitos de fora. Instintivamente, pegou na minha cabeça e puxou de encontro a um dos biquinhos. " Morde, mas devagar", ela disse.
Eu confesso que fiquei louco, como que embriagado ! Fui chupando, chupando e ela gemendo, pedindo pra eu morder, e passava a mão nas minhas costas, apertava a minha cabeça, gemia..
Abraçou minha cabeça de encontro ao seu peito pedindo pra eu chupar com força, disse que aquilo a deixava louca.

Dos seus peitos e seu colo , fui descendo, descendo, puxando o seu vestido ,tirando o seu vestido,  lambendo seu umbigo . Ela me olhava,gemendo baixinho. beijei e lambi a parte interna das suas coxas, puxei a calcinha e encostei a lingua na xoxota. Primeiro lambi levemente, depois abri bem a xaninha e enfiei a lingua ate onde ela alcançava, sua buceta estava prá lá de molhada..

A cada gemido dela eu ficava com mais tesão e comecei a chupar, passar a lingua de baixo pra cima, e cima para baixo, até que parei no  clitóris e comecei um movimento contínuo com a língua, sem parar, sem parar, sem parar...Ela gozou como se tivesse levado um susto. Forçava a minha cabeça na sua xoxota, puxava pelos cabelos, urrava , se contorcia em contrações , até que gozou de novo , molhando minha boca e meu queixo.

"Putz, to gozando, to gozando", ela gemia.. Continuei com a cara grudada na sua xereca, até ela me empurrar pra longe dela. Estava mole, molhada, com a cara toda vermelha.
Me beijou e disse que há muito tempo não gozava gostoso assim com ninguém.

Ficou um tempo deitada, ofegante, e eu a acariciando, deixando que ela curtisse o seu prazer..

Depois ela me disse, entre beijos e mais beijos " me masturbei essses dias todos, pensando em você, " ela continou. " Você me fez gozar muito gostoso, ", ainda disse, antes de me fazer deitar na cama, me beijando e tirando a minha roupa. "agora quero que você goze também bem  gostoso"

Arlete ,então,  beijou minha boca, chupou meu pescoço, meus mamilos, minha barriga, a virilha e devagar, pegou  meu membro com a  mão direita e ficou fazendo uns movimentos leves.
Depois, , chegou  a boca perto do cacete, lambeu de leve de baixo  pra cima,  fazendo movimentos com a mão .
Depois, começou  a dar beijinhos de leve bem na pontinha, só com os lábios, até encostar a língua no  buraquinho da cabecinha . Com a língua lá, desceu os lábios e colocou  a cabecinha na   boca.
Começou  então a passar a língua na cabecinha, movimentando-a para lá e para cá, enquanto ainda mexia um pouquinho com a  mão.
Eu estava todo arrepiado e gemendo ! 

Segurei sua cabeça e acompanhei seus movimentos, acariciando seus cabelos.  Arlete beijou a cabecinha e foi deixando o cacete entrar na sua boca, bem devagar, passando os lábios por toda extensão. Eu estava morrendo de tesão, e gemia e pedia pra ela chupar.."Isso, chupa, chupa gostoso "eu dizia..

De olhos fechados,ela engoliu todo o cacete, depois me olhou e foi tirando aos poucos da boca..Voltou um pouco e começou a fazer uns movimentos compassados, em que praticamente tirava o membro da  boca, dava umas boas chupadas na cabecinha e descia com os lábios macios novamente, até onde dava, engolindo-o todo.

Nesse vai e vem, eu fui  ficando cada vez mais louco, segurando a  cabeça dela com força quando descia para engolir o cacete .. Fui ficando louco, gemendo, arrepiado, com aquela sensação de vertigem..

Mas não queria gozar ainda, puxei-a para cima de mim e beijei-a , depois inverti,  e deitei-me sobre ela. Eu estava comovido pela forma com que ela se entregava a mim, querendo me dar prazer. Eu estava com muito tesão de enfiar o pau na buceta dela.
Passei a mão por todo o seu corpo, Arlete rebolava sutilmente, gemia.
Comecei a lamber a xoxota. " Que bucetinha gostosa," eu dizia.
" é toda sua. vem, ´Gabriel, vem, faz o que quiser comigo " Arlete dizia.

Eu lambi e chupei, enfiando os dedos nela. Eu tinha umas camisinhas no bolso da calça, peguei uma e me preparei para penetra-la .
Coloquei a camisinha com a ajuda dela e então  comecei a esfregar a cabeçona entre seus lábios. Apertava o clitóris. Ela segurou meu pau na base e puxou-o para que entrasse nela.
A cabeça entrou e ela deixou escapar um grito abafado.
" Que bucetinha quentinha",eu disse, beijando-a
" Pôe mais, ela disse, pôe tudo "..
Eu fazia movimentos circulatorias com a cabeçona dentro dela. Sua buceta era quente e úmida, bem apertadinha.
"Me come, Gabriel", ela gemia.
Eu recuei um pouco e voltei com força, forçando a entrada.
Ela me agarrou, suas unhas cravaram-se em minha costas.
Arlete arfava alto, e só então disse :" devagar, amor, seu pau é muito grosso".
Fiquei imóvel, e a beijei. Com um rápido movimento de pélvis, retirei o pinto de uma vez e voltei a investir com tudo.

Arlete soltou um gemido alto. Coloquei a mão na sua boca, com medo de acordar a sua mãe. Ela continou a gemer dessa vez mais baixinho, o que me deixava alucinado de tesão.
Comecei a fazer movimentos de ir e vir, e ela acompanhava o meu ritmo, deliciosamente. Era uma sensação maravilhosa.
Eu comecei a bombar mais forte e rapidamente, e ao mesmo tempo beijava a sua boca, tapando seus gemidos, que aumentavam proporcionalmente à minha velocidade.
Senti o gozo vindo... "Vou gozar amor , vou gozar "
Ela me apertou firme e disse : " goza .safado, goza  ", me abraçando forte..
Eu , embriagado de tesão , continuei a dar umas estocadas bem fundas e fortes.
Ela colocou a boca no meu ouvido e sussurrou : " goza,amor, goza dentro de mim... vai..goza tudo.."
Numa estocada mais funda eu quase urrei" : vou gozar... ..aahhhhhh!!!!!!!!!". Gozei fartamente, quase fui ao delirio..

Ela me manteve dentro dela, me abraçando, cruzando as pernas pela minha cintura, contraindo a buceta e me apertando pra dentro dela.
"Enquanto me beijava, ia perguntando : " gozou gostoso, amor ? te dei prazer ?"
"Muito, amor , muito.."
Então, sempre entre beijos, Arlete inverteu nossa posição, ficando por cima de mim..
Tirou a camisinha, o pau estava meio mole, todo melecado. 
Carinhosamente, ela limpou o meu cacete, devagar, depois  começou a me masturbar, beijando meu peito, pescoço, orelha :- "quero mais, amor, to ficando excitada de novo, quero você dentro de mim de novo "..

Ela começou a esfregar a buceta no meu pau, os seios na minha lingua e eu fui ficando com tesão de novo..Quando o pau ficou bem duro, ela começou a cavalgar bem devagar, deixando meu pau escorregar e eu tomando cuidado para não apressar o ritual e gozar rapido, eu queria aproveitar ao máximo aqueles momentos deliciosos.
Eu estava de novo com muito tesão, sua buceta era deliciosa, apertadinha, quentinha,molhada,

Eu gemia e a segurava pela cintura, Arlete foi aumentando o ritmo, eu gemia, urrava, delirava, vendo o pau entrar todinho dentro dela.
- To quase gozando, amor eu dizia..
Ela, sem dizer nada, gemia e rebolava ainda mais no meu pau e pedia pra eu gozar gostoso
Dizia que sua bucetinha tava ardida pelo atrito delicioso, mas que ela estava adorando,que eu a estava fazendo se sentir mulher..
Aí que eu fiquei mais enlouquecido ainda e bombava de baixo pra cima, estocando a bucetinha dela..
Ela então, desmontou do meu pau,  me ajudou a colocar  a camisinha e me chupou com vontade, sugou muito forte e gostoso, me fazendo urrar de tesão.
Subiu em mim novamente, colocou novamente na bucetinha, e subiu e desceu e rebolou tão gostoso, até que eu gozeeeeeiiiii, aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah !! , enchendo a camisinha de porra.  
Ela encostou a boca no meu ouvido, os seios no meu peito e suspirou :
- que delicia de homem, só de sentir seu gozo, fiquei louca, quero gozar de novo , amor...

