quinta-feira, 16 de junho de 2011

*Puta particular*

autor desconhecido

Estou em férias. Após 27 anos de vida profissional, meu médico me disse: ou você para, ou para seu coração, fígado, pulmão e tudo mais. 90 dias sem nada
para fazer.
Viajei com minha família, fiz tudo que uma pessoa normal faria e só se passaram 20 dias. Agora, para sair da agitação estou sozinho em meu apartamento de praia no sul do Brasil, 500 km longe de meus negócios. Esposa
e filhos já estão retornando ao seu ritmo normal de vida ( que inveja). Todo final de semana virão me visitar.Mas, deixem que me apresente. Tenho 51 anos e dois vícios: Trabalho e sexo. Trabalho 15 a 16 horas por dia e só paro se for para uma boa sessão de sexo. Isso me proporciona duas coisas, uma situação financeira estável e muitas, muitas aventuras envolvendo sexo. Li alguns contos na Internet. As pessoas se descrevem. Vou resumir minha
descrição, citando uma colunista social de minha cidade, que na epóca de minha formatura em 1978 me definiu como "um belo jovem e fogoso garanhão". A mesma colunista, alguns dias atrás me redefiniu como "um senhor simpático, charmoso e de fino trato" Fazer o que. Coitada. Deve estar esclerosada.
Para passar o tempo, resolvi escrever. Vou narrar 5 ou 6 "causos" e os publicarei na Internet. Serão muito resumidos, mas onde ficara muito claro minhas preferências sexuais. Manterei nesse período um e-mail provisório,
euemférias@yahoo.com.br.
Escolhi algumas aventuras que se passaram nos últimos 10 anos.

