sábado, 26 de março de 2011

Diversos Contos

06[1]

Edícula do Prazer
By: ::Dani::

Em uma edícula de dois andares com lavanderia e cozinha na parte de baixo e dois quartos e um banheiro na parte de cima, eu morava sozinha e fazia altas travessuras sexuais com meu namorado na época. Hoje é meu marido. Aos domingos a tarde sempre saíamos de casa, mas não nesse domingo que vou contar pra vocês. Resolvemos ficar em casa para nos curtir mais, fizemos um churrasquinho com algumas bebidas, só nos dois na casa. Bebíamos e dávamos muitas risadas quando que nos esquentou o corpo e a vontade de transar, então resolvemos ficar ali mesmo perto da churrasqueira que ficava na avaranda. Estávamos nos beijando, nos acariciando e a bebida nos tornando mais vulneráveis ao sexo e ficamos nus, estávamos somente nas preliminares, ele me tocando e roçando a minha buceta e eu fazendo uma deliciosa chupeta pra ele. Meus seios eram sugados e estavam com os bicos durinhos de tesão, a língua os roçavam e isso me deixava louca. Comecei a brincar de fugir dele engatinhando pela avaranda, e ele a me seguir também engatinhando atrás de mim, mas mordiscando minha bunda, lambendo minha xana e meu cuzinho, eu já estava com as pernas bambas e não conseguia mais fugir engatinhando. Deixei que me pegasse por trás, fiquei de quatro e ele me enrabando gostoso, enfiou seu cacete duro e quente na minha buceta num movimento tão picante de vai e vem que me senti uma cadela no cio. Ele me pediu pra dar o cuzinho também e eu não iria negar, mas fiz um docinho dizendo que ele teria que me pegar novamente, então me levantei e fui em direção a escada que dava para o segundo andar da casa, onde tinha cama e banheiro. Para subir as escadas me agachei e fui subindo de quatro rebolando minha bunda para provocá-lo ainda mais, empinando meu rabo pra ele ver meu cuzinho todo. Subindo de degrau em degrau dessa forma, ele estava ficando louco atrás, vendo tudo e me provocando com a língua, os dedos que não paravam de entrar na minha buceta e no cú, um cãozinho tarado podia se dizer, louco para fuder ainda mais. Ao fim dos degraus eu me sentei de pernas abertas e pedi um pouco mais de foda na minha xana que estava toda molhada e piscando, querendo vara, então ele me fodeu ali de novo, nossos corpos estavam suados e quentes mas não parávamos de meter, ele pedia insaciavelmente pelo meu cuzinho e eu adiando, pedi que ficasse de pé na minha frente enquanto eu ajoelhada fazia uma chupeta pra ele. O pau dele estava com o gosto da minha buceta, então chupei mais e mais até ficar só o gosto gostoso do pau dele. Ele estava quase gozando quando parei de chupar e decidi então dar o cú pra ele, fomos até a cama e me deitei de barriga pra baixo deixando minhas pernas abertas e bunda empinada pra ele fazer o que quisesse. Ele chupou e passou a língua no meu cuzinho para molhar um pouco e se pós em cima de mim me enrabando. Estocava tanto seu cacete no meu cú que quase não agüentei, gozou feito louco dentro do meu cú e ainda sobrou pra esporriar em minhas costas. Ficamos um pouco nos acariciando e fomos tomar um banho, afinal estava quente demais e estávamos com muita fome e tinha um churrasco nos esperando.  