Tirei-a de cima de mim, coloquei-a deitada, abri as suas pernas.. 
Também queria dar prazer a ela, fui escorregando passando a lingua por suas coxas e cheguei na sua buceta, passei a lingua na  virilha, sobre o grelinho, lambi bastante , sua buceta estava muito molhada  ,ela gemia,  estava adorando ser chupada  e dizia:
- "Chupa , chupa, to adorando, me faz gozar gostoso na sua boca, chupa, ahahhah hummm delicia, chupa, chupa mais, chupa,ahahahhaha hummm tesão, delicia, chupa, chupa."
E eu chupava, mordiscava, chupava mais, abria a buceta olhava, passava a lingua e metia sua lingua dentro dela, lá no fundo, fui colocando um dedo, dois e chupava, chupava, parava de chupar para beijar a sua boca , sem parar de masturbá-la,  e voltava a me chupar, ela requebrava na minha boca, gemendo " que tesão, que tesão" 
Até que, se retesou e gemeu mais alto : " VOU GOZAR."..  
Apertou minha cabeça entre suas pernas, se contorceu e gozou fartamente, gemendo : ' "aaahhhhhhhhahhhhhhhhhhhh, tooooooooooo gozaaannnddooo.. ahhhhaha "..

Depois de gozar gostoso na minha  boca, continuei ali , lambendo de leve ,  tocando cada centimetro da sua buceta, ela se contraia,  então coloquei dois dedos dentro da  buceta, chupei  mais uma vez  o grelinho  e  metia e tirava dois dedos de dentro da sua buceta,  chupava, enfiava os dedos e ficava socando de baixo pra cima.. ela gemia  :
"Isso , assim que delicia, ahahah hummm delicia, aaahhahahhahahah"
E eu sugava o seu grelinho sem pressa, ela  delirava de tesão, so pedia pra eu não parar, " não pára, não pára. "  ate que se esticou toda novamente e gozou novamente na minha boca .

Suas coxas estavam úmidas.. Ela estirou-se na cama, cansada.. de bruços, enquanto eu beijava as suas costas..
Esse foi o nosso primeiro momento de amor, que se repetiria outras vezes, com mais intensidade, com mais paixão e desejo...  (narcisosantos@hotmail.com)

8

PRIMEIRA VEZ
autor desconhecido  

" Já havia tido algumas experiências na adolescência e na juventude ,mas não havia tido um relacionamento mais duradouro, muito menos com uma mulher madura .Sendo assim , me considerava aos 21 anos um cara inexperiente sexualmente. Trabalhava a 2 anos numa estatal famosa ,num setor em que só tinha marmanjos. Eram oito horas todo dia sem ouvir uma voz feminina .Até que, por motivos de realocação de pessoal, fui mudado para outro setor. Esse fato levou a uma guinada drástica na minha vida. No setor novo a conheci. Já a havia visto na empresa, mas no máximo , só havíamos trocado alguns "bom dia" e "boa tarde" .

A chamarei de Dna. Roberta. Mulher de 35 anos, casada ,1.55m,morena, cintura fina, bumbum gordinho e saliente ,seios pequenos e duros, pernas grossas de carnes duras ,cabelos pretos compridos até a bunda . Ela seria minha chefe nos próximos 5 anos, uma das fazes mais felizes de toda minha vida.

No primeiro ano fui me habituando ao novo trabalho. Dna. Roberta sempre muito atenciosa me dava todas as dicas sobre minha nova função e sempre estava a elogiar meu desempenho. Nada demais, nunca levei para "outro lado" pois ela era atenciosa com todos. Fomos ficando amigos, conversávamos muito, mas nada íntimo demais .

Até que, um belo dia, Roberta (já a chamava pelo primeiro nome) passou o dia todo tratando a todos seus subordinados , inclusive a mim, de uma maneira muito rude. Na manhã seguinte a mesma coisa. Fui ao almoço com ela, como era de costume. Mas , por sorte, os outros colegas resolveram experimentar outro restaurante. Durante o almoço comentei com Roberta que todos perceberam sua mudança de temperamento.

E o papo que se seguiu foi mais ou menos o seguinte:
-É que estou "naqueles dias". Sabe como é!!!! - Rindo
-Mas nunca te vi assim , mas se não quer se abrir...-
Dei de ombros .Ela ficou pensativa por um momento, como se estivesse a decidir se se abriria comigo ou não e então:
-Você pensa em se casar?
-Algum dia talvez, mas não a curto prazo. Porquê?
-Meu casamento tá uma merda total. Acho que meu marido anda me traindo e o pior é que não me procura a uns 3 meses.
-Não transam a 3 meses?
-Não .
-Difícil entender que um homem ao lado de uma mulher como você...
-Sim...?
-Difícil entender que um homem ao lado de uma mulher como você consiga não sentir tesão a toda hora.

Ela riu e desconversou. Achei que tivesse sido muito afoito . Mudamos de assunto. Mas , a partir daquele dia uma coisa mudou entre nós. Roberta passou a me tratar com mais delicadeza ainda. Passou a me dar dicas de como me vestir. E passou a me elogiar quando estava bem vestido. Passei a me preocupar mais com minha aparência . Passei a malhar, mas não comentei com ninguém .Logo ela estava elogiando meu corpo e perguntando se eu estava malhando. Ela passou a ser a única e constante protagonista de meus sonhos eróticos. Sonhava que a comia em todos lugares e em todas posições. Passava o tempo todo de trabalho apreciando suas curvas, sua bundinha generosa. Que vontade de comer aquele cuzinho !! Chupar aquela bocetinha !! Passei a me desconcentrar do meu trabalho.

Uns oito meses se passaram e ela passou a me fazer mais confidências. Que o marido andava bebendo muito , já havia batido nela uma vez, e nada de sexo. O dia "D" foi mais um daqueles almoços a dois. Já éramos muito amigos, quase íntimos, eu sentia muito tesão por aquele mulheraço, mas era muito tímido e inseguro para me abrir. Acho que ela percebeu e resolveu investir mais pesado.

- Você é o único cara na empresa que não sente tesão por mim..
- Está redondamente enganada, é que sou muito tímido. Se eu te contasse os sonhos que já tive com você acho que me chamaria de tarado.
- Adoro homens tarados, sacanas. Que tipo de mulher você gosta?
- Meu tipo de mulher é você. Sou fascinado por cada detalhe de seu corpo, seu jeito sensual de andar, sentar ,falar. Acho melhor pararmos, já estou morrendo de tesão.
- Coincidência!! Tô toda molhadinha.
- Você só está afim de me provocar ou quer me comer sua potranquinha tesuda!!!! (Não sei de onde veio tanta ousadia e tive medo da resposta dela ,mas...)
- Quero te comer hoje, depois do expediente. Vou te levar prum motel e te fazer gozar como nunca antes em sua vida seu sacaninha sonso ,descarado.

Meu pau pulsava sob a calça, nunca estive tão feliz. Voltamos ao trabalho e sempre que ficávamos a sós eu dava uma roçadinha naquele bumbum tão desejado .Ela rebolava bem devagar, virava e sorria .Em um momento estava escrevendo um relatório e lá vem ela, debruçou-se com os cotovelos sobre minha escrivaninha .Não consegui me concentrar numa palavra do que dizia. Passei a mão naquela bunda gostosa como se fosse minha, dei um beliscão e desci a mão vagarosamente até encontrar sua perna ,fui subindo sob a saia até encostar a mão na calcinha .Ela gemeu gostoso, empalmei aquela xoxota quente e úmida e disse baixinho em seu ouvido :
- Quero que você goze na minha boca sua safada . Ela gemeu outra vez e saiu rebolando. Como estava sacana aquela mulher !!