Abaixo o primeiro, intitulado: PUTA PARTICULAR.
Esses fatos aconteceram no final de 1995. Recebi um telefonema da imobiliária que administra imóveis de minha propriedade, dando conta que um inquilino já estava há seis meses com o aluguel atrasado.
Como meu contrato com a imobiliária previa essa situação o aluguel estava sendo pago pela própria imobiliária, porém eles precisavam de uma procuração para a ação de
despejo. Pedi que me enviassem o documento e dei o assunto por encerrado.
Ao chegar em casa a minha esposa me dá um recado dizendo que uma certa Carla, ligou, dizendo-se nossa inquilina e que queria falar comigo. Liguei os fatos e já me preparei para o tradicional lenga-lenga. Pedi que minha
esposa a dispensasse no próximo telefonema, retornando o problema para a imobiliária. Assim foi feito na manhã seguinte. Após o almoço, retornei, ao escritório lá pelas 16 horas, havia dois fornecedores me aguardando e uma
loira desconhecida folheando uma revista na recepção. Adentrei minha sala, logo em seguida veio a secretária me comunicando que teria três reuniões
naquela tarde e uma senhora, D. Carla dizia ter urgência em falar comigo,
mas não adiantara o motivo. Atendi os fornecedores, logo em seguida, como
estava marcado, recebi um antigo sócio, com quem me demorei mais que o
previsto. Lá pelas 19:30, após meu ex-sócio sair, entra minha secretária,
perguntando se iria atender a D. Carla, que até então não quis dizer o
motivo da entrevista. Pelo adiantado da hora, dispensei a secretaria pedindo
que mandasse entrar a tal de D. Carla.
Quando entrou na sala vi que se tratava de uma mulher daquelas que a gente
quer comer na hora. Loira, olhos verdes, seios empinados, um rebolado que
anunciava uma bunda gostosa, enfim de deixar qualquer um de pau duro.
(A partir de agora transcrevo (resumidamente) a conversa, pois na época
gravava todas as conversas por questão de segurança. Hoje o escritório é
filmado)
Boa noite Dr.... Obrigada por me receber e desculpe por vir sem avisar, mas
o assunto é urgente.
Não tem problema. Mas do que se trata?
Meu nome é Carla......alugo seu apartamento no edifício...... e gostaria de
tratar do assunto diretamente com o Senhor.
Mas você deve ter falado com minha esposa. Pedi que ela a atendesse.
De fato, mas apesar dela ter sido muito educada e simpática, não pode me dar
uma solução. Portanto..
Olhe D. Carla, gostaria que isso fosse tratado pela imobiliária, pois tenho
vários outros imóveis que são administrado por eles e não posso ficar me
intrometendo. Já passei uma procuração para eles.
Mas é para despejo. E eu gostaria de explicar o que está acontecendo.
E eu gostaria de resolver isso o mais rápido possível, sem me envolver.
Olha Dr..... meu marido foi para a Espanha há 8 meses, parou de mandar
dinheiro, sei que está junto com outra e me deixou aqui com um filho de dois
anos sem recursos. Quem podia me ajudar já o fez. Não tenho mais a quem
recorrer.
Lamento, mas proponha uma rolagem dessa divida, faça uma proposta para a
imobiliária, visto que o aluguel é garantido por eles, portanto, até o
momento você não me deve nada.
(Isso ela não sabia. A essa altura eu de pau mais que duro, tava tarado
naquela boca sensual, só via meu pau ali dentro. Ela estava agitada e
sentada em um sofá na minha frente, cruzava e descruzava as pernas me
deixando doido. Mas até o momento eu só sabia que ia foder aquela potranca,
como fazer, comecei a pensar só nisso a partir desse momento)
Ela continuou: eu não sabia, eu pensava que....
Olhe D. Carla se você tiver uma proposta concreta diga, ou me explique o
motivo de sua insistência em falar comigo.
Eu.......ia...... pedir que o senhor me deixasse ficar morando no
apartamento e quando eu arranjar um emprego eu lhe pago tudo.
Mas que emprego e quando você vai arranjar.
Sou formada em administração, deixei meu currículo em várias empresas, mas
como não tenho experiência, demora um pouco. Não posso sair do apartamento
pois, meu endereço nos currículos é de lá. Meu telefone está para ser
cortado. Se eu mudar ninguém vai me achar. Além disso não tenho para onde
ir.
Não pode ir morar com seus pais?
Eles moram em uma cidade pequena, tenho um filho de dois anos que é
asmático, precisa de cuidados médicos constantes e meu pai tem muito pouco,
quase não dá nem para eles.
É complicado, disse eu. E se você não arranjar emprego?
Vou trabalhar de doméstica, limpar banheiro, sei lá, vou fazer qualquer
coisa.
Mas aí que você não vai conseguir pagar esse aluguel nunca e nem os
atrasados. (Achei o caminho para a boceta dela)
(Ela ficou vermelha, quase tapou o rosto com as mãos e disse)
Se nada der certo vou me prostituir.
(Quase caí da cadeira, jamais esperava por uma resposta dessas)
Como? Prostituir?
(Sem me olhar, e com o rosto mais vermelho que tomate maduro )
Tenho uma amiga que conhece uma cafetina( antigo nome das agenciadoras), ela
ganha um bom dinheiro. Se eu não resolver essa situação, amanhã ela vai me
apresentar para essa mulher. Não tenho mais saída.
D. Carla vamos resolver essa situação já. Tire a roupa.
Como.Eu......não.......O que o Sr. Quer?
Olhe, ou você tira a roupa agora ou paramos por aqui. Quero vê-la nua, pois
gosto de ver o que vou comer.
Mas eu....não......
Ou tira ou sai.Agora
(Nunca vi uma pessoa tão constrangida como ela estava)- Aqui paro com a
transcrição e volto a narrar.
Virou-se costa, abriu o zíper do vestido e lentamente deixou-o escorregar,
estava sem sutiã e de calcinha tipo tanga preta. Ordenei-lhe que deixasse o
vestido cair ao chão e se virasse para mim. Assim ela o fez, porem com as
mãos tapando os simplesmente ma-ra-vi-lho-sos seios. Já tinha ficado com
água na boca vendo suas curvas. Mandei que tirasse as mãos. A contragosto
ela tirou. Quase gozei. Eram duros, redondos e empinados, tudo isso
emoldurado por uma pele branquinha e lisinha. Sem contar os mamilos rosadas,
já eriçados que pareciam pedirem para serem chupados Mandei que tirasse a
calcinha, após breve hesitação ela tirou mas ficou com as mão tapando a tão
desejada boceta. Mandei que tirasse as mãos e ficasse de pé com as pernas
entreabertas, Acho que gozei ao ver aquela visão. Era toda depiladinha,
rósea , carnuda e macia. Mandei que se virasse, e já pulando por cima da
minha mesa sonhava em conhecer aquele cuzinho dentro de tão perfeita bunda.
Coloquei-a, de bruços sobre o braço do sofá e não resistindo enfiei-lhe um
dedo na boceta. Tentou reagir, mas segurei-a firme e disse-lhe. Você não
queria ser puta, portanto agora você vai ser puta e das boas. Após apreciar
meu dedo entrar e sair da boceta, tentei enfiar no cuzinho dela, mas pela
reação vi que ainda não era hora. Coloquei-a de joelhos na minha frente e
mandei que tirasse meu pau pra fora e o chupasse. Muito desajeitada e até
com um pouco de nojo tirou meu pau para fora e ficou olhando sem saber o que
fazer. Disse-lhe: Essa chupada pode resolver muitos problemas para você, se
eu gostar vou te ajudar. Acabou a hesitação. Finalmente meu pau entrava
naquela boca sensual, ela chupava e olhava para mim quase me perguntando se
estava bom, após alguns minutos mandei que ficasse novamente de bruços sobre
o braço do sofá, assim que ela se abriu inteira lembrei-me da camisinha. Não
tinha, aí me lembrei que um filho da puta de um funcionário andava comendo
minha secretária e sempre tinha algumas em sua mesa. Fui até lá, segurando
as calças, e rezando para não encontrar nenhum guarda ou faxineira pelo
corredor. Deu tudo certo. Voltei já com a camisinha vestida, me posicionei
atrás dela, com uma bruta dúvida. Cú ou boceta. Optei pela boceta. Acariciei
seu clitóris, sem notar qualquer reação. Estava tensa. Comecei a penetrá-la,
nenhuma reação, aumentei os movimentos e ela imóvel. Quando estava para
gozar, lembrei-me de seu cuzinho. Tirei da boceta, comecei a enfiar um dedo
naquele buraco cobiçado, ela protestou, fechou as pernas eu lhe disse...abra
imediatamente e fique a minha disposição. Falei com tanta convicção que
imediatamente se abriu, enfiei um dedo, alargando um pouco. Era muito
apertada, comecei a forçar com o pau. Não ia. Ela choramingava.Cuspi na
entrada e forcei novamente, ela soluçou, gemeu e se mexeu. Consegui enfiar a
cabeça. Acho que não dei 4 ou 5 bombadas explodi em um gozo tão forte, que
da camisinha não sobrou nada. Tirei o pau do cu dela e começou a escorrer
pelas suas coxas uma mistura de porra e um filete de sangue. Mandei que
fosse se limpar no banheiro. Momentos depois ela retorna já vestida e
recomposta. Ninguém diria que aquela mulher acabara de ser estrupada.
Limpei-me também e ela calada. Perguntei se ela queria ir embora. Ela me
disse que agora queria resolver a situação dela. Acalmei-a deixando um
bilhete na mesa da secretária cancelando a procuração para o despejo dela.
Foi a primeira vez que a vi sorrir.
Ofereci-lhe carona e ela tentou recusar, mas como já era tarde e o apto dela
ficava longe e não tinha dinheiro sequer para ônibus, meio a contragosto
aceitou. Perguntei-lhe se tinha comida para ela e o filho em casa. Respondeu
que havia deixado o filho com uma vizinha e com certeza ela o havia
alimentado. E você? Perguntei. Reponde que estava vivendo a base de macarrão
instantâneo(ARGH), que era a única coisa que seu orçamento permitia. Parei
em uma loja de conveniências e disse para comprar o que fosse possível nesse
tipo de loja para se fazer uma refeição decente para ela e o filho. Muito
envergonhada levou algumas coisas. Retornando ao carro, perguntei-lhe sobre
o filho. Era asmático e estava tendo dificuldades em conseguir os
medicamentos adequados, visto que dependia do serviço publico de saúde.
Parei em uma farmácia e pedi-lhe que levasse todos os medicamentos que
estavam faltando. Vi alguma luz em sua face tensa. Pediu-me, se podia levar
absorvente higiênico para ela, pois devido sua situação estava usando panos
e papel higiênico quando menstruada.
Ao chegar no prédio, dei-lhe um pouco de dinheiro e disse-lhe: Volto aqui
amanhã às 19 horas. Compre uma calcinha bonita e você vai me fazer uma
exibição do seu corpo. Se você me agradar, posso até te arrumar um emprego
em sua área profissional e você resolve todos os seus problemas. Ela me
fixou firmemente dizendo. Pode vir você vai encontrar a melhor puta do mundo
a sua disposição. Vou me esforçar bastante.
No outro dia lá estava eu, de pau duro, chegando ao apartamento dela (meu).
Engraçado que eu nunca havia entrado naquele imóvel. A porta estava
entreaberta e a encontrei sentada na mesa da sala. Após um leve sorriso,
falou-me: o que quer que eu faça. Mandei que desfilasse para mim, pois
queria vê-la vestida. Estava com um vestido branco, tipo tubinho. Via-se que
era um vestido antigo, pois seu corpo mal cabia dentro. Estava apertado e
marcava seu corpo. Sua bunda e peitos pareciam querer explodir aquele
tecido. Já fiquei tarado em ver a marca da calcinha, que notadamente entrava
naquela bunda gostosa.
Ela rebolou meio sem jeito, desfilou pela sala, quando estava no centro da
sala, mandei que tirasse o vestido. Teve alguma dificuldade, pois além da
vergonha e tremedeira ainda o vestido estava realmente apertado. Quando o
vestido começou a deslizar foi aparecendo aquela beleza de seios, aí eu já
queria cair de boca. Quando o vestido foi ao chão mostrou uma calcinha
vermelha minúscula que deixava os lábios da boceta para fora, mandei que me
mostrasse a bunda. Foi difícil se segurar diante daquela bunda branquinha
com um fiozinho vermelho entrando no rego. Mandei-a desfilar novamente,
dessa vez aumentando o rebolado. Que tesão os peitos se movimentavam
harmoniosamente com a bela bunda. Fui até ela tirei-lhe a calcinha, enfiei
um dedo na boceta dela, dei algumas dedadas e mandei que se mostrasse para
mim, que ficasse de quatro, abrisse a bunda, mostrasse o cu, a boceta enfim
que se exibisse. E tudo isso, sempre se masturbando. Por uns belos 5 minutos
ela parecia uma contorcionista de circo. Por fim mandei que colocasse dois
dedos na boceta e depois os chupasse. Obedeceu. Não gostou, mas fez. Levei-a
para cama, tirei a roupa e deitado fiz com que chupasse meu pau e fui
ensinado-a como eu gosto de ser chupado. Já a ponto de bala, peguei um
lubrificante e mandei que ficasse de quatro, pois iria comer seu cu. Ela
implorou que não fizesse anal nela naquele dia. Disse que havia sangrado
pelo ânus, pois eu a havia arrombado na noite anterior. Jurou que iria se
acostumar a ser penetrada por trás, pediu, implorou para que nos próximos 3
ou 4 dias a poupasse. Concordei, mas disse-lhe que foderia sua boceta e na
hora de gozar, faria na boca dela e ela teria que engolir tudo. Ela só me
disse, já meio enojada: Faça o que quiser. Deitei-a e comecei a bombar na
sua boceta, aquilo estava muito bom, quando estava para gozar tirei meu pau,
coloquei-a de joelhos em cima da cama enfiei meu pau praticamente na
garganta dela, que quase vomitou, tirei, deixei-a respirar e coloquei só a