*

A NOITE EM QUE RESOLVI DAR, E DEI !!!
By: AmorTotal69 

Vocês já me conhecem de outros contos, já faz um tempo que não conto nada, mas agora eu voltei. Hoje vou contar uma noite inesquecível que tive em uma boate para casais em Curitiba. A Boate estava lotada, meu marido e eu nos acomodamos em uma mesa, já tinha todo um clima de tesão. Sexo já rolava em alguns cantos da boate. Quando os strippers entraram em cena, um deles veio até a mim e me tirou para dançar, claro que fui com muito gosto, foi uma loucura, durante a dança ele foi tirando toda minha roupa, as mãos dele iam passeando pelo meu corpo, até que fiquei totalmente sem roupa no meio da pista, meu marido vendo tudo, Ricardo , que é o nome do stripper foi além, suas mãos foram ao encontro da minha bucetinha que estava esperando ansiosa e molhada por alguma atenção, e ela teve, Ricardo enfiava seus dedos com muita vontade em minha buceta... nossa, uma loucura, eu, no meio da pista, com um monte de pessoas me assistindo, nua e com minha bucetinha sendo explorada, mal sabia eu que isso era só o começo. Depois do meu amasso com Ricardo, dei um beijo apaixonado em meu marido e coloquei minha mão em seu cacete que estava duro devido ao show que ele havia assistido de camarote, e pelo jeito havia gostado. Resolvemos então ir a um lugar mais reservado, porém não muito, pois onde quer que você vá sempre tem platéia. Era uma sala só para amassos, fui com a mão do meu marido na bunda até chegar lá, me virei e já fui abrindo a calça dele, e claro dei de cara com um cacete fenomenal, delicioso, chupei muito gostoso, ele sentou em um tipo de sofá que tinha lá, e eu fiquei chupando meu marido com a bunda para cima, havia algumas pessoas em volta, mas quem me chamou a atenção foi um casal, sendo ele um negro delicioso, fiquei ainda com mais tesão só de imaginar que meu sonho de consumo poderia se realizar ali, naquele instante, comecei a rebolar para ver se havia alguma reação, claro que tive, pois minha bunda é muito convidativa, senti a mão do meu deus de ébano vindo a minha procura, ele começou a me bulinar timidamente, empinei ainda mais a bunda para demonstrar minha aprovação, claro que assim ele tornou-se mais atrevido e logo achou o caminho da minha bucetinha e enquanto isso eu não parava de chupar meu marido, as caricias foram ficando mais ousadas, falei no ouvido de meu marido que iria finalmente dar para um negro gostoso e ele me falou para ir fundo, ouvindo isso, me virei para o cara, que nem sei o nome, ele já estava com aquele cacete ENORME para fora, que delícia, mau cabia na minha delicada boca, era muito grande, chupei com muita vontade, estava muito gostoso, ele falava que eu tinha uma boquinha gulosa, nem respondia por estar muito ocupada, enquanto eu chupava o negão, tentava fazer com que meu marido visse minha boca tentando engolir tudo aquilo, e eu só pensava em como seria receber tudo aquilo na minha bucetinha, ofereci uma camisinha para aquele homem, ingenuidade a minha achar que uma camisinha normal iria caber, ele me disse que tinha a dele, virei pro meu marido e comentei com muito mais tesão ainda sobre o tamanho do cacete que eu ia levar, me virei e empinei minha bunda para o negão, que abriu com delicadeza para direcionar seu cacete