Saímos juntos e entramos no seu carro sem dizer uma palavra .No meio do caminho ela parou o carro e pediu para que eu dirigisse. Mal comecei a dirigir, ela se atracou no meu pescoço , me beijou na boca e apalpou meu pau. Abriu minha braguilha e liberou meu caralho. Ficou apertando e olhando por um bom tempo e disse que a muito sonhava com esse momento .Apertou, deu uma boa punhetada e depois perguntou, falando baixinho ao meu ouvido:
-posso dar um beijinho nesse cacete gostoso? Adivinhe qual minha resposta: Beija meu anjo, beija , chupa, faz o que você quiser, ele é só seu sua descarada

.E ela chupava tão gostoso que tive de pedir para que parasse para não gozar em sua boquinha. Nos recompomos e entramos no motel. Ligamos a tv justamente numa cena em que uma loura era enrabada por um negão. Roberta me disse que adorava dar o cu. Que loucura !!!! Deitei-me ainda vestido e ela foi ao banheiro.Disse que aguardasse pois tinha uma surpresa para mim .

E que surpresa, ela voltou super sexy , cinta-liga, espartilho, tudo preto e continuava de saltos altos .Ligou o rádio e escolheu uma música bem lenta. Que putona safada !!! Eu acariciava o caralho e assistia a sua dança sensual e lenta. Subiu na cama desabotoou minha calça e puxou,.Tirei a camisa e ela a minha cueca. Meu pau já doía de tesão .Ela ficou em pé na cama, dançando, minha cabeça entre seus pés. Puxei sua calcinha até a altura dos joelhos ela continuava dançando sensualmente e abaixando às vezes tão próxima a meu rosto que dava pra sentir o cheiro de sua bocetinha, ,dava pra ver que estava bem úmida aquela xereca. Não consegui mais me conter e quando ela se abaixou mais uma vez puxei-a pela cintura encaixando sua boceta rosada e cheirosa na minha boca. Ela começou a se esfregar na minha cara. .Estiquei a língua o máximo que pude para penetrar na minha égua e ela rebolava. Seu suco escorria pela minha língua.. Se abaixou e abocanhou meu cacete

Já havia sido chupado por uma ex-namorada, mas aquilo é que era boquete. Ela comprimia os lábios na minha glande como uma bocetinha virgem, cuspia no meu pau , punhetava gostoso, dava dentadinhas de leve. DELÍIIICIA!!! Gritei. . Foi um 69 demorado. Repentinamente ela soltou um AH!!! Estremeceu ,senti seus lábios vaginais apertando minha língua, parou, , agarrou minhas pernas e deitou-se com a bochecha sobre meu pau ainda duro. Disse que a tempos não dava uma gozada tão gostosa. A tempos se imaginava fodendo comigo. E a um mês planejou aquele dia. E desde então levava aquelas roupas íntimas na bolsa. Falava e esfregava o rosto no meu pau. Virou-se me deu um gostoso beijo na boca. Foi quase uma trepada com as línguas.

Enquanto nos beijávamos apertava meu pau e eu com um dedo enfiado na sua xoxota. Ficou de quatro com a cabeça bem abaixada, sem travesseiro, as pernas bem abertas e disse :-Quero que você meta agora, não agüento mais tesudo safado, mete , por favor!!!
Fui para traz dela e meti minha língua naquela boceta molhada, ela rebolou gostoso na minha cara e ordenou, quase chorando :-Mete, não agüento mais, mete seu cachorro!!! Pára de me torturar !!! EU QUERO SUA PICA !!!Gritou.

Posicionei-me como se fosse meter, mas resolvi torturá-la mais um pouquinho. Esfreguei a glande inchada de meu caralho naquela xoxota inflamada e úmida. Passeava naquele espaço entre o cu e a xoxota, esfregava no cu, descia e esfregava outra vez nos lábios vaginais e no clitóris. Aí ela não agüentou mais e empurrou aquela bundona gostosa pra trás .

Fiquei parado , apenas observando sua xoxota engolindo meu caralho. Ela disse para não me preocupar , que podia gozar dentro. Então fui mexendo , num vai-e-vem ritmado. De vez em quando eu parava e pedia :-Rebola minha cavala descarada, rebola minha cachorra safada!!! E ela rebolava, rebolava e eu apreciava meu cacete sendo bem tratado.

Ficamos assim uns quinze minutos .Ela gritava, urrava, me xingava de vagabundo, descarado, sacana, veado , tarado. Não consegui mais segurar e anunciei meu gozo .Passei a mexer com mais rapidez, minha virilha batia forte naquela bundona e ela quase não tremia de tão duras suas carnes . Como era tesuda aquela mulher!!! AAAAHHH!!! Gritei e dei uma das gozadas mais violentas de toda minha vida. Ficamos abraçados por alguns minutos e depois fomos ao banho de hidro-massagem..

Na banheira ela lavou minha pica com muito carinho .Pediu para que eu saísse da banheira e sentasse na borda apenas com as pernas dentro d'água. Começou a dar beijinhos na minha rola ainda mole , abocanhou-a toda e ela começou a crescer em sua boquinha quente. Que sensação deliciosa!!!!Abocanhou meu saco e senti sua língua massageando meus ovos deliciosamente, Chupou meu pau como um picolé,Foi realmente sensacional.

Quando comecei a gemer alto com aquele boquete gostoso ela parou e perguntou se eu não preferia gozar no seu cuzinho. Nem respondi. Tirei-a da banheira, coloquei-a deitada de bruços e pedi para que ficasse de quatro. Ela segurou meu cacete e eu separei as bochechas carnudas e saborosas que escondiam aquele cuzinho tão desejado .Ela foi empurrando o bumbum para trás vagarosamente e quando a pica entrou toda ela pediu que a chamasse de puta e que mexesse devagar. Que delícia!!! Que cuzinho apertado!!! Que cuzinho guloso minha putinha !! Minha égua !!! Minha potranquinha descarada!!! Rebola na tua rola!!! Esfola esse caralho !!! Esfola "sua" pica sua sacana!!! Rebola no seu cacete sua piranha vagabunda!!!

E ela :- Arromba meu cu meu cavalinho !!! Tava precisando tanto de rola !!! Ai, mete, mete.Mete na sua puta seu sacana!!! AAAAiii , que fodão!!! Mais rápido!! Ai , que delícia !!! A mulher começou a gritar!!! A soltar AI's cada vez mais altos .Disse que estava para gozar, pediu que gozássemos juntos, que desse estocadas mais fortes. Foi o que fiz. Que gozada violenta!!! Sincronizada!!! Gozamos juntos. Nossos corpos estremeceram. Senti meus cabelos arrepiarem .Queria guardar aquela sensação para sempre.

Depois dessa gozada animalesca tentei tirar do seu cu, mas ela não deixou. Me segurou pela cintura e pediu para que ficasse parado. Êta cuzinho gostoso, suas contrações massageavam meu pau enquanto ele amolecia..

Pedimos um jantar e depois demos mais uma trepadinha. Ela sentou-se sobre mim de frente e ficamos conversando sobre várias coisas e mexendo bem devagar .Ficamos assim um tempão.Ficávamos olhando nossos sexos encaixados.Ficávamos olhando como meu pau saia melado de sua boceta gostosa.Parei e ela aumentou o ritmo, me calvagando enfurecida, gritando, gemendo , me xingando .Eu me concentrei e tentei segurar o gozo o mais que pude, porque ela merecia.Até que gozamos animalescamente mais uma vez.

Já era tarde e ela tinha que ir, me deixou em casa. No dia seguinte disse que não teve nenhum problema , pois quando ela chegou em casa seu marido ainda não tinha chegado. Nos tornamos amantes e trepávamos sempre que podíamos.

Mas logo que ela se separou do marido ela pediu transferência para outro estado porque ele não a deixava em paz e a família dela também era de lá. Quase fui com ela , mas estava na faculdade e não podia abandonar. Roberta seu nome não é esse ,mas a história é verdadeira. 

sábado, 17 de setembro de 2011


Quem já leu meu primeiro conto vai entender este aqui.

Minha apresentação vai ser sempre a mesma então:

“Eu tenho 20 anos,moro em salvador-ba, tenho 1,55 de altura, peso 49 kg, sou morena, cabelo curto e encaracolado, tenho uma tatuagem enorme nas costas e o meu corpo é realmente muito atraente, pode parecer magra mas a minha médica costuma dizer que eu sou uma falsa magra pois tenho pernas grossas, principalmente a panturrilha, bunda bem redondinha e avantajada, somente os meus seios é que são pequenos (até demais pro meu gosto).”