cabeça do pau na boca dela e gozei fartamente dizendo, engole, vai
engolindo. Quando acabei ela fez menção de ir ao banheiro lavar a boca,
segurei-a pelos cabelos fiz com que engolisse o resto da porra que escorria
pelos cantos da boca e fiz com que ela limpasse meu pau com a língua.
Foda terminada voltamos para a sala, ela ainda nua, sentei-a no sofá e
sentei-me em uma cadeira na sua frente, fiz com que apoiasse os pés no sofá
mantendo as pernas abertas com a boceta completamente exposta.
Vamos tratar da sua situação. Amanhã você começa a trabalhar na minha
empresa. Você terá um emprego relacionado com sua profissão. Devido aos
problemas de saúde de seu filho seu plano de saúde será de nível gerencial.
Seu salário será adequado ao seu cargo. Você irá se mudar daqui, o problema
com a imobiliária já esta resolvido. Irá morar em uma quitinete, que minha
esposa não sabe que tenho. È menor que esse apartamento, mas é mais central,
discreto e muito bem mobiliado. Sua principal função será ...Ser minha puta
particular. Algo a dizer?
Obrigada.....Muito obrigada, disse chorando que dava pena.
Ela continuou. E desculpe, pensei que você só ia fazer sexo comigo e depois
não cumpriria nada disso. É mesmo verdade?
Tanto é que vou te deixar uma boa quantia em dinheiro para você saldar suas
dividas. Você também irá a um bom cabeleireiro, fará uma limpeza de pele
(ela estava meio relaxada). Tudo isso aconteceu. Passou-se algum tempo, ela
mostrava-se uma boa funcionaria, aprendia e entendia as coisas rapidamente.
Como puta também melhorava. Visitava-a no mínimo uma vez por semana,
comprei-lhe um vídeo cassete e várias fitas pornográficas. Também vários
brinquedos eróticos, ppmente vibradores, com os quais me divertia com ela.
Ensinei-a me satisfazer.Permiti e a incentivei a ter uma vida social. Podia
paquerar, namorar, se fosse sério, mas em hipótese alguma transar com outro.
E devia me manter informado. Quando a encontrava na empresa, ou em qualquer
outro lugar, que não fosse minha sala, pois lá tudo é gravado ela devia se
oferecer para mim. Ela sempre inventava uma frase nova, tipo: Quer ver minha
calcinha nova? Quer me usar?Quer que eu te chupe? Quer enfiar o dedo no meu
cu? Posso te servir minha boceta? Aceita uma mamada? E assim foi por mais de
um ano. Era impressionante a competência profissional dela. Tinha arranjado
uma boa funcionaria e uma excelente puta.
Era tão eficiente, que quando houve a criação de um novo departamento que
englobaria a administração de todas as empresas ela foi escolhida. Não por
mim.Estava no exterior e havia deixado isso ao encargo do RH. Quando
retornei vi que a "cagada" estava feita, pois a função dela, agora
englobaria, entre outras, a administração da Clinica de Psicologia da minha
esposa, que andava meio bagunçada. Mas não desfiz nada. Não haveria
explicação convincente.
Minha esposa, certo dia comentou: A Carla é tão eficiente, arrumou toda a
bagunça lá na clinica, mas acho-a meio esquisita. Quando ela passa na
clinica, nunca vai à minha sala dizer um "oi" ou um "tchau". Porque será?
Deve ser por vergonha daquele problema do aluguel, acho eu, já encerrando o
assunto.
Algum tempo depois, precisávamos ir a Porto alegre. Minha esposa havia
recebido alguns imóveis como herança de uma tia-avó. Como não tínhamos
interesse em manter os imóveis, colocamos a venda e iríamos lá assinar a
papelada da venda, de inventário e de toda a burocracia. Minha esposa teria
que ir, pois ela era a beneficiária. Planejara ir em uma quinta feira de
manhã para retornar na sexta. Falei para minha esposa que se ela me ajudasse
a buscar certidões, laudos e etc.. em dois faríamos tudo.. De cara já disse
que não. Não iria ficar correndo atrás de burocracia pois não era afeita a
isso e que queria passar o fim de semana em Gramado( quando ela diz: eu
quero, não tem capeta que a faça desistir ). Argumentei que não conseguiria
fazer tudo sozinho. Apresentou-me a solução. Leve a Carla junto. Ela tem
prática nessas coisas e é função dela. Ela te ajuda. Ai.Ai,Ai, pensei
comigo: Como é difícil ter amante nos dias de hoje.
Na quinta feira pegamos o primeiro vôo para Porto Alegre. No avião eu e
Carla tensos, minha esposa feliz com o final de semana em Gramado. Chegamos,
começamos a mexer na papelada, minha esposa assinou o que precisava. Fomos
para o hotel. Na Sexta logo de manhã minha esposa foi para Gramado, eu iria
no final do dia, após deixar Carla no aeroporto, para retornar a nossa
cidade. Corremos o dia inteiro atrás da papelada. Lá pelas 16 horas, tudo
pronto. Aluguei um carro, iria levar Carla ao aeroporto e de lá iria
encontrar minha esposa. Chovia forte em todo sul do Brasil. Vôos cancelados,
aeroportos sem teto para pousos e decolagens. Previsão de partida só no
outro dia lá pelo meio-dia, se tudo corresse bem. Liguei para a amada esposa
e lá veio ela com suas solução simples e práticas. Traga a Carla junto com
você. Estou em um chalé, tem dois quartos, ficaremos confortáveis.
Engasguei, argumentei, mas me controlei. Não adiantava discutir. Carla ficou
mais branca que um fantasma. Disse que adoraria conhecer Gramado, mas a
situação ia ficar difícil, melhor não arriscar, além disso só tinha levado
roupa para um dia. Controlar uma mulher já é difícil, duas é praticamente
impossível.Então ordenei. Você vai e vai se comportar de forma natural. Como
chovia forte e a estrada para a serra é muito perigosa ficamos de ir no dia
seguinte(sábado). Minha esposa não estranhou, pois quase sempre que viajo a
negócios levo uma assistente junto.
Bem, aquela altura eu já tinha certeza que a casa ia cair, e então vamos
aproveitar. Voltamos para o hotel, após um belo banho comuniquei a Carla que
iríamos a um clube de swing. Foi um pandemônio. Não vou, não quero, não
gosto, nem roupa trouxe para isso. Resultado. Fomos. Para sorte dela, no
dito clube tinha poucos casais.
Concluí que não compensava trocar minha putinha gostosinha e cheirosinha por
nenhuma daquelas "barangas" que estavam lá. Teria que ser uma gauchinha
muito da gostosa. Voltamos ao hotel. Fudi-lhe a bundinha. E fomos dormir.
Não queria nem pensar no dia seguinte.
E lá estávamos nós em Gramado. Chegamos próximo ao almoço, fomos ao bar do
hotel, tomamos alguns aperitivos. Esposa contente, amante apavorada.
Almoçamos e fomos acompanhar minha esposa em sua peregrinação pelo comércio(
é viciada em compras, principalmente roupas e sapatos). Lá pelas tantas, em
uma loja chiquérrima, sabendo que Carla não havia levado roupas, escolheu
para ela um pijama de flanela um robe e..... dois conjuntos de calcinha e
sutiã. Ainda me chama para opinar se a lingerie ficaria bem na Carla. Só
respondi que achava que na Carla tudo ficaria bem e caí fora. Vi que Carla
fazia "luxinho" não querendo aceitar, mas seus olhos estavam fixos naquelas
roupas e brilhavam de alegria.
Voltamos ao chalé, tomamos banho, fomos jantar em um restaurante colonial.
Minha esposa adora vinho e mandou ver. Carla começou a acompanhá-la, mas em
determinado momento falei-lhe para parar de beber, visto que a situação era
complicada. Entendeu e diminuiu. Estranharam que eu não estava bebendo nada.
Quase falei: Não sou doido. Quero e preciso manter o equilíbrio. Só disse
que estava cansado.
Retornamos ao chalé nos preparamos para dormir. Carla não parava de se
apreciar com seu novo robe. Aproveitei que minha esposa estava no banho e
mandei abaixar a calça do pijama pois queria ver sua calcinha nova,
rapidamente o fez. Enfiei um dedo na sua boceta e outro no cu. Senti que a
cadelinha, estava no cio. Saí de perto. Ali não dava. Carla e minha esposa
foram para a sala de estar assistir TV. Como não tenho paciência para TV,
fui fumar um charuto numa espécie de jardim de inferno, quase na frente da
saleta. Minha esposa continuava no vinho, Carla de quando em quando
bebericava. Vi que estavam entretidas no filme e fui lá ver do que se
tratava.
Era uma estória de uma líder reacionária, que era lésbica. Morava com uma
namorada e apareciam cenas de sexo entre as duas. Fui me servir de um
conhaque, mais para diminuir a tensão quando escuto o seguinte dialogo.
Você já beijou mulher na boca, Carla.
Eu.........bem........sim.............não..............quer dizer quando
tinha 15 ou 16 anos beijei uma prima.
Abro aqui um parênteses para dizer que já tinha feito Carla transar com
outras mulheres junto comigo, não digo que ela gostava, mas gozava. E quanto
à prima, Carla perdeu a virgindade no dedo dela, já havia me contado essa
história era uma siriricagem só.
Quanto a minha esposa, também já havia experimentado. Nos tempos que éramos
namorados, por curiosidade transou com uma colega de universidade e a melhor
amiga dela até hoje me chama de "nosso marido". Fecho parênteses.
Minha esposa continuou: Ora Carla isso é normal. Atendo várias mulheres na
clinica que ainda se constrangem com esse tipo de relacionamento, mas que
procuram se libertar e curtir. Nisso entrei na sala, minha esposa estava de
costas para mim. Carla, abraçada a ela, olhou-me, como perguntando: O que
faço? Estava mais assustada que eu. Fiz-lhe um sinal afirmativo e saí da
sala. Pouco depois, minha esposa veio até mim e disse: Você não se importa,
não é? Claro que não, respondi, desde que ela aceite. Tudo bem me respondeu,
ela resistiu um pouco mas já está "molhadinha". Você quer participar? Não,
disse eu, prefiro não. Mas você gosta disso e já está de pau duro. Transe
com a gente ou assista. Não gosto desse tipo de envolvimento com
funcionarias, e ainda vou deixá-la pouco à vontade. Leve-a para nosso quarto
e aproveite. Ela me responde: querido, por isso gosto tanto de você. Sempre
tão equilibrado e responsável. Quase ri. Continuaram se acariciar na frente
da Tv. Dei uma olhada, Carla já estava com a calça do pijama no meio das
coxas. Foram agarradinhas para a cama. A partir daqui vou ser egoísta.
Guardo os detalhes e lembranças só para mim. Posso lhes dizer que foi uma
das coisas mais excitantes que já vi. Qual homem teve a felicidade de ver
sua gostosa amante em uma transa louca com a não menos gostosa esposa?
Tive que bater duas punhetas antes de dormir sozinho na cama da Carla.
Estava quase rindo pra não chorar. Eu com duas mulheres a minha disposição e
indo dormir sozinho e ainda bater punheta.
Acordei no dia seguinte, estava me barbeando, quando minha esposa acordou e
veio ao banheiro falar comigo. Carla acorda nesse momento e corre para o
quarto dela, ainda sem calcinha e se tranca. Minha esposa me pergunta. Sem
problemas? Respondo-lhe: eu que te pergunto isso, a moça parece bem
assustada. Ela me diz: Vá tomar seu café, já nos encontramos lá. Deixe-me
falar com Carla a sós. Fui.. Folheei alguns jornais, fiz umas ligações,
estava começando a tomar meu café, quando as duas entram no salão. Pela cara
da Carla vi que estava tudo bem. Alivio.Sentaram-se à mesa e minha esposa
disse: Ontem a noite não aconteceu nada. Esqueçamos e delete-se. Sua palavra
era ordem. Amém.
Retornamos a nossa cidade e ávida continuava. Olhava para Carla e não
acreditava que havia transformado uma dona de casa caipira , que apesar do
curso universitário que possuía, falava de forma errada, se vestia mal, sem
classe alguma, naquele mulherão chique e fina e muito, mas muito boa de
cama.
Passaram-se uns 4 meses e Carla me liga e pede para ir ao seu apartamento.
Lá chegando, ela cheia de rodeios, querendo falar alguma coisa, mas sem
saber como. Disse-lhe: Fale logo Carla, não enrola. È meu marido, disse,
está no Brasil, falou com meus pais, jura que se arrependeu, abandonou a
outra e agora quer reatar e quer que eu vá para Espanha com ele. E o que
você quer? Perguntei. Ela me disse que há mais de 10 dias está vivendo esse
drama, e que seu a liberasse ela iria. E enfatizou que seria por um único
motivo: seu filho. Agora já completamente curado, mas sentindo falta da
companhia masculina, da figura do pai. Disse-me então: Prefiro que meu filho
me veja como uma péssima esposa do que como uma boa puta. Entendi,
incentivei e a liberei. 30 dias após, pouco antes de embarcar para Espanha,
ligou do aeroporto de Cumbica e disse: Estou chorando por não ter-me
despedido de você, mas sei que você não gosta e eu choraria muito. Vá até o
apartamento. Deixei uma carta e uma lembrança para você. E foi-se.
No apartamento encontrei uma carta muito emocionada e uma calcinha nova com
um bilhete que dizia: Não pude te mostrar essa calcinha, se você sentir
saudades me chame, que virei correndo vesti-la para me exibir a você.
Por uns três ou quatro anos recebia com freqüência alguns cartões postais,
dizia estar bem com o marido e feliz.
Perdemos contato. Ainda guardo a calcinha. Se voltar a encontrá-la e ainda
estiver gostosa( deve estar hoje com 35 anos). Vou fazê-la vestir a
calcinha( se ainda servir) e enrabá-la novamente. Com toda a certeza.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