em mim, minha ansiedade era grande, eu chupava meu marido esperando tudo aquilo dentro de mim, até que fui sentindo, ai, que delícia, nem imaginava como é gostoso receber um cacete enorme na buceta, entrou com uma certa dificuldade e eu nem pensava em desistir, agora que estava ali, iria até o fim, e fui. Aquele cacete foi arregaçando minha bucetinha, quando estava todo lá dentro, ele começou aquele movimento de entra e sai, a princípio devagar, e aos poucos foi acelerando o ritmo, até meter com muito força, que sensação maravilhosa, minha buceta toda preenchida por um cacete enorme, eu chupava meu marido e de vez em quando fazia questão de falar no ouvido dele que eu estava com uma rola enfiada na buceta e o beijava muito, até que o negão gozou em mim, e eu percebendo que vinha vindo um gozo, gozei junto com ele e ainda por cima recebendo porra de meu marido na boca, foi muito bom sentir um cacete explodindo dentro de mim e outro na boca. Ele se despediu e foi embora, meu marido e eu continuamos ali, por incrível que pareça, eu ainda queria mais. Continuamos nos curtindo, foi quando apareceu um casal junto com um cara, eles estavam trocando algumas intimidades, a mulher não parecia muito a vontade, então eles se aproximaram da gente, eu estava de novo chupando meu marido, quando senti as mãos do dois caras na minha bunda, claro que empinei e dei uma reboladinha, o marido ficava falando para a esposa : olha como ela é gostosa, ela começou a passar a mão em mim, com um pouco de receio e meio sem intimidade, me virei os dois tiraram os cacetes da calça, peguei o do marido na mão e o do cara na boca, o marido foi enlouquecendo, queira que sua esposa participasse, mas ela parecia não querer muito, e eu, para deixa-los mais felizes passei minha mão no corpo dela, ela pareceu gostar mas demonstrou que queria ficar só vendo, então decidi me dedicar aos dois cacetes, chupando os dois ao mesmo tempo, ora chupando um e ora chupando outro enquanto estava sentada com o cacete do meu marido dentro de mim, depois de chupar bastante os dois cacetes, me virei e chupei meu marido, foi quando o cara que estava com o casal começou a meter em mim e o marido que estava sendo punhetado pela esposa nas minhas costas, pois estava de quatro, com um cacete na boca e outro na buceta, olhei pro meu marido e falei: estou com outro cacete na buceta, amor, ele ficou mais louco ainda e me respondeu: então dá sua buceta, gostosa. Estava uma loucura, o cara ficava narrando para esposa tudo que eu estava fazendo e comentava sempre que eu era muito gostosa. Foi nesse clima que comecei a gozar, seguida pelo cara que estava metendo em mim, e de quebra levei um gozada nas costas. Os dois caras parabenizaram meu marido pela esposa que tinha e foram embora, eu ainda queria mais, então subi e cavalguei alucinadamente no cacete do meu marido, onde gozamos gostoso. Ficamos mais um pouco e resolvemos ir embora. No caminho de casa, estávamos relembrando a noite louca que tivemos o clima foi esquentando de novo e resolvemos dar uma paradinha na estrada, meu marido deu a volta no carro abriu a minha porta, ficando de quatro, coloquei a bunda para fora e ele me comeu ali mesmo. Aquilo foi só para coroar a noite que tinha sido alucinantemente gostosa.