Estávamos eu e meu namorado do lado de fora da casa de meu cunhado, mas dessa vez tinha gente na rua, pois ainda estava cedo, era por volta de 10 da noite ou algo assim.

Ele sentou no batente e eu em seu colo, então começamos a nos beijar. Ele que já estava todo animadinho pela experiência da noite anterior já foi logo enfiando a mão por debaixo na minha saia. Eu estava com uma saia longa daquelas de ciganas até os pés. Sentada no seu colo ficava fácil pra ele subir a saia sem ninguém perceber. Ele afastou a minha calcinha e enfiou um dedo, eu senti um desconforto, mas como já estava toda molhadinha de tanto tesão que ele me dá só de olhar pra ele, ficou mais fácil ele colocar o dedo lá dentro. Ele me beijando, beijando meu pescoço e com o dedo lá dentro, e eu com medo de alguém ver, pois a todo momento passava alguém pela rua, e lá todo mundo conhece todo mundo então... não seria legal se alguém visse aquilo ali né?!

Mas ai ele começou um movimento de vai e vem com o dedo na minha buceta e estava tão gostoso que eu comecei a rebolar no colo dele segurando a sua mão e fazendo ele enfiar mais, quando ele colocou outro dedo e eu fui a lua. Ele começou a sucar com mais força e eu fiquei em alerta pois tinha um grupo de meninos a uns 10 metros de nós ouvindo música no celular que começaram a olhar para trás e se movimentar de forma que dava pra ver o que estávamos fazendo então eu me contrai e falei com ele:

Eu – Vão perceber..

Ele – E daí? Ta tão gostoso!

Depois disso nada mais me abalou. Ele continuou metendo os dedos na minha buceta, dessa vez com mais força que dava pra ver ele movimentando o braço e qualquer um que olhasse saberia o que estávamos fazendo e isso me deu mais uma dose de tesão que me fez gosar gostoso. Eu fiquei nas nuvens pois os homens com que eu tive relações sexuais tentaram me masturbar e nenhum deles me fez gosar.

É claro que não paramos por aqui. Mas como nesta noite nós só fizemos isso terei que terminar este conto por aqui. Deixem seus comentários por gentileza e continuarei no conto seguinte, pois cada encontro nosso nós experimentamos algo diferente e mais gostoso.

Obrigada e bjus.

Marih

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Eu, Beto e minha prima gostosa

gifs_speed_037

Autor: Lua Quente

Oi pessoas, estou aqui mais uma vez para contar sobre minhas aventuras. Sou a Luana, 25 anos, morena, 1,65 de altura 59 kg bem distribuídos. Tenho o corpo sarado, mas o que chama a atenção em meu corpo são meus seios fartos e minhas pernas bem torneadas. Quando terminei o segundo grau decidi mudar-me para a capital do Estado onde residia. Aproveitei que uma prima minha já morava na cidade e então vim morar com ela. Começamos a dividir um apartamento na cidade. Minha prima é loira, cabelos lisos, longos, olhos muito sexys e um corpo bem gostoso. Ela não é sarada, faz mais o estilo boazuda. Uma bunda farta e os seios bem firmes, ela têm as pernas grossas e mãos bem delicadas. Ele gosta de usar roupas coladas que valorizam seu corpo. Sempre que saiamos juntas chamamos a atenção dos marmanchos de plantão.
Meus colegas de faculdade resolveram fazer uma festa, eu não queria ir sozinha então decidi convidar minha linda prima Priscila. Nós preparamos o dia todo fomos ao cabeleireiro, escolhemos uma roupa bem sexy e fomos. Chegamos à festa que estava acontecendo numa casa bem bonita. Entramos, cumprimentamos meus colegas e apresentei minha prima. Percebi que os caras da festa não conseguiam tirar os olhos do bundão da Priscila.
Depois de algum tempo na festa tomando umas bebidinhas, fomos ficando mais animadas, dançando, essas coisas. Beto um colega de turma com quem eu já tinha tido uma transa bem gostosa – procurem pelo conto “Enrabada no trabalho de campo” – aproximou-se de mim e me deu um abraço bem gostoso e um beijo molhado cheio de desejo, isso já foi suficiente para ascender meu tesão. Ficamos nos beijando e nos agarrando por uns instantes na frente de todos, até que a coisa foi esquentando mais seriamente e ele me disse:
-Vamos lá pra cima, tem uma vista linda que eu quero te mostrar.
Prontamente aceitei o convite e fomos para o andar de cima da casa, entramos num quarto bonito, com uma cama grande e uma varanda de onde se podia ver a cidade ao longe. Ele me segurou por trás e começou a beijar meu pescoço, ia me apertando contra o seu corpo, me mordendo as costas e deslizando suas mãos. Apertava meus seios com força, arranhava minha barriga e tentava apertar minha xaninha, que há essa hora já estava molhadinha. Eu passava minhas mãos nos cabelos macios dele e gemia gostoso, alcançava a calça daquele marmancho e podia sentir o pau dele endurecido dentro da calça.
De supetão ele me jogou sobre a cama e num movimento certeiro ele subiu em cima de mim. Nossa sentir seu cheiro de homem, seus beijos e seu peso sobre mim me deixava louca. Ele então levantou minha blusa e meus seios pularam para as mãos dele. Ele mamava como um bezerro faminto, como se não houvesse nada mais gostoso no mundo. Ele me mordia e puxava os biquinhos depois soltava e dava uma lambida. Eu só conseguia olhar e gemer gostoso para ele.
Estávamos tão envolvidos naquela sacanagem gostosa que nem percebemos a porta do quarto se abrindo, quando dei por mim percebi um vulto que nos observava através da cortina. Levei um susto de uma só vez empurrei o Beto, que também se assustou com brusco movimento.
-Porra, quem está ai? Isso não tem graça!
Eu gritei e para minha surpresa minha prima saiu de trás das cortinas, ela veio toda sexy e me olhando nos olhos disse:
-Não tem graça? Então vamos fazer isso ficar mais interessante.
Fiquei meio espantada e na hora até um pouco tímida. Ela toda saliente veio caminhando em minha direção, e foi logo beijando minha boca e apertando meus seios.
-Vamos fazer essa mocinha gozar bem gostoso para nós dois.
Quando ela falou isso para o Beto, decidi me entregar e ver no que ia dar aquela loucura. Beto resolveu trancar a porta do quarto e quando voltou para a cama nós já estávamos nos agarrando.
Beijávamos-nos com muito tesão. Eu chupava a língua da Priscila e mordia seus lábios carnudos. Nos lambiamos como duas gatas no cio. Beto sentado ao nosso lado observava tudo sem piscar. Ele foi tirando sua roupa e se tocando, parecia não acreditar que estava vendo aquilo. Quando percebi ele já estava deitado batendo uma punheta bem safada e gemendo de tesão, vendo que eu mamava descontroladamente os seios generosos, rosados e tesudos de minha priminha gostosa.
Deitei-me na cama e Priscila lentamente subiu a sainha que eu usava, minha xaninha já estava muito molhadinha e ela foi caindo de boca. Foi dando-me umas mordidinhas deliciosas por cima da calcinha, lambendo minha virilha, beliscando minhas coxas, nunca tinha tido um oral tão delicado e gostoso como aquele. Eu rebolava em sua boquinha macia e ela falando umas sacanagens gostosas que me deixavam mais louca:
-Que bucetinha bonitinha, lisinha. Hummm... Carnuda e cheirosa, quero me esfregar nela toda.
Ela me chupava cada vez mais forte, abria meus grandes lábios com as mãos e castigava meu grelinho. Fiz um sinal para o Beto e ele se posicionou de um jeito que podia ver ela me chupando e eu podia fazer um boquete bem gostoso nele. Sentia aquela língua gostosa fudendo minha xoxota ao mesmo tempo em que sentia a pica do Beto pulsar na minha boca. Tirei a blusa de Priscila e fiquei apertando aquelas tetinhas delicadas. Tirei a calcinha dela e fiquei brincando com seu grelinho, sua bucetinha estava bem molhadinha, comecei a fude-la com meus dedos e via aquele caldinho suculento escorrer minha boca encheu d’água não resisti e cai de boca naquela xaninha rosadinha que tinha uma pelugem delicada loirinha. Nunca tinha sentindo o gosto de outra bucetinha, ela tinha um gosto ótimo. Fui abrindo e chupando aquela bucetinha e senti ela se contorcer toda na minha língua e gozar muito. Lambi tudo, agora era eu quem gozava.
Deitamos Beto, subi nele e fui escorregando em seu pau duro como pedra, cavalgava gostoso e olhava para ela que esfregava a buceta na cara dele. Enquanto rebolava num pau grosso e cabeçudo beijava Priscila e sentia-a massagear meus seios. Não demorou muito gozei como uma puta. Me sentei e assisti Beto meter gostoso no cuzinho da Priscila, ela urrava como uma cadela no cio sentido aquele mastro preencher sua bundinha. Eu olhava aquilo enquanto tocava uma siririca gostosa. Levantei-me e fui ao encontro do casal, beijava a boca de Beto e esfregava o grelinho da Priscila e ela esfregava o meu. Num rompante de tesão gozamos os três envoltos num clima de muita putaria, o ar tinha um cheiro de sexo que nos deixava inebriados. Nos beijamos como uma promessa de cumplicidade do prazer que sentimos juntos e com o desejo daquilo se repetir brevemente.
Quem gostou comente e quem não gostou também, se quiser conversar é personalluanat@yahoo.com.br.
(
http://www.casadoscontos.com.br/texto/201105376)