UMA AVENTURA POR GOIÂNIA!

AUTOR DESCONHECIDO

O relato que vou contar aconteceu comigo a cerca de 8 anos , quando eu estava no auge da minha adolescência, foi muito bom na época e me marcou como uma recordação muito gostosa. Tudo começou em uma tarde de sexta-feira, quando me sentei com uma turma de amigos em um dos barzinhos mais badalados de Goiânia, e que ainda existe até hoje.Eu tinha uma namoradinha na época mas não era nada sério, então eu estava ali realmente para ver e quem sabe até conhecer outras mulheres.Então nós ficamos ali, observando e comentando sobre cada mulher que passasse de carro ou das mesas vizinhas.Haviam várias meninas da minha idade, algumas bonitas , mas o que realmente me chamou a atenção foi uma loira de cerca de 30 anos , ou quem sabe mais, (nunca cheguei a perguntar a idade dela, mesmo por não preocupar muito com isso), sentada a duas mesas da minha , juntamente com uma mulher aparentemente bem mais velha e uma outra também com seus trinta anos.As três conversavam sem parar e aparentemente estavam alí só para almoçar ,enquanto eu e meus amigos procurávamos muito mais.Ela estava de frente para mim, e as outras duas de costas.Ela tinha uns olhos azuis belíssimos, e era muito charmosa.Até seu jeito de se mastigar me excitava.Prendí meus olhos nela e fiquei observando cada detalhe.Ela tinha uns seios de tamanho médio , parecendo durinhos e uma marquinha desenhada de biquini.A blusinha colada mostrava ainda uma barriguinha certinha, ou pelo menos sem excessos.De repente levei um susto ao perceber que ela me viu a observando daquela maneira .Eu disfarcei um pouco, sem conseguir conter um sorriso, por ter sido flagrado assim.Voltei minha atenção para a conversa com os amigos e eles estava planejando passarmos para a mesa de outras meninas da nossa idade que estavam claramente dando bola.Voltei os olhos novamente para a mesa da loira e a flagrei com um olhar em mim que não me deixou dúvidas, não era um olhar apenas casual, mas com certa sensualidade.Ela estava começando um jogo de sedução.Ela continuava conversando , mas sem deixar as outras mulheres perceberem, estava toda hora a me olhar , com aqueles olhos azuis e uma expressão muito charmosa.Eu não consegui mais tirar o olhos dela e fiquei pensando em ir até lá, mas, apesar de na época eu já ser bem atirado,a diferença de idade me intimidou um pouco.Eu fiquei na indecisão por uns vinte minutos eaté que ela deixou um dinheiro com as outras duas mulheres e se levantou da mesa.Ela veio em minha direção, mas apesar dos meus olhares insistentes não me olhou.Mas ao passar por mim, discretamente ela passou bem de leve um dedo na minha nuca ,sem que ninguém percebesse.Eu me virei novamente mas ela não olhou para trás.Seguiu e entrou em seu carro,um Tempra preto (no tempo em que tempra ainda era um ótimo carro, antes dos importados).Ela saíu e passou bem devagar na porta do bar e desta vez me encarou firmemente , com o mesmo olhar sexy de antes.Ela não parou mas seguiu com o carro bem vagarosamente , e virou a esquina , quase parando.Eu precisava saber se ela tinha parado ali à minha espera , falei para meus amigos que ia ao banheiro e fui até a esquina.Ao chegar lá ví o carro parado e por trás via o cabelo dela lá dentro.Fiquei com um pouco de receio de me aproximar, mas ela ligou o pisca-pisca, me dando certezade que queria que me aproximasse.Fui até lá e olhei pela janela do passageiro.Ela estava muito afobada e me disse: -Achei que você não viesse, não posso falar muito nem ficar muito aqui, mas me dê seu nome e telefone; Ela estava muito afobada, preocupada e olhando para os lados, entõ falei rapidamente o telefone.Ela nem anotou , falou que guardaria de memória e que me ligaria.Vendo a preocupação dela não quis pedir nem um beijo mas então ela me disse: -Deixa eu pelo menos sentir seus lábios, me beije; Eu pus a cabeça para dntro do carro , ela aproximou e me beijou, um beijo quente, muito macio, e que me deixou numa excitação total na hora.Ela me disse que me queria naquela hora, mas que não podia e que me ligaria, e rapidamente saiu com o carro.Voltei para a mesa satifeito pelo beijo , mas achando que ela não me ligaria mais, pois não tinha nem anotado o telefone.Ainda naquela tarde acabamos conhecendo as meninas da mesa ao lado e imendei a noite com uma delas no motel, mas sem conseguir tirar a loira da minha cabeça. No dia seguinte fui acordado por meu irmão com o telefone na mão , falando que era uma mulher e que pediu para me acordar.Atendi ainda muito sonolento e ela disse: -Bom dia meu príncipe, como passou a noite!!!A minha foi ótima depois do seu beijo. Adorei a surpresa, e conversamos por quase duas horas.Após elogios de ambas as partes ela me pediu desculpas pelo comportamento do dia anterior mas disse que não poderia ser visto em público com ela, e pediu para não conversarmos sobre o motivo disso tudo.Eu concordei prontamente, pois estava muito excitado com forma que as coisas estavam indo e com o ar misterioso de tudo aquilo.Ela me disse que chamava Nádia (depois descobri o nome verdadeiro, mas vamos deixar aqui como Nádia mesmo) trabalhava em uma compania de turismo,que viajava muito.Perguntei quem eram as mulheres que estavam com ela e ela me disse que fazia parte do assunto que não seria bom conversarmos.Achei engraçado, rimos e continuamos o papo.Ela perguntou se eu tinha namorada( e rapidamente completou que isso não iria nos atrapalhar em nada).Contei que tinha um namorinho e tudo o mais que ela perguntou.A conversa foi esquentando e começamos a conversar sobre as preferências de cada um na cama, loucuras que já tínhamos feito...Ela em disse que gosta de longas preliminares, com atenção especial aos seios, e eu a contei como gosto de ser chupado com todos os detalhes.Ela me disse como gostava que a penetração começasse com calma e muito carinho, e eu contei como adoro ouvir a mulher gemendo e a expressão de prazer.Ela me contou como gostava de ser possuída por trás,nesse ponto concordamos totalmente e rimos muito.De repente, quando a conversa estava bem quente ouví uma voz de homem bem ao fundo, e ela assustada disse que tinha que desligar e que me ligaria. E me ligou, e por várias vezes conversamos ao telefone , sendo que várias vezes nos masturbamos ,cada um em um lado da linha.Ela todas as vezes agradecia minha compreensão em não querer forçar um encontro ainda ou mesmo pegar seu telefone,e do meu lado eu que agradecia pois também tinha meu namoro e estava adorando por ter a ela por a ter como uma amiga , uma mulher assim tão decidida e de cabeça feita.Ela me disse que queria muito estar comigo mas ainda não sabia como fazer. Apesar da excitação em que estava um dia em que ela me ligou abri o jogo e disse que a suspeita de que ela fosse casada me incomodava muito , pois não queria ser eu a atrapalhar o relacionamento de ninguém, pois sempre achei e acho o casamento uma coisa muito séria.Ela estava muito carinhosa esse dia, me disse que de forma alguma eu estragaria alguma coisa, me fez mil elogios , falou que aúnica coisa que pedia era para ficarem alguns assuntos sem serem conversados.Ela me disse ainda que não aquentava mais e que queria me encontrar.Ela já tinha o plano todo preparado para o dia seguinte.Nos encontraríamos em um motel muito bom e que tem um espaço onde cabem dois carros, pois seria melhor irmos separados.Ela chegaria antes para se preparar para mim, e eu estava ansioso para ver essa preparação. Às 19:00, como combinado eu estava à porta do motel.Disse o número do quarto para a recepcionista e ela disse que eu já estava sendo esperado.Era um motel que eu já conhecia, entrei e guiei até o quarto indicado, onde já havia um carro parado,mas não era o tempra, e sim um Santana, também novinho e ainda sem placa(ela realmente pensava em tudo).Como era um quarto com duas garagens parei ao lado do carro e desci.Fechei a porta do estacionamento e bati na porta. Então ela abriu,e como estava linda, com um vestidinho justo preto, um penteado maravilhoso e umas jóias muito bonitas.No quarto apenas a luz de duas velas colocadas em volta de um vinho e duas taças já cheias na mesa.Eu disse como ela estava maravilhosa, entrei, ela me ofereceu um copo, sentamos em um sofá e começamos a beber e a conversar.Agora era diferente, a conversa agradável era a mesma, mas estávamos ali , frente a frente, como a tanto esperado.Senti ela ainda um pouco receiosa e tomei então a iniciativa.Sentei mais próximo a ela e sem dizer uma só palavra tirei o copo da sua mão, pus mesa, e a beijei, bem suavemente, sentindo os contornos dos seus lábios, o calor da sua boca, o deslizar de sua língua.Não saberi dizer quanto tempo durou esse beijo.Então suavemente comecei a descer os beijo, ela apenas suspirava.Com muita calma e suavidade desci as alças do seu vestido e pude ver aqueles dois seios maravilhosos.De tamanho médio, novamente com a marquinha de sol e mamilos bem roséos , que beijei com delicadeza, e depois como um bebê aproveitei-os bem,enquanto ela afagava meu cabelo.Fui descendo então os beijos, mas ela me parou, com um olhar muito sedutor e disse que agora era a vez dela.Ela abriu minha camisa, com pressa ,e quase arrebentando os botões.Ela beijou meu pescoço, meu peito, minha barriga, beijos quentes ,de tesão.Então desceu mais e deu um beijo no volume por cima da calça.Então com delicadeza abriu os botões, desceu minha calça e começou a me chupar com muito carinho, uma delícia.a boquinha dela corria por todo meu pinto,num vai e vem suave, e depois descia para os testículos , chegando a por os dois em sua boca.Então ela passou a chupar com mais vontade, quase alucinadamente.Eu a parei e disse que não poderia simplismente gozar na sua boquinha,não naquele momento, eu queria antes desfrutar tudo que ela tinha para oferecer.Ela sorriu, acho que gostando de ver euainda adolescente , tomando conta da situação e a dizendo o que fazer.Eu a peguei nos braços então e a levei até a cama , onde tirei o resto do seu vestido e seus sapatos, também muito bonitos.Eu adorei a ver toda peladinha, e comecei a dar-lhe um banho de língua ,enquanto punha o preservativo .Ela com os olhos fechados de prazer e se remexendo apenas gemia.Então ela disse: -Vem me possui, entra em mim, sou toda sua. Aquilo me deixou louco ,e fui então por cima dela, e com muito carinho comecei a penetrá-la.Ela gemia baixinho, um gemidinho tão gostoso.Ficamos nesse vai e vem maravilhoso por muito tempo e depois começamos a mudar de posições.apesar da pouca idade eu já tinha uma boa experiência no ramo e cheguei a impressioná-la com algumas posições.Com o tempo a transa foi esquentando e mais um pouco e já éramos dois animais, então a levantei, pus ela de frente para a parede apoiada com os braços e a bundinha bem arrebitada e então fiz como ela mais gostava , de quatro, selvagem, e ela soltava gemido altos, intercalados com risinhos quase contidos.Eu comecei a entrar mais fundo nela ela me acolhia inteiro.O ritmo dos gemidos dela aumentavam e então passeia a acariciar seu clitóris enquanto a possuía por trás.Senti então ela se desmanchar em meus braços, em espasmos, em um orgasmo delicioso.Ao ver aquilo também senti meu gozo se aproximando e gozei, um gozo delicioso, e caímos na cama abraçados, ainda engatados, eu sentindo seu suor, seu perfume.Foi apenas o começo de uma noite deliciosa, regada a vinho, muita conversa, muito sexo, e um jantar delicioso. Após essa noite ficamos bons amigos e até confidentes.Continuamos as conversas sigilosas e optamos por mantermos as coisas assim .Mas um dia em que o desejo bateu mais forte nela ela me ligou e terminamos no motel, e o mesmo aconteceu comigo, e terminamos mais uma vez no motel.Meu namoro inicial terminou, depois comecei um outro mais sério e a vida dela ainda continuou um mistério.Há cerca de 5 anos ela se mudou para Fortaleza, mas de vez em quando ainda nos escrevemos, ela montou uma caixa postal apenas para receber cartas minhas, e de tempos em tempos ela me manda fotos eróticas suas, para manter o fogo aceso.Foi um aventura inesquecível e completa, por não se tratar apenas de sexo, mas de muita sensualidade, carinho.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