*

Safada Mandona
By: Lan

Diariamente pego metrô no mesmo horário, a muito tempo vinha paquerando aquela menina, com olhos de mulher, e cara de anjinho rebelde. Ela tinha olhos graúdos e marcantes, que quando ela queria , fazia com que os tornassem indiscutivelmente hipinotizantes.. Na manhã da quinta feira, depois de troca de olhares por mais de cinco estações, tirei meu cartão da bolsa e dei pra ela. Nele continha meu email, meu celular e meu msn, era só ela querer, que tinha todos meus contatos. Qdo cheguei no escritorio, abri meu msn e logo vi, que uma tal de Lary queria me adicionar.. Lary era a garota do metrô, aquela menina linda, de pele clara, seios volumosos, olhos marcantes e cabelos cheirosos e sedutores tbm. Começamos então a conversar, eu nem acreditava, pq ela é linda demais, maravilhosamente uma beldade. Marcamos de tomar algo e conversarmos mais tranqüilas apos o expediente. Marquei no Vale, uma grande praça que tem aqui no centro da cidade, comprei duas garrafas de vinho e me dirigi até lá. Nos cumprimentamos, o ambiente era uma delicia, grama, arvores, grandes prédios ao nosso redor, ar puro, poucos transeuntes, lua cheia e ceu azul. Muitos goles foram tomados, e muitas conversas tbm rolaram, até que aquele olhar me enfeitiçou como sempre acontecia no metrô, e eu sem nem pensar fui beijar aquela boca delineada e macia. Mas ela nao deixou! Perguntou se eu achava que era ela facinho daquele jeito...perguntou se eu pensava que ela era qualquer uma. E rapidamente levantou-se meio que com raiva, e disse para irmos embora, eu meio que envergonhada e frustrada levantei e pedi desculpas somente. Ainda nem tínhamos tomado a segunda garrafa de vinho, mas eu ainda tava meio alta, mas nao queria ir embora, mas nao tinha o que fazer, ela nao queria, eu nao ia forçar. Comecei a me arrepender deste encontro. Mas no caminho de volta, em direção ao metrô, ela grudou no meu braço e entrou em um motel..sem dizer nada.. Pediu meu RG e deu juntamente com o dela ao recepcionista, pagou o período e sem nem um pio, ela praticamente me arrastou pelas escadas pra subirmos rapidamente. Abriu a porta do quarto, meu jogou na cama com força e perguntou se eu tava mesmo certa que queria aquilo.. Eu com ar de soldado em guerra afirmei categoricamente que QUERIA SIM...e queria ver do que ela era capaz! Eis meu erro.. Lary tinha na bolsa um arsenal.. Tirou minha blusa e meu sutian, soltou meus cabelos, pegou as algemas que trouxe na bolsa, e me prendeu rapidamente com as mãos a frente do corpo.. Tirou meus sapatos, minhas meias, minha calça, e quando foi tirar minha calcinha fio dental, ela o fez com os dentes. Lary era profissional, nao era possível.. Puxou com toda força e a arrancou de mim, encheu a banheira, enquanto eu esperava ali nua e presa deitada na cama.. Assim que encheu a banheira, ela fez mta espuma, me pegou pelos cabelos e me fez adentrar...fez com que eu tomasse banho com as mãos presas..eu até tentei, mas nao fui muito bem sucedida...Mas eu agüentava ali calada, eu ia pega-la..ela ia ver só.. Deixaria ela judiar o quanto quisesse pq depois seria minha vez.. Depois que tomei 'banho', ela me ergueu pelos braços trouxe a toalha, me enxugou e me deitou na cama, apagou todas as luzes, acendeu uma vela afrodisíaca, e começou a me torturar... Olhou friamente em meus olhos como se eu fosse um objeto sexual.. Segurou forte meus cabelos e desceu meu pescoço com sua língua quente e deliciosa, depois apertou bem meus seios com as duas maos, apertou-os, deixou só os mamilos de fora, e os mordeu, mas mordeu com força, e eu , ao invés de dor, senti foi tesão...tava sentindo tudo aquilo com mto gosto, logo eu, que sempre dominei minhas transas, mas com ela nao, ela mandava, e eu ia ver até onde ela ia.. Até entao ela tava calada, mas quando eu comecei a gemer com aquela boca em meus seios, ela puxou meus cabelos com mais força e mandou eu calar a boca, que se eu gemesse eu ia me arrepender, pq ela ia me espancar.. Senti um pouco de medo dela, eu juro, eu tava ali, algemada, nua, eu era sua, ela era minha dona, nao tinha jeito.. Tentei me calar..porem