-

gifs_speed_051

Fudendo com o amigo do marido
Autor: Loiragata

Oi gente! Esse é meu primeiro conto aqui! Apesar de muito nova, já tive algumas experiências que resolvi dividir com vocês. Não sei se vou conseguir agradar a todos mas espero que gostem!
Vou usar o nome de Alexia, hoje tenho 20 anos, sou loira, 1,73 de altura, corpão, pernas grossas de muita academia, 115 de bumbum, olhos castanhos e seios beeeem fartos.
Essa história conteceu comigo no fim de 2009, quando eu tinha 18 anos.
Fui casada com o Gustavo, por quase 2 anos com quem tenho um filho. Mas nos últimos meses de casamento as coisas não andavam muito boas. Como moramos num bairro pequeno em que todos se conhecem, começarama surgir fofocas de que ele me traia. Sempre fui uma esposa muito tranquila e dedicada e muito fogosa, numa noite, 3 vezes não me satisfaziam e ele sempre deu conta do recado com muito gosto, mas com toda a confusão, eu perdi todo o tesão por ele.
O melhor amigo dele, Fernando, era também o meu melhor amigo, pra quem eu contava absolutamente tudo. Numa conversa pelo msn, contei ao Fernando que eu não transava com o meu marido já fazia pra lá de uns 8 dias. O Fernando riu de mim pois sabia que eu não aguentaria muito tempo e me perguntou se ele poderia me "ajudar". Eu nunca fui de me apaixonar muito rápido e sabia que ia ser só mesmo uma foda e mais nada. Topei!
Alguns dias depois ele me ligou, e disse que estava na hora da gente marcar. Eu já não estava mais me aguentando, já não era fodida a mais de sei lá quantos dias e o Fernando era o cara perfeito pra acabar com a minha seca. Ele é um moreno de 1,80 de altura, braços não muito fortes mas de costas largas e um pau GG (GRANDE E GROSSO) que meu DEUS!!!! E é aquilo, é como dizem, toda loirinha se amarra num negão...
Como eu não podia sair muito, já que meu marido estava de férias e eu não tinha com que deixar meu filho, eu disse que teria que ser uma rapidinha, ali mesmo, na minha casa.
Meu marido sempre gostou de juntar os amigos no FDS pra assar uma carne e tomar uma gelada e Fernando sempre estava lá. Mas um detalhe que eu não contei era que o Fernando tinha namorada, e que ela sempre estava com ele, mas nada que nos impedisse, afinal, eu era casada com o melhor amigo dele, rs.
Acaba a bebedeira e a comida, pra lá de uma da manhã, o Fernando foi levar a namorada em casa e o combinado é que ele voltaria as 2 depois que o Gustavo dormisse, pois sempre que ele bebia, ele dormia depois. E assim foi. As duas em ponto o Fernando parou a moto pouco depois da minha casa e me ligou avisando que chegara. Como minha casa é de dois andares e os quartos ficam no andar de cima, eu desci, mas preferi não arriscar e tranquei a porta do meu quarto por fora.
Quando abri a porta da sala, o Fernando já veio me agarrando. Eu usava uma sainha balonê e uma tomara que caia que logo caiu quando o Fê caiu de boca nos meus peitões... ele levantou a minha saia e não teve dificuldade alguma em enfiar dois dedos na minha bucetinha que já tava piscando e pingando de desejo por aquele moreno safado. Ficamos por ali mesmo, em pé ao lado da porta... eu tava louca de desejo de enfiar aquela pica GG na minha boca e chupar loucamente como nao fazia a dias. Tirei blusa dele de uma vez só e fui abaixando, beijando todo aquele peitoral másculo e bronzeado, quando olhei todo aquele volume, não resisti e abri a bermuda de uma só vez e comecei a chupar aquele pau bem gostoso, hora chupava só a cabecinha, ora ele inteiro punhetando ritmicamente a todo instante, sem parar. Ele começou a gemer alto demais e segurava firme meu cabelo loiro e me fazia engolir aquela pica enorme que quase me fazia engasgar. Eu tive que parar pq ele já gemeia alto demais e poderia acordar o Gustavo ou o meu filho.
Eu já estava explodindo de tesão, ele com dois dedinhos na minha buceta, fazendo movimentos circulares que me enlouqueciam até que eu não aguntei e falei: - Me fode logo porra! Ele só me respondeu: - Esperei muito por isso minha vadia, vou aproveitar ao máximo. Ele me pegou e me colocou sentada no encosto do sofá, arrancou minha calcinha e começou a lamber minha buceta enxarcada. Eu comecei a gemer muito alto e ele tapou a minha boca com uma mão e a outra ele apertava forte a minha coxa que já ficava vermelha. Eu gemia e me contorcia até que gozei na boca dele e ele chupou tudinho como se fosse a coisa mais gostosa do mundo.
Foi a gozada mais gostosa da minha vida, eu precisava muito daquilo. Ele parou e começou a enfiar todo aquele pau na minha buceta, enfiava forte e eu cravava os dedos nas costas dele com força dizendo: - Mete meu safadão mete gostoso na tua loirinha safada. Ele bombava com muita força e fazia muito barulho mas pude ouvir meu marido forçando a maçaneta da porta no andar de cima, puxei a blusa pra cima e a saia pra baixo rapidamente e abri a porta pro Fê ir. Ele me deu um beijo rápido e disse que eu tava devendo a ele, por que ele não havia gozado.
Eu subi as escadas correndo e abri a porta, como meu marido tava bebâdo nem perguntou porquê a porta tava trancada, só me chamou pra dormir. Tomei um banho rápido e deitei pensando na próxima vez que eu iria fazer o moreno gostoso do Fê gozar... mas isso fica pra outro conto!
Detalhe: a camisa do Fê ficou na sala e meu marido achou no dia seguinte eu disse que ele devia ter esquecido depois da cachaça rsrsrs
É meu primeiro conto, espero que tenham gostado! Comentem, deixem suas opiniões e críticas e eu prometo melhorar! Não é uma história inventada! Beijos(
http://www.casadoscontos.com.br/texto/201107106)


AMIZADE COLORIDA


Oi, vou contar a vocês o que me aconteceu num feriado. Sou personal trainner e por conta disso tenho um corpo sarado, coxas grossas, bumbum grande e duro, seios fartos firmes e macios. Tenho 1,64 de altura e 60 kg, faço o estilo mignon, mas gostosinha, além do meu corpo minha boca também chama a atenção. Desse modo, os homens sempre ficam interessados, entretanto sempre fui muito seletiva em escolher meus parceiros, afinal de contas um corpo bem cuidado não é para qualquer um por a mão.