VARIOS CONTOS E UM VIDEO COM MUITO TESÃO

CONTOS DE AUTORES DESCONHECIDOS

1

Homens e mulheres, gozem comigo, sintam comigo o que e tesao, como e bom gozar, sentir sexo dentro de sexo, gozar devia ser o lema de todas as bandeiras de todos os paises, gozar, trepar, meter, foder...sei la o que quiserem que seja, mas gozem.......
Eu tinha 14 aninhos, cheinha, uma bundinha que ate eu gostava demais dela. Eu sempre tive tesao pelo meu corpo e minha bundinha era a coisinha mais linda do meu corpinho em formaçao, conforme ate muita gente falava.
Aprendi a gozar com 10 ou 11 anos, quando roçava minha buceta nos cantinhos da cama, nos travesseiros, ate ir crescendo e conhecendo melhor meu corpinho, e ja tocar meu grelinho, sentir meu ponto G, com uma cenourinha, ou algum tubo de shampoo. Eu mesma lamentei quando tirei meu cabacinho, com 12 aninhos. Acordei uma manha com a bucetinha todinha molhada, estava sem calcinha, tinha tirado a noite, e acariciava meu cuzinho com meus dedinhos, e adorava meu cherinho, o da gente e gostoso, sabem o que quero di zer. Enfiava um dedinho na minha bucetinha e tirava ele molhadinho e lambia, meu proprio melzinho, meu leitinho. Aquele dia estava mesmo afim de sentir uma coisa diferente. Fui pra cozinha, bebi agua, abri a geladeira e fui fussando pra achar uma cenourinha, nao tinha. Achei uma linguiça defumada enorme, pra mim era. No formato de um pinto, quando vi a linguiça, meu cuzinho ate piscou. Acho que tinham comprado um dia antes. Estava gelada, tirei ela e aqueci na agua morna, enquanto busquei nas coisas do meu irmao uma camisinha, eu sabia que ele tinha. Apanhei a linguiça, a camisinha e fui pro banheiro, peguei um espelho menor, coloquei na pia, tirei minha calcinha. Coloquei a camisinha na linguiça, coube quase todinha, lambusei minha bucetinha com saliva, chupei um pouco pra molhar melhor de saliva o meu amante e coloquei na minha grutinha. Pelo espelho eu via por baixo o volume daquela linguiça preenchendo minha bucetinha e abrindo os grandes labios, como se fosse um pinto. Eu sa bia de pinto e buceta de tanto ver filmes pornos dos meus pais e do meu irmao. Aquela cena me deixou mais excitada ainda, e afundei a linguiça dentro da minha buceta, tirando ali meu cabacinho, chorei muito quando vi sangue e lembrei que era assim mesmo, e enfiei ela quase toda dentro de mim, doeu mas senti um orgasmo sensacional, gozei gostoso mesmo. Essas brincadeiras ficaram mais intensas e cansativas e cada dia mais meu tesao aflorava meu corpo, eu mesma me atormentava acariciando meus seios meu grelinho minha bucetinha e meu cuzinho.
Pra ir na escola as vezes eu usava um "conect" pra quem nao sabe o conect e um dispositivo de plastico pequeno, que voce coloca na bucetinha, enfia dentro, e uma outra parte roça seu grelinho. Voce de calça comprida, andando de bike ou de moto, goza gostoso e ninguem percebe. Eu colocava, usava uma calcinha bem apertada, e quando voltava estava encharcada. Entao nos meus 14 aninhos, com alguns pelinhos na buceta e peitinhos despontando para o ceu, eu queria sexo. Nossa escola era muito grande e tinha espaços distantes. O teatro era muito abandonado e quase ninguem ia la. Um dia um garoto no pateo disse bem nos meus ouvidos - gatinha, como eu queria gozar na sua bundinha., nem dentro, apenas na bundinha, so alojar meu pinto nela e gozar. Olhei pra ele dei um sorriso, e o chamei de lado. - Vai no teatro a hora que terminar o recreio. Ele confirmou e logo em seguida tocou o sinal, eu corri para o teatro, e ele veio logo em seguida. Me agarrou, levantou minha saia, pegou seu pintinho, devia ter 15 anos, e colocou no meio da minha bunda e gozou me lambuzando todinha, peguei ele ainda durinho e enfiei no meu cuzinho, mas ele amoleceu e saiu logo. Ele nao poderia ficar, tinha prova, eu tambem. Marcamos pra depois das aulas. Terminada as aulas, corri pra la, ele ja estava prontinho e de pinto durinho embaixo das calças. Abaixei minha calcinha, e dei minha bundinha pra ele, seu pinto entrou facil, e ele gozou la dentro em 2 minut os, nem me deu tempo pra gozar. Saiu se arrumou e foi embora. Fiquei meia chateada e coma buceta na mao. Ia saindo quando alguem escondido me segurou pelos meus braços, e me arrastou pro fundo do teatro. Esatva escuro e nao deu pra ver quem era, era um homem com certeza pela força, e quando me jogou num monte de cortinas velhas, me arrancou a calcinha, me segurou, pensei em gritar, e ele colocou dentro de mim um pinto fora de serie, era tamanho GG., aquilo me fez calar e sentir, mesmo sabendo que ia ser arromabda, ele me fodeu e rasgou, gozou la dentro de mim e saiu sem dizer nada, e eu sem saber quem era. Puxa vida fui estuprada !!pensei., que nada tava bom demais., so doia e ardia um pouco, mas eu gostei, e depois gozei tambem.
Eu tinha um tesao incrivel, e na sala de aula cansava de abrir as pernas e mostrar a minha calcinha para o professor de Historia, um gato, que eu sabia gostava de garotinhas novas como eu. Numa dessas provocaçoes ele me segurou na sala e quando todo mun do foi embora, fez eu chupar seu pau, gozando na minha boca e prometeu me arroimbar a bunda qualquer dia desses.
Eu ri, e mandei ele se foder. Ele deu um tapa forte e disse vou comer sim esse cuzinho, logo, logo.
Um dia recebi um bilhetinho assim., - Ka, va ate o banheiro e entre no primeiro, na hora da aula. O banheiro estava vazio, entrei e fui direto no primeiro, o professor de historia estava la dentro. Segurou minha boca pra nao gritar e devagar foi tirando, fazendo sinal de pssiiiu., Levantou minha saia, baixou a calcinha, passou uma coisa gelatinosa no meu cuzinho e apontou seu pau e enfiou quase tudo de uma vez no meu rabinho, e me fodeu, fodeu, mais de 10 minutos, algumas garotas entraram no banheiro, e sairam enquanto ele me fodia e arromabava meu rabo, como tinha prometido, eu gemi de dor, mas adorei. A aula seguinte seria a dele, tirei a calcinha e com meu cuzinho dolrido fui pra aula dele e sentei na primeira fileira. Toda vez que olhava abria minhas pernas e m ostrava minha buceta pra ele. Minha colega do lado, falou, olha aquilo menina o prof. ta de pau duro e começava a dar risada.
Final da aula todo mundo saiu ele me segurou mais um pouquinho era a ultima aula. Quando todos sairam ele me levou no cantinho da sala , e me fodeu em cima da carteira, afundou seu pinto la dentro, gozou e me fez gozar tambem.
Sai de la naquele dia com cu e buceta arrombada, mas tinha gostado e tinha gozado varias vezes tambem.
Passava ja uns 15 dias disso tudo, eu ja estava no cio de novo. Num sabado, fui ate a escola pra ver um torneio de futebol. Tinha muita gente, eu comecei a procurar alguem conhecido, achei minha turminha, e entre uma procuradinha e outra, flertei um garoto, Rodrigo, uns 17 18 anos., Moreno, forte, pela idade, tinha umas coxas grossas. Me dei a ele em olhar e logo ele veio chegando perto e puxou conversa. De perto ele era mais gostoso ainda., Me abri todinha pra ele, e entre um papo e outro olhava no volume das suas calças, ele percebeu., ficou quieto, e aos poucos fomos nos afastando do grupo. Subimos correndo ate a ultima sala de aula no ultimo andar (terceiro. Ele me abraçou na sala, me beijou, fez eu me ajoelhar e tirou o monstro pra fora, gente aquilo era um pinto de verdade, grande, grosso, na hora fiquei ate com receio. Pus o que deu na boca, ele quase me afogou quando gozou, e me fez engolir tudo. Confesso nao gostava muito disso. Depois de 2 minutos seu pau ja em prontidao, me sentou sobre uma carteira, tirou minha calcinha, deu uma boa chupada nela antes e atolou seu pau, todinho, cm po cm., dentro dauqela coitadinha. E gozou depois de 5 minutos e depois de eu ter gozado mais 2 vezes. Ele queria comer minha bundinha, mas ali eu nao deixei, marquei com ele e a noite eu fui ate a casa dele, entrei pelos fundos, ele morava perto de mim., e na casinha da empregada dei a ele o resto das preguinhas que tinha no meu cuzinho. E ai dessa vez me senti mulher e totalmente preenchida por um homem. De pois vieram, mais namorados e adultos, fodi com amigos do meu pai, homens mais velhos, adoro homens mais velhos, e fodi ate a pouco tempo atras, ate que tive que fazer uma cirurgia e parei um pouco. Mas gozar ainda e o melhor remedio para stress e coraçao, com toda a certeza.