minha respiração ficou ofegante quando ela lentamente começou a descer minha barriga, e depois lambeu minas virilhas, eu via sua língua passando por toda extensão, ela subia e descia, e fazia questão de me fazer ver a língua dela. Ela se irritou com meus suspiros, abriu a bolsa novamente e pegou um lenço e me amordaçou.. Puta que pariu! Algemada e amordaçada, essa mina vai fazer o que quiser comigo agora...mas preferi relaxar e ver até onde ela ia, mas desta vez ia tentar me conter mais.. A cachorra, abriu bem meus lábios, mas deixou bem abertos mesmo, e passou sua lingua, desde meu rabinho, passando pela minha xana, e subiu para o clitóris e por fim pegou minha testa que é gordinha e deu uma mordida.. Caralho! que sensação é esta... Ela entao pegou travesseiros e me pois meio que sentada apoiada neles, pra eu ver tudo que ela fazia.. Fez uma sessão clitoriana somente..Lary chupava meu grelo como ninguem nunca chupou na vida, parecia conhece-lo a mto tempo, nao demorou mto, e um calor imenso começou a envolver minha xana, e esquentou mais e mais, e ela nao parava, e quando ela deu uma acelerada nas linguadas, eu gozei mto gostoso, mas me estremecia todinha de tesao, que lingua era essa...Ela ainda nao feliz, desceu até minha xaninha e lambeu tudinho, e ainda foi buscar mais melzinho dentro dela com sua lingua que entrava fundo e massageava toda parede de minha xaninha ardente.. Levantou entao a cabeça olhou pra mim com uma cara de puta, e perguntou se eu gostei.. Eu nao falei nada, só olhava pra ela , jurando que ia me vingar, isso nao ia ficar assim, eu nem toquei nela.nem senti aquele corpo maravilhoso, me contentava apenas com seu cheiro e com seu toque...nao ia ficar assim mesmo! Ela tirou o lenço de minha boca e perguntou se eu gostei.. Eu pra enfrenta-la, disse 'até foi bom mas acho que vc faz melhor'. Ela se enfureceu...virou uma fera no cio.. Eu ainda sentia as contrações na minha xana, quando ela pega uma vibrador maior, e um menor.. Eram grossos os dois.. Olhou com uma cara de maquiavélica pra mim..e veio me beijar.. Que beijo de cachorra, de safada, era o beijo da safada mandona, só ela dominava, só ela fazia e acontecia.. Lambeu meus labios, chupou minha lingua, sugou tudo que podia de mim.. E quando menos espero, a cachorra me poe o vibrador, e começa a socar ele na minha xaninha ainda sob efeito da ultima gozada, ela fodia tao forte que nao agüentei mais ficar com a boca na dela.. Eu tinha que gritar... Quando soltei o primeiro gemido, ela me tapou a boca, desta vez com uma mao, e com a outra começou a foder, e foder, e fodia mais forte, e mais fundo, e mais gostoso, eu me remexia inteira, e ela sorria.. ' Vc queria mais..entao toma!' Mesmo algemada consegui pegar nos seios dela, mas ela mordeu minha mao, me fazendo crer que eu nao poderia relar nela.. Me amordaçou novamente com o lenço, me pois de quatro, fez eu chupar aquele pau de plástico, o mais fino, e quando eu virei de bunda pra cima, ela colocou os dois de uma só vez. Um no meu rabo e outro na minha xaninha, ( estou escrevendo agora e minha xana já me pede mais..) Dupla penetração, ambas fortes, ambas profundas, ambas deliciosas.. Ela fodia demais.. Eu nao aguentei e gemi...gritei..meu grito ali abafado do lenço, mas meu tesao aflorava.. Lary era deliciosa demais, sabia o que uma mulher precisava sentir.. Tanto com sua lingua, como com seus assessórios.. Ela meteu tanto, mas tanto, que perdi a noçao de quantas vezes tive orgasmo, e nao era aqueles orgasmozinho que passa rapidamente nao, eram longos, eram gostosos demais, eram esplendidos e impossíveis de decifrar aqui... Quando nao aguentei mais, me deixei na cama...ela entendeu que era meu fim.. Me tirou as algemas, livrou minha boca, e disse.. ' Achava que fazia melhor gatinha, desculpa ai...eu fiz'... Filha da puta, eu tava extasiada, sem forças pra mais nada de tanto sentir prazer daquela safada mandona...me virei de frente e ela me deu um doce beijo e disse pra eu tomar outro banho que já íamos embora.. Eu neguei na hora... E ela disse que já era hora dela ir...e que se eu quisesse ela novamente, era