Raul era um colega de trabalho, tem por volta dos 30 anos, pele branca, os cabelos bem curtos, olhos escuros profundos e um corpo sarado musculoso, mas sem exageros. Desde que começamos a trabalhar juntos criamos uma amizade, conversávamos muito e sobre diversos assuntos, inclusive sexo. Ele conhecia meu namorado e sempre reclamava que não dava sorte com as mulheres. Até então, nunca havia rolado nada, mas existia uma tensão sexual entre nós: toques maliciosos sempre sem intenção declarada, olhares trocados, sorrisos maldosos e brincadeirinhas de duplo sentido aconteciam, contudo não passava disso.

Raul recebeu uma proposta de trabalho numa cidade do interior e aceitou. Resolvemos então fazer uma festa de despedida. Reunimos a galera da academia e fomos para um bar. Eu usava um vestido azul curto e decotado que apesar de soltinho deixava transparecer minhas curvas. Lá chegando fizemos os pedidos de alguns petiscos e uma bebidinhas para animar a conversa, Raul sentou- se ao meu lado. As horas foram passando, o teor alcoólico aumentando e a conversa ficando picante, todos falavam ao mesmo tempo e riam numa alegria só. Com o avanço da noite as pessoas foram indo embora e no final restaram Raul e eu, tomamos mais um drink e quando ele soube que eu pediria um taxi para ir embora, prontamente ofereceu-me carona, logicamente que aceitei.

No carro fomos conversando amenidades, mas podia notar que ele sempre olhava para meu decote e sempre dava um jeitinho de esbarrar a mão na minha perna quando ia trocar de marcha. Chegamos na minha rua que pelo avançado da hora já estava vazia e como é arborizada o local fica bem escuro, mas sem oferecer muitos riscos. Ele estacionou em frente ao meu prédio, saiu do carro e como um cavalheiro deu a volta e veio abrir a porta para mim. Como eu já estava “meio alegrinha” por conta da bebida, quando fui sair do carro tropecei e fui amparada por ele. Nossa, sentir aqueles braços fortes em volta da minha cintura, sentir o cheiro gostoso que exalava do corpo dele me deixou maluca. Rapidamente me recompus, entretanto ele percebeu que aquilo mexeu comigo. Quando estava me afastando para ir embora, ele subitamente me puxou pelo braço, encostou-me no carro e segurou meu rosto com as duas mãos, olhou firme em meus olhos, acariciou meus cabelos e lentamente aproximou seu rosto do meu, beijou-me lentamente, um beijo quente, molhado. Entreguei-me na hora, abri mais minha boca e pude sentir o sabor de sua língua que serpenteava a minha com tesão e delicadeza. As mãos dele começaram a percorrer meu corpo, me beliscando, me apertando até encontraram meus seios. Ele colocou-os para fora e acariciou-os com vigor, de repente apertou com força o bico intumescido entre seus dedos, uma onda como um choque percorreu todo o meu corpo, senti-me mole e só pude apertar mais seu corpo contra o meu e soltar um gemido. Raul não parava de me bolinar, apertava meus seios, alisava minha barriga e sem que eu pudesse esboçar qualquer reação ele subiu meu vestido e foi em busca de minha xaninha. Alcançou-a com seus dedos e pela lateral da calcinha começou a tocá-la levemente percorrendo toda sua extensão, ele fazia isso sem parar de me beijar um só segundo. Instintivamente sentindo seu toque divinal, fui abrindo mais as pernas e apertando mais seu corpo, minhas mãos agora percorriam toda a extensão de suas costas arranhando-o intensamente. Para meu delírio Raul parou de me beijar e com seus dedos dentro de mim começou a olhar fixamente em meus olhos. Nossa, olhar para aquele homem e sentir sua mão esfregando meu clitóris, e beliscando meus lábios vaginais me deixou completamente delirante, eu tremia, sorria para ele e gemia. Subitamente ele se ajoelhou na minha frente, mordeu minha barriga e feroz com bicho no cio ele arranca minha calcinha com os dentes. Minha calcinha molhada e rasgada cai no chão e olhando para mim, Raul suspendeu uma das minhas pernas e enterrou seu rosto na minha bucetinha.

Com maestria ele foi percorrendo minha xaninha com sua língua quente e felina, mordendo os lábios da minha xoxota, ele sugava meu grelinho como se estivesse tomando um néctar dos deuses. A essa altura eu já estava louca, pouco me importava se o porteiro do meu prédio ou alguém me flagrasse naquela situação. Como uma putinha eu gemia, acariciava meus seios e rebolava gostoso na boca de Raul. Não demorou muito e eu gozei, ele sugava meu gozo que era tanto que pude senti-lo escorrer em minhas pernas. Apertando meu corpo ele levantou-se e olhou profundamente para mim, pude notar que seus lábios e queixo estavam molhados pelo liquido de meu prazer. Beijei-o com sofreguidão. Sem aparente explicação fui tomada por um sentimento estranho, o que era tesão transformou-se em medo, em culpa. Empurrei-o com força e sai correndo em direção ao meu edifício. Ele gritava meu nome, mas não pude olhar para trás.

Cheguei em casa assustada, uma mistura de prazer e receio tomava conta de mim. Não pude dormir nessa noite, Raul tornou-se uma lembrança para mim, não nos vimos mais. Confesso que às vezes me dava arrependimento de não ter ido até o fim ficava imaginando como teria sido ter ele dentro de mim, algumas vezes transava com meu namorado pensando nele, outras me masturbava deliciosamente relembrando aquele dia e fantasiando como poderia ter acabado.

Três anos se passaram e essa aventura caiu no esquecimento. Ate que num dia abri meu email e para minha surpresa Raul havia me escrito, na mensagem ele dizia que se lembrava muito de mim, que mesmo depois de tanto tempo ele gostaria de retomar nossa amizade. Fiquei paralisada, na hora toda aquela sensação há tempos adormecida voltou à tona. Naquela noite dormi mal, com medo de deixar escapar alguma coisa e meu namorado perceber. No banho, me masturbei muito pensando nele, durante alguns dias fiquei refletindo se deveria responder aquela mensagem ou ignorar e seguir minha vida. Conversei com alguns amigos próximos e todos me disseram que eu deveria pagar para ver.

Cheguei em casa sentei-me e comecei a escrever aquele email:

Oi,

Como está indo a vida por ai Raul? Sabe também penso em você, tenho saudades das nossas conversas, brincadeiras... rsrsrsr

Nesse feriado você vem para cá? Me liga, vamos sair, colocar a conversa em dia, tomar um chopp aproveitando o calor. Vou esperar você me ligar.

Bjs e saudades.

A partir desse dia, verificava meu email de meia em meia hora, deixava o celular ligado o tempo todo, parecia uma adolescente. Finalmente ele deu sinal de vida, me ligou e com a voz toda animada, me disse que já estava na cidade e adoraria me encontrar naquele final de tarde. Combinamos de nos encontrarmos no mesmo bar que nos vimos da última vez. Fui decidida a ir até o fim, sabia que quando olhasse para ele saberia se aquele fogo ainda existia. Caprichei no visual, coloquei uma saia justa, uma blusa frente única decotada e, lógico, uma calcinha pequenininha, bem provocante.

Quando cheguei ao bar ele já estava lá, de camiseta e bermuda. Percebi que estava mais forte, com os braços ainda mais definidos, os cabelos com um corte diferente e a barba por fazer, estava com mais cara de macho, simplesmente delicioso. No nosso primeiro olhar senti minhas pernas tremerem, quando o abracei senti meu coração bater mais forte, eu ainda desejava aquele homem. Conversamos por uns trinta minutos até que um silêncio deu-se entre nós, nossos olhos fixaram-se um no outro e como que por instinto nos beijamos. Mais uma vez um beijo lento, profundo, nossas línguas serpenteavam, sentíamos o gosto um do outro como um anuncio do que estava por vir.