2.  FUDIDA PELA FíSICA

Bem, estou aqui pra contar um lance que ocorreu de verdade comigo. Sou morena,15 anos, 1,60, 60k (sou gostosinha), olhos negros e brilhantes, cabelos encaracolados,pernas roliças e coxas tentadoras, boquinha carnuda, rostinho de menina sapeca(uma ninfetinha!). Tudo aconteceu no mês de agosto. Sempre fui péssima em Física e procurando recuperar as minhas notas, minha mãe contratou um professor particular para me dar uma aulinhas de reforço. No início achei um saco perder minhas tardes de quinta e sexta tendo aulas mas logo eu descobri como poderia ser divertido. O meu professor se chamava Carlos e era muito gostoso,logo nos tornamos grandes amigos, ele tinha 29 anos , fazia faculdade e era super bem casado com um morenão de dar inveja, era moreno, 1,75,corpinho trabalhado, muito lindo!!. As aulas aconteciam na casa dele pois ele tinha outros alunos.Tudo corria as mil maravilhas até que numa dessas sextas feiras de aula, recebi a notícia que havia passado na un idade de Física e super feliz fui correndo para a casa de Carlos, contar a novidade.Bati na porta mas ninguém atendeu, até que comecei a ouvir uns gemidos de dentro da casa e percebi que ele estava transando com a mulher, Glória, fiquei excitada ao ouvir aquilo pois imaginava como seria gostoso se tivesse na cama com aquele homem.Resolvi esperar e depois de meia hora, tornei a bater na porta.Ele me recebeu meio sem graça pois estava só com um shortinho folgado sem cueca ( que eu logo percebi!), me deu um boa tarde que foi logo interrompido com adeus de Glória que ia trabalhar. Ele me ofereceu um copo de suco e me pediu pra que eu sentasse.Eu estava com um shortinho de helanca branco, uma blusinha coladinha tipo moda praia. Ñ demorou muito ele voltou da cozinha com um olhar diferente e me disse que eu estava linda naquela dia e aproveitando a deixa contei a novidade, que imediatamente foi seguida de um abraço forte e apertado, onde senti o cheiro de macho daquele corpo desejado.Ele co ntinuou abraçado comigo e acariciou de leve meu bumbum e pressionando meu corpo contra seu pau, que senti esta durinho. Tentei me afastar mais ele era mais forte.Carlos beijou minha boca, de um jeito que nunca havia sido beijada, me deixando encharcada de tesão e me levandoa à loucura, e me disse ao ouvido que a muito tempo me desejava e que me queria em seus braços.Fiquei desnorteada.Carlos começou a acariciar minha bunda, costas, pernas e me encostou na parede,gemendo ao meu ouvido , dizendo que eu iria aprender a melhor coisa da minha vida.Eu ñ aguentava mais de tesão, e o acariciava tb.Ele levantou minha blusa e passou a chupar meus seios com muita disposição deixando-os petrificados.Ai, como era gostoso ter aquele homem me chupando toda!!Ñ demorou muito e segurei a pica dele com vontade, fazendo muitos carinhos, principalmente na cabecinha,cuja reação foi um aperto ainda maior, e o rasgo do meu short.Tirei o short dele e me espantei quando vi aquela rolona na minha frente.Ele m e colocou em cima da mesa de centro da sala , arrancou minha calcinha e abriu minhas pernas, começando a chupar minha bucetinha com voracidade, parando algumas vezes para melar a mão com o liquido do seu penis e passar na minha grutinha, voltando a chupar com mais intensidade.Fui ao delirio com aquele chupão, no grelinho e gozei, gritando feito uma vaca no cio!Ele então me obrigou a bater um boquete nele, fazendo eu chupar sua manjuba freneticamente(o que eu adorei fazer)durante uns 3 minutos, forçando minha cabeça entre suas pernas, me fazendo perder ate o folego.Ele gozou na minha boca me fazendo engolir sua porra, contra a minha vontade.Depois me disse que havia transando com a mulher dele a poucos minutos pensando que estava me comendo, e eu numa atitude inesperada gemi em seu ouvido: Então me fode bem gostoso, arromba minha xoxota, enfia esse cassete, que eu quero sair daqui bem trepada, picudo! Carlos ficou louquinho, me beijou novamente e me atirou no sofá, abrindo minh as pernas e enfiando um dedinho , massageando a entrada daquele picona, depois deu umas pinceladas com a rola na entrada da xoxota e passou a forcar a penetraçào.Começou a enfiar devagar, mais quando disse que ñ estava doendo, ele prontamente enfiou com toda força e iniciou um vai-e-vem rápido e delicioso, urrando de prazer e apertando meus seios em suas mãos tão agéis.Ele me fudeu uns 10 minutos, até que gozou dentro da minha vagina, junto comigo e dizendo: Ai que buceta boa meu deus, que trepada,isso puta, arregaça essa desgraça pro meu caralho entrar, safada, geme puta, me da essa buceta, aiaiaiaiai!!! Eu me excitava ainda mais com aquelas palavras...Ficamos juntos, descansando durante um tempo, ate que o pau dele ficou duro de novo.Ele me levantou e me levou pra cozinha, onde pegou a manteiga na geladeira e passou no meu cuzinho, ainda virgem, mais sedento de pica,me deu um machucador de temperos e me fez apoiar na pia.Ele ordenou que eu enfiasse o machucador na minha xoxot a, enquanto ele ia comer meu rabo.Eu obedeci.Doeu um pouco mais foi uma sensação muito deliciosa, ser penetrada pelos dois buracos.Carlos , literalmente gritava, urrava, gemia de prazer atrás de mim, me deixando mais excitada ainda,me xingava de puta, cadela, galinha, bucetuda, e me comia alucinadamente.Ai que trepada!!!Depois de gozar, ja rouca, desfaleci na pia e fui arcodada com um carinhoso beijo do homem que fez sentir a mulher mais feliz do mundo naquele dia.Estava doendo e sangrando, mais estava realizada.Carlos vestiu-se e me vestiu tb, a casa exalava sexo, era tudo mundo erótico.Ele me levou até a porta , me deu outro beijo, revitalizante e me disse: Você fode mais que minha mulher.Essa foi a melhor trepada da minha vida.Quero comer sua buceta todo dia e te ensinar mil coisas novas, minha ninfetinha tesuda. Fui ao delirio com essa afirmação e fui embora, sabendo como era bom estudar Física e como ela seria importante na minha vida. Depois desse dia, Carlos e eu sempre arranjos um jeito de dar uma fodida gostosa como a daquela sexta, e já chegamos a trepar no banheiro da casa dele com a mulher dele na cozinha!! Espero que gostem do meu conto e que experimentem essa sensação de ser bem fudida e descabaçada.Valeu!! Se quiserem teclar comigo, meu e-mail é: putinhaninfeta@zipmail.com.br

3.

AMIGO DO MEU PAI


Eu tinha 15 anos quando aconteceu.
estava em depressão,meus pais brigando, daí fui com um amigo da familia de muitos anos para uma casa de veraneio que temos. Como Marcos me viu crescer, sempre frequentou nossa casa, ninguém tinha visto nenhum problema de irmos sozinhos.
Ele com 36 anos.
ja no terceiro dia, de tarde, senti uma curiosidade enorme por ver o corpo dele, e quando tomava banho, olhei pela fechadura. via o sabão escorrendo ate chegar no penis dele...senti uma vontade incontrolável de pegar.
À noite, eu não suportava mais de tesão. Vesti uma camisola bem curtinha que tinha, com uma calcinha branca por baixo. Deitei de bruços no sofá, e deixei o cinzeiro cair no chão da sala. Tinha apenas como iluminação a luz de fora da casa. Quando ele veio assustado ver, se deparou comigo naquele estado. eu fingindo dormir, pude escutar a respiração ofegante dele, que aos poucos ia se aproximando. Eu com os olhos entre abertos e cabe los cobrindo o rosto, me valhi da pouca luz e fui percebendo que ele lutava contra o tesão. Mas eu queimadinha de praia, cheirosinha e virgem; era demais pra um simples mortal.
Ele aproximou o rosto da minha bunda, o que me deu pavor, senti ele respirar e roçar o nariz na minha xotinha. Estava bem empinada.
Eu "dormindo" fui permitindo. Ele bem de leve passava a mão nas minha coxas até que seu dedo roçou de leve bem na calcinha, fazendo massagens circulares. Eu não aguentei de medo e fingi estar quase acordando, esperando que com isso, ele fosse parar. Que nada! Quando me virei de barriga pra cima, minha camisola desceu e um de meus seios ficou visivel. tenho os seios pequenos e de biquinhos rosadinhos. Eu senti tanta vergonha que olhava pra ele quase que confessando ter deixado propositalmente que ele me tocasse até ali. Ele me pegou no colo, e me levou pra cama. Eu não dizia uma palavra, ele tirou a roupa, disse ter percebido que eu olhava pela fechadura enquanto ele tom ava banho. Ficou nu, seu penis estava duro, tinha bastante pelos por todo o corpo. Deitou-se ao meu lado na cama e me beijou na boca. eu mordia sua lingua, batia meus dentes com o dele, nunca tinha beijado na boca.
Senti tanto medo que ficava imovel na cama, deixando ele continuar; às vezes saia um "para" bem fraquinho e timido que logo era calado com o riso dele e a lambida que dava no meu rosto. Tirou minha calcinha e logo em seguida botou a cabeça entre minhas pernas. Eu comecei a fechar as pernas mas suas mãos as separaram e ele enfiou a lingua na minha xotinha de modo que eu me contorcia em desespero.A lingua dele ia entrando ate que de repente, ele me mandou parar, estava bravo. Disse que se eu não quisesse não teria provocado tanto.
Ele se deitou sobre meu corpo, era pesado pra mim, minhas pernas ate doiam por estarem mais separadas do que eu suportava. Ele enfiou um dos dedos na minha vagina, depois lambeu. Segurou meus pulsos com uma so mão e a outra foi guiando a cabecinha do penis dele ate entrar na minha xotinha. Eu dos gemidos passei pro choro. Que dor insuportável! Foi um sofrimento sentir o penis dele me rasgando. Ele começou bem devagar, dizendo coisas taradas em meu ouvido. Eu so chorava, mas ele sabia que eu queria passar por aquilo. Ele forçou até enfiar tudo, senti o saco dele encostar na minha bundinha. Ele gemia muito, chegou uma hora em que seu gemidos aumentaram e ele foi parando... a dor era tanta que nem senti que gozava dentro de mim.
Ele tirou o penis e eu sangrava. meu choro estava cada vez mais intenso. Ele foi me acariciando os cabelos, voltando a ser o homem doce que era. Sentou-se na cama... me fez deitar a cabeça em seu colo, e quando eu pensei ter acabado, com uma queimação insuportavel entre as pernas, ele enfiou o penis na minha boca. Que gosto horrivel! Mas me fez ir chupando, me chamava de cadelinha.
"_ Vai, chupa minha cadelinha. Limpa aqui o pau do seu homem"
Assim fiquei até sentir um jato gro sso na minha boca, quente, sendo obrigada a engolir tudo e escutar ele quase hurrando na cama, aquilo latejando na minha boca.
Confesso que na primeira noite foi horrivel, mas no dia seguinte, quando acordei do lado dele, senti vontade de passar por tudo outra vez.

4

perdi a virgindade com um pedreiro

Olá, meu nome é Amanda, hoje eu estou com 19 anos, tenho cabelo castanho claro, olhos verdes, pele queimadinha do sol com marquinha do bikini, seios médios, durinhos, e uma bunda muito gostosa. Malho já há algum tempo por isso tenho um corpo legal. Adoro sexo e descobri isso quando tinha 12 aninhos.

Eu era virgem até então, mas já havia beijado muitos garotos porém nada de sexo. Até que um dia acordei com uma vontade tremenda de transar. Minha aula iria começar daki uma hora. Aproveitei pra ir ao quarto de minha irmãzinha e coloquei uma sainha dela que era bem curtinha, e que mal cobria a minha deliciosa bundinha. Vesti uma camiseta justa sem sutiã, e assim fui para a escola. Na rua já comecei a notar alguns olhares masculinos "gulosos" para cima de mim e isso foi me deixando cada vez mais exitada. Como era de manha não havia muitas pessoas nas ruas que passei, estava há uns 15 minutos da escola, quando passei em frente a uma construção. Ouvi um assobio e uma voz forte dizendo:-Mas que princesinha mais gostosinha.

Olhei pra construção em busca de quem tinha dito isso. Era um negro forte de uns 40 anos. Parei, e com uma cara bem safadinha e para ele disse: - Gostou é?

Então respondeu:-Adoraria te comer todinha.

Eu disse:- então serei toda sua. faça bom proveito.

Entrei na construção, e ele me leveu ao andar de cima. Só tinha ele lá. Me disse que o resto do pessoal chegava só mais tarde. Eu perguntei se ele queria esperar, e ele me disse que não gostaria de me dividir por enquanto com mais ninguem.

Nisso ele abaixo as calças e pos para fora uma enorme pica, com mais de 20 cm e grossa. Fiquei espantada com o tamanho, mas não quis saber, cai de boca comecei a chupar akela rola enorme. Centímetro por centímeto, passava a lingua, batia punheta e chupava com gosto. Olhava pra cara dele enquanto lambia e acabei deixando-a toda melada. Ele passava a sua mão áspera no meu rosto e cabelo. Depois de uns 10 minutos chupando aquela delicia, ele me disse:- agora ta na hora de fuder.

Nessa hora eu tremi, pensei em desistir mas ele já foi tirando a minha calcinha, que estava toda molhadinha. Sem tirar a sainha, tirou a calcinha e a camiseta e me colocou de quatro, eu disse que era virgem e que era pra ir devagar. Ele me deu um tapa na minha bundinha e riu. Disse que eu tinha sorte de transar pela primeira vez com um caralho de verdade.

Botou a cabecinha na minha bucetinha virgem e foi tentando efiar. Era muito apertada e não estava indo. Aí de uma vez ele meteu a rola toda na xaninha e eu dei um berro de dor. Com isso ele comeceu o vai e vem. Cada vez mais forte, enfiando tudo e tirando depois. Eu gemia alto, aquele negro estava me dando muito prazer, era bom demais. Passava a mão na minha bunda, me dava tapas, e me chamava patricinha vadia. Passava as suas mãos pelos meus peitinhos. Eu rebolava gostoso pra ele. Sentia suas bolas encostarem em mim e sua barriga bater firme na minha bunda. Disse pra comer a putinha q ele tinha desvirgindado. Ele riu e depois de me fuder gostoso de quatro, tirou a pica enorme e me deu pra chupar de novo gozando na minha cara. Lambi toda aquela porra e dei uns beijinhos em seu grande mastro.

Com a bucetinha toda dolorida, ele mandou me vestir, pois dali a pouco iria começar a vir gente e talvez seu patrão tb viria aquela hora, e poderia dar problema. Mas disse que se eu quisesse voltar era só aparecer naquele mesmo horario para fazermos novas posições. Me despedi e disse quem sabe outro dia eu volte. E fui pra minha aula.