Saímos dali e fomos para o hotel em que ele estava hospedado, começamos a nos agarrar no corredor, entramos no quarto e fomos logo tirando nossas roupas. Lembrei que naquele dia ele havia me feito gozar com uma chupada deliciosa, mesmo depois de tanto tempo resolvi retribuir. Beijei com força sua boca, e fui mordiscando seu queixo, seu pescoço, seu tórax, beijava e lambia aquele corpo forte, peludo, sentia o sabor picante de sua pele quente. Fui passeando com minha língua por sua barriga, seu umbigo, seu púbis. Pude sentir o cheiro do seu sexo, um ordor hipnotizante, forte, cheiro de macho. Percebi que seu pau já explodia dentro da cueca, lambi suas virilhas e com as mãos libertei seu pinto da cueca. Fiquei maravilhada, era um pau grosso, cabeçudo, grande, com veias protuberantes ele brilhava de tanto tesão. Com as pontas dos dedos toquei a cabeça grande e vermelha de seu pau, senti as pernas dele tremerem, olhando fixamente para ele fui lambendo toda extensão do seu mastro. Segurava suas bolas, lambia-as uma de cada vez, enterrava minha face em suas carnes. Fui sorvendo seu pau com paixão, engoli-o o máximo que podia, ele urrava, acariciava meus cabelos, me perguntava algumas coisas e o fato de eu tentar responde-lo com seu pau na boca deixava-o mais excitado. Sua loucura era tanta que ele começou literalmente a fuder minha boca. Ele forçava seu pintão e eu o enlaçava com meus lábios. Sugava aquele mastro divino como se não houvesse amanhã. Com a boca eu o chupava e com uma das mão eu me tocava, minha xaninha latejava de tanto tesão. Seus movimentos foram tornando-se mais agressivos e seu gemido mais ostensível.

De uma só vez ele gozou, sentir aquela porra quente inundar minha boca me deixou mais tesuda, sorvi seu esperma com sofreguidão, aproveitando seu calor, degustando seu sabor como se fosse um elixir do prazer. Engoli tudo sem perder nada, fui lambendo seu pau e o deixei limpinho, molhado, mas limpinho. Ele me levantou e me deu um beijo gostoso. Carregou-me e me jogou na cama. Mamou em meus seios como um bebê faminto, suas mão massageavam minha barriga. Virou-me de bruços e mordiscava minha nuca, acariciava meus cabelos:

- Como você é cheirosa. Cheiro bom de mulher gostosa. Passei muito tempo lembrando de você sabia?

- Verdade? E pensava em que?

- No seu corpo, no gosto bom da sua bucetinha... Nossa toquei muita punheta pensando naquele dia.

- Não precisa mais lembrar, hoje estou aqui todinha para você.

- Gostosa, vou comer você todinha, te fazer gozar gostoso.

Raul foi beijando minhas costas, minhas coxas, segurou meu pezinho e chupou cada um dos meus dedinhos, mordia o calcanhar, sentou-se e alisava sua pica com meus pés. Eu já estava enlouquecida, mas ele judiava de mim. Recomeçou com seus beijos e lambidas e chegou em meu bumbum. Apertou com força minhas nádegas, mordeu meu bumbum e enterrou seu rosto em minhas carnes. Lambia toda minha xana, levemente esfregava meu grelinho, sentia meu tesão aumentar cada vez mais, sua face com a barba por fazer arranhava minha buceta, sua língua brincava na entradinha dela e rodeava meu cuzinho. Eu empinava minha bundona e pressionava seu pau, pude senti-lo crescer, endurecer, tentei me virar ele não permitiu.

- Fica quientinha, minha putinha. Quero que você me lambuze com o caldinho gostoso que sai dessa buceta lisinha e carnuda. Gostosa!

- Safado, você esta me deixando louca. Chupa gostoso que eu gozo só para você!

Ouvindo isso Raul socava incessantemente os dedos em minha xoxota, enquanto sugava meu clitóris, não resisti muito tempo e gozei com ele esfregando meu grelo.

- Isso puta, goza para o seu macho. Me lambuza com esse mel, safada, tesuda.

Ainda em êxtase, ele me virou na cama e se encaixou entre minhas pernas, segurei seu pau e fui passando-o entre os lábios de minha xoxota, ele olhava extasiado, segurava o peso do seu corpo nos braços. Direcionei sua pica na entrada da minha bucetinha e fui empurrando meus quadris em direção aquele mastro e senti a cabeçona entrar toda em mim. Ele recuou e em seguida soltou todo o seu peso, a penetração foi rápida e forte, senti um choque na base da coluna. Soltei as pernas e dei um grito alto forte, ele assustou-se:

- Te machuquei lindinha?

- Ao contrário, foi a penetração mais gostosa que já tive. Quero você assim dentro de mim forte, feroz.

Ele começou a estocar, primeiro num ritmo lento, tirando quase o pau todo e enterrando com força. Sentia sua piroca bater fundo dentro de mim. Ficamos nessa dança da cópula, sentia seus movimentos aumentarem o ritmo. Ele se levantou e disse:

- Amor, fica de quatro para mim, quero comer você assim bem gostoso.

Fui para a beirada da cama e empinei bem a bundinha, ele foi penetrando lentamente alargando minha xoxota, bombava gostoso, foi aumentando o ritmo, me fez gozar naquela pica quente, pude sentir meu gozo escorrer por entre minhas pernas. Raul socava intensamente, os gemidos se transformaram e urros, ele dava fortes tapas em meu bumbum, e gozou, gozou muito, no fundo da minha bucetinha que ainda latejava. Ele largou minha cintura e eu cai mole, lerda na cama, o corpo cansado mas querendo mais. Ele se deitou ao meu lado, beijou minha boca. Mergulhei meus dedos em minha xaninha e eles saíram sujos de porra, não resisti e chupei-os, que delicia o sabor da minha xoxota misturado ao gosto forte da porra de Raul. Hummmm....

Ele me olhava admirando a cena, sorrindo maliciosamente, segurou em seu pau e começou a punhetá-lo, caímos num transe louco nos masturbando ali lado a lado. Logo nos reanimamos, beijei sua boca e calmamente subi em seu corpo. Agachei-me sobre seu rosto colocando toda a extensão de minha xana no rosto dele. Ele começou a me chupar novamente, agora devido à posição podia sentir sua língua entrar fundo em minha vagina, meu grelinho intumescido era sugado como uma bala de sabor incomparável. Fui me deitando sobre Raul e cheguei até sua pica, ele já estava em ponto de bala, chupei, lambi suas bolas, acariciei e fui escorregando sobre seu corpo, de costas para ele. Esfregava minha buceta em seu peito, em sua barriga esfreguei minha xoxota em seu pau e só com isso quase gozei. Segurei firme seu pau e o direcionei para a entrada do meu cuzinho. Percebendo minhas intenções ele disse:

-Uau gostosa você tem certeza que quer isso?

- Quero fazer tudo com você. Quero dar meu rabinho para você. Será que você dá conta?

- Ai sua safada, vou meter gostoso nesse rabo, te fazer subir pelas paredes.

Direcionei seu pau e fui escorregando calmamente, podia sentir ele me rasgando, me preenchendo toda. O pau firme e grosso dele entrou todo pude sentir suas bolas baterem em mim. Fiquei imóvel por alguns instantes, me acostumando com aquele mastro dentro de mim. Comecei uma cavalgada lenta, leve, sentindo e aproveitando cada centímetro do Raul. Ele segurava firme minha cintura e bombava gostoso.

Fui lentamente me desmontando dele, me agachei e montei novamente nele agora de frente, enquanto cavalgava. Raul segurava firmes meus seios, me apertava, batia em meu bumbum, me puxava contra seu corpo, sua pica agora era enterrada em meu rabinho, sem dificuldade, estávamos num ritmo alucinante, só nos interessava gozar. Ele bombava e eu rebolava, de súbito me abaixei e beijei sua boca, mordi com força sua língua e gozei. Tive um orgasmo como poucos, meu corpo parecia ser alvo de uma corrente elétrica que entrava na através de minha xoxota percorria meu tronco e terminava em minha cabeça. Não podia parar de gozar, e sem querer mordi fortemente a língua e os lábios de Raul, a mordida foi tão intensa que pude sentir gosto de sangue e simultaneamente senti sua porra explodir mais uma vez dentro de mim num gozo profundo em minhas entranhas.

Ficamos cansados, exaustos, mas com o desejo satisfeito, pelo menos momentaneamente. Deixei-o deitado, e fui tomar um longo e revigorante banho. Quando sai do banho, limpa e novamente vestida, ele ainda dormia profundamente, deixei um bilhete agradecendo e minha calcinha como lembrança. Ainda trocamos algumas mensagens, retomamos nossa amizade e sempre que ele vem para a cidade damos um jeito de nos encontrar. Nas próximas postagens eu conto tudo.

Beijos gostosos a todos.

Luanna.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Minhas novas experiências I

Bom, isto aconteceu a pouquissimo tempo comigo e o meu namorado.

Todos os fatos que serão relatados aqui são realmente verdade pois eu me comprometi ha anos atras que teria aventuras sexuais só para poder descrevê-las ^^

Eu tenho 20 anos,moro em salvador-ba, tenho 1,55 de altura, peso 49 kg, sou morena, cabelo curto e encaracolado, tenho uma tatuagem enorme nas costas e o meu corpo é realmente muito atraente, pode parecer magra mas a minha médica costuma dizer que eu sou uma falsa magra pois tenho pernas grossas, principalmente a panturrilha, bunda bem redondinha e avantajada, somente os meus seios é que são pequenos (até demais pro meu gosto).

Ha exatamente dois meses comecei a namorar com um rapaz ( vou me privar de nomes ok?!). Ele tem 19 anos, é de cor clara ( nuca gostei muito de homem mais claro que eu, mas foi o jeito né rsrs) cabelo estilo moicano lidinho, tem um corpo atlético lindo de dar inveja a qualquer marmanjo, braços fortes, seu único defeito ta em esquecer de malhar as pernas.

Ele sempre foi muito respeitador comigo coisa que eu sempre adimirei. Sendo que eu sentia falta de alguma coisa em nossa relação. Quando nos beijava-mos ele nem se quer pegava na minha bunda e eu nunca achei isso normal e ficava pensando: "ele deve estar com receio e vai esperar eu dar algum sinal para ele poder avançar." Foi o que eu fiz. Como nós moramos longe um do outro (ele mora no interior do estado) nos falamos bastante por celular e então um dia perguntei a ele:

Eu - Amor, por que você não me toca?

Ele - Te tocar? Você fala de...

Eu - É amor.. quando agente namora você nem se meche direito, fica todo duro. Por que?

Ele - Não sei. Acho que por respeito a você. Mas se você quiser eu posso mudar.

Eu - Eu quero que mude. Quero sentir você.

Ele - Não se preocupe. A partir de hoje vou tratar você diferente. Mas eu posso fazer o que eu quiser?

Eu - Bom, se eu gostar pode!

Logo após termos essa conversa começamos a nos falar mais por telefone e a falar mais sacanagem. Mas eu sempre fui muito timida pra falar essas coisas então fico meio enrolada e prefiro escrever então mando mensagens sacanas pra ele do tipo que vou chupar ele, mandando ele meter gostoso e tudo mais.

Nos fins de semana vou para onde ele mora, mas como sempre vou com minha irmã fico na casa do namorado dela que é primo do meu namorado.

Em um desses fins de semana após chegarmos de uma festa lá pras 2 da manhã, minha irmã e o namorado entraram em casa para dormir mas eu e o meu namorado ficamos do lado de fora da casa para namorarmos um pouco.

Como já estava tarde não tinha ninguem na rua então ficamos bem a vontade. De ínicio agente não sabia muito o que fazer então eu comecei.

Estavamos encostados no carro de meu cunhado ai eu fui beijando ele e acariciando o seu peito e finalmente ele começou a me acariciar. Comecei a beijar com mais paixão e mais forte, senti a respiração dele mudar e quase dava pra sentir o seu coração batendo acelerado. Ele começou a passar a mão entre as minhas pernas e eu as abri para que ele pudesse me tocar melhor, então ele tentou abrir a minha bermuda mas não conseguia. Eu abri para ele, ele colocou a mão por dentro da minha calcinha e começou a acaridiar a minha buceta com muito carinho. Eu já estava toda molhadinha quando ele colocou o dedo lá dentro e eu senti um pouco de dor então me afastei. Eu não sei o que eu tenho mas eu posso praticar sexo quantas vezes for e por quanto tempo for que minha vagina continua apertadinha e dói muito quando eu transo e tinha 10 meses que eu não praticava nenhum tipo de sexo desde que terminei com meu ultimo namorado então sim.. um dedo só doeu muito!!

Ele continuou me beijando abriu a bermuda e pegou a minha mão, eu já tinha entendido que ele queria que eu pegasse no pau dele então o fiz. Comecei fazendo carinho e depois já estava batendo uma punheta pra ele. Só que como estavamos no claro não dava pra fazer muita coisa ele então sugeriu que fossemos para o lado da casa onde não havia muita luz, eu fui. Assim que chegamos lá ele começou a me apertar contra o corpo dele e me beijar como louco e já não aguentava mais então cheguei no ouvido dele e falei:

Eu - Eu posso fazer uma coisa?

Ele - O que?

Eu - Você vai ver se deixar eu fazer. Você vai gostar. Deixa?

Ele - Claro!

Então eu tirei o pau dele de dentro da bermuda que ele tinha guardado quando mudamos de lugar, e fui me abaixando, beijando seu peito, barriga, virilha, até chegar no seu lindo pau. Realmente lindo!! Fiquei maravilhada com ele, tava cheio de veias e com a cabeça bem vermelha e inchada.

Comecei beijando , mordia de levinho, quando vi que ele já estava gemendo, enfiei na boca e comecei a chupar com vontade e o resto que não cabia na boca eu ficava punhetando. Ele pegava na minha cabeça e empurrava pra eu chupar mais e pra enfiar mais na minha boca.Ele gemia muito. Ele pegou minha cabeça e tirou do pau dele muito afoito, eu tomei um susto pois estava muito envolvida naquilo, mas quando levantei e olhei em seus rosto eu vi o porque. Ele tava de olhos fechados e respirando fundo então eu soube que ele ia gozar. Mesmo assim perguntei:

Eu - que foi? não tava bom?

Ele - Ah.. tava sim... eu que ia gosar.

Eu - e o quê que tem? a intenção não é essa?!

Ele na mesma hora abriu os olhos assustado e olhou pra mim com cara de quem não tava entendendo e perguntou:

Ele - você quer que eu...? Você tem certeza que...?

O coitado não conseguia nem terminar as frases.

Eu - você ta gostando meu amor?

Ele - MUITO!!!

Eu - então eu posso continuar?

Ele - PODE!!!

Eu desci novamente e comecei a chupar ele com mais vontade ainda. Eu nunca bebi a gala de um homem, essa ia ser a primeira vez e eu estava anciosa por isso.

Ai ele começou a gemer mais alto e mais rápido e começou a se contorcer como se quisesse tirar o pau da minha boca e ficou falando:

Ah.. eu vou gosar, eu vou gosar, eu vou gosar...

até que eu senti o seu pau pulsar dentro da minha boca e soltar um jato de porra dentro dela. De inicio tomei um susto, pensei que ia ficar enjoada e até pensei em cuspir, mas em vez disso eu continuei chupando ele e ai ia engolindo tudo. Era salgado mas sei lá, na hora achei uma delicia. Mas teve uma hora que parou de espirrar porra na minha boca, mas eu queria mais, então comecei a chupar mais e mais principalmente a cabecinha pra ver se saia mais e me deliciei quando saiu.

Ai eu levantei, guardei seu pau dentro da calça e olhei pra ele. Ele chega estava meio lerdo mas com cara de emocionado. Eu percebi que minha boca não estava suja, eu não deixei cair uma gora se quer e isso me deixou maravilhada e orgulhosa de mim mesma.

Eu - Viu meu amor, eu disse que você ia gostar. Eu não deixei cair nem uma só gota. Você ta limpinho.

Ele não conseguia dizer nada.Agente ficou so se abraçando até que eu resolvi entrar então ele me disse:

"Você é incrível sabia?!"

Nos despedimos.Entrei, tomei meu banho, escovei meus destes e fui dormir, isso já era 4:30 da manhã.

No dia seguinte continuamos a brincadeira, mas dessa vez foi melhor pois nós evoluimos um pouco. Conto isso na próxima postagem.

Obrigada pela atenção. bjus Marih