5

Professor sodomizando a ninfetinha

Elisa se contorcia toda, sentindo aquela coluna de carne ardente, deslizando lentamente pra cima e pra baixo, sem sair de dentro de seu cuzinho aveludado!! O desconforto inicial de sentir seu anus se expandindo e engulindo aquela torona até ficar totalmente preenchida por ela, estava acabando, e agora lentamente Elisa começava a rebolar ao comando que Bruno, seu professor quarentão!! Bruno sussurrava em seu ouvidinho como era gostoso sentir sua rola ser enluvada pelo tubinho anal dela!! Bruno pára de empurrar seu imenso cacete pra dentro do cuzinho de Elisa e lhe pede pra que ela faça o movimento de vai-e-vem!!Elisa delira com aquelas ordens em seu ouvido ao mesmo tempo que treme toda quando Bruno, depois de beijar-lhe a nuca, crava docemente seus dentes na curva do pescoço com o ombro de Elisa!!Em extase ela ainda lhe pede que morda com mais força e ao ser atendida automaticamente aperta seu anelzinho anal ao redor da pica de Bruno!! Ele começa a ter os prim eiros espasmos do gozo que está pra vir. Elisa tem um dos braços jogado para trás com a mãozinha enfiada por entre os cabelos grisalhos de Bruno enquanto a outra mãozinha dedilha sofregadamente a xaninha miúda de lábios cor de rosa!! Agora Elisa domina toda operação. A femea que dando o rabo, domina seu macho com movimentos sincopados da respiração dele. Ou seja: Elisa sente a rola de Bruno desesperadamente procurar total aconchego em seu cuzinho, e então ela quase pára os movimentos, lentamente rebola, aperta o esfínceter em redor do penis e suavemente vai deixando quase toda rolona sair de sua boquinha anal!! Bruno agora se contorce de prazer ao mesmo tempo que se descontrola e quer porque quer, seu pauzão, seu ser, todinho abrigado internamente no anus de Elisa!! Ela torce o máximo que pode sua cabeça, procurando com a boca a língua de Bruno. Ele corresponde ao beijo deixando-a, de ínico engolir e depois, vorazmente, lhe chupar o máximo daquele músculo pra dentro de sua boquinh a faminta enquanto em sintonia, Elisa conscientemente, vai engolindo com o cuzinho, toda a extensão da torona de Bruno, até suas belas e carnudas nádegas encostarem em sua virilha!! Então Bruno explode com toda sua exuberancia de quarentão machudo, dando seguidas estocadas no macio, mas firme, trazeiro de Elisa, impondo agora toda a sua força masculina, imobilizando-a, apertando-lhe as coxas, os seios, a barriguinha, fazendo dupla com a mãozinha dela na xoxotinha e por fim lhe puxando os cabelos e dando grandes urros!! Elisa está fora de sí. Ela não sabe descrever as sensações que lhe percorrem o corpo todo nem as respostas que seu anus e sua xaninha dão ao enchimento que a rolona de Bruno lhe faz!! Elisa agora deixa de ser a dominadora pra se tornar a femea faminta de gozo, de extase físico, espiritual, forte viril, enfim: satisfação puramente bestial em todo sentido da palavra!! E ela está tendo agora com aquele imenso homem peludo que lhe aperta tanto por trás que chega a l he faltar respiração!! E parece que a apinéia detona seu gozo como um chafariz de um belo jardim!! Elisa desmaia.Elisa é a cópia fiel da atriz Isabel Filardis, porém com mais bunda. É uma deusa em perfeição física e exoticamente, por ser mulata, Elisa tem as gengivas, a língua, os lábios, os imensos mamilos, a xaninha e o lindo cuzinho de um rosa, pode-se dizer, hipnotesante!! Sua beleza natural já é estonteante, imaginem o que Bruno sentiu, quando além de sua beleza ele descobriu esses tesouros rosadinhos!! Elisa, um encanto de pessoa,havia recentemente ingressado na faculdade e dava aula para crianças na comunidade onde morava com os pais, ferverosos evangélicos, assim como o noivo, um jovem pastor do conglomerado de igrejas que seu pai era líder. Elisa estava com dezessete aninhos e seu noivo nove anos mais velho. O noivado deles tinha sido celebrado naquela tarde com toda a pompa de um casamento e seis horas depois Elisa estava sendo sodomizada por Bruno!! Com quase 45 anos , Bruno era professor universitário e fazia parte de um grupo que adotava os menos favorecidos de uma comunidade, possibilitando a igualdade de classes. Ele tinha se tornado o tutor academico de Elisa e de mais alguns, desde quando ela tinha quinze aninhos. Enfim, Bruno era um amigão, mais acima de tudo um pai, mas um exigente educador. Elisa sentia-se maravilhada por ter aquele seu herói, como seu pai espiritual!! Todos sabemos o efeito de pessoas mais velhas, quando são simpáticos e comprensivos com os jovens, o quê que acontece, portanto não precisarei descrever tudo o que Elisa sentia por Bruno que veio a culminar com ela passar a ser sua femea anal!! Três meses antes, Elisa procurou Bruno em seu escritório pra discutir sobre um trabalho o qual ela era chefe do grupo. Bruno estava atendendo outros alunos e como Elisa já frequentava a casa de seu filho, como baby-sitter aos sábados, Bruno e Elisa se entederam para eles se encontrarem na casa de sua nora, Cátia. Por aqueles maravi lhosos acidentes em nossas vidas, nem Cátia nem seu filho estavam lá. Seu filho estava trabalhando e Cátia tinha levado a filhinha, Kelly de dois aninhos, para uma festinha. Resumindo, toda a emoção e tezão acumulados há dois anos, explodiu com o leve esbarrão que Elisa deu em Bruno ao abrir a porta da geladeira!! Bruno se recriminava enquanto ovalava os cheios e rosados lábios de Elisa ensinando-lhe a beijar!! Elisa em pouco tempo se adaptou as técnicas libidinosas do amor!! Ela própria lhe pedia que lhe ensinasse, que lhe mostrasse mais e mais!! Bruno achava que era muito arriscado por estarem alí na casa de seu filho e nora!! Achava também que estava passando dos limites com aquela virgem e estonteante ninfeta!! Nisso, a estonteante ninfeta abre a blusa, arriando o sutian, e exibe aqueles bojudos seios de cor achocolatado com os imensos mamilos escalartemente rosados!! Bruno saboreava aquele mixto de chocolate com morango desejando ter duas bocas ou mais!! Aí ele pensou:"se eu t ivesse mais uma boca, esta estaria agora na xotinha de Elisa!!" Bom, ele teve que se contetar com a unica boca que tinha, portanto desceu ao poço dos prazeres!!Bruno perdeu a respiração por instantes quando viu os grande lábios rosados naquela xotinha semi-depilada!! Antes de deflorá-la com a língua, Bruno ainda teve consciencia de querer saber como seria o cuzinho da sua aluninha preferida!!Ajoelhando na beira do sofá, Bruno a virou de bruços. As carnes da bunda de Elisa deram um leve tremor enquanto ela se virava, deliciando Bruno com aquela explendida visão e já adivinhando que aquela bunda já era sua!! Não houve surpresa, mas o contentamento de se esperar o belo!! Lá estava o solzinho!!Na extremidade perto das preguinhas, a pele se tornava mais clara até ficar totalmente rosa por toda volta do cuzinho. E num gesto de amável brutalidade, Bruno afastou o mais que podia as duas bandas da estupenda bunda de Elisa, até o anelzinho se expandir, mostrando mais rosa lá pra dentro!! O r osto de Elisa por um tempo se contorceu de dor com aquele afastamento de suas nádegas e o breve expandimento de seu anus e reflexivamente ela o contraiu!! Bruno delirou com aquilo e pediu que ela fizesse de novo no que foi logo atendido, repetido e repetido!! Bruno se embasbacava todo, enquanto Elisa olhando-o por cima dos ombros sorria marotamente, contraindo e descontraindo seu rosado anelzinho anal!! Bruno então prestou sua mais ardente homenagem ao cuzinho de Elisa. Beijou-o e chupou-o feito louco desvairado, sossegando quando sentiu que parte da ponta de sua língua coçava as paredes internas do anus de Elisa, que no momento estava urrando quase histericamente!! Mas não foi nesse dia que ela foi possuída analmente. Bruno proviu dois orgasmos em Elisa, que foram os primeiros na vida dela feitos por uma boca masculina!! Após um breve descanso, Elisa ardente como era queria que Bruno lhe mostrasse mais de sexo. Ele já estava se masturbando a algum tempo, mas Elisa não tinha notado até aquele momento. Assim que Bruno escutou Elisa pedindo por mais, ele sem esperar ela se levantar, subiu pelo corpo moreno daquela admirável adolescente, e equilibrando-se com os joelhos dobrados pelos lados do torso de Elisa, de forma que parecia que ele estava sentado no busto dela, ele posicionou sua grossa vergona entre os esplendidos seios daquela deusa morena e ordenou que ela apertasse ambos seios em volta de sua pulsante virilidade!! Elisa por um instante assustou-se com os movimentos de bruno vindo pra cima dela, mas logo compreendeu o espírito da coisa, e agora a vemos sorrindo sensualmente e olhando fixamente o viril rosto de bruno, passando a linguinha pelos carnudos lábios, enquanto segurando os imensos seios pelos lados, massageia toda a extensão da pica de seu amado!! Bruno não precisou mais de um minuto pra sentir o esperma explodindo em direção a cabeçorra e sadicamente, mas com ternura, ele leva seu corpo mais pra frente e ante ao olhar surpreso de Elisa, ele empurra a imensa glande arroxeada em direção aos lábios dela!! Elisa, num átimo, logo entende o que Bruno quer, ovala os superbos lábios em volta da glande, chupando-a como um sorvete!! Bruno quer mais, pegando sua rolona pela base, ele a suavemente força mais para dentro da boquinha de Elisa ao mesmo tempo que a natureza o impede de se segurar mais, enviando jatos e jatos de abrasantes espermas para o interior da boca e da garganta de Elisa, que sem saber da torrente imensa de semen que Bruno lhe fazia engolir se sente sufocada e por fim engasga!! Bruno arrepende-se de sua brutalidade e enquanto urra de prazer pede que ela lhe perdoe e retira seu pauzão da boquinha de Elisa, que agora derrama algumas lágrimas!! Pra surpresa de Bruno, Elisa se recupera rapidamente do susto e do sufocamento e enquanto jatos de esperma ainda explodem de sua pica, Elisa ajeita novamente a rola de Bruno entre seus maravilhosos seios e deixa aquele experiente homem quarentaõ se desmanchar em gozo entre s eus seios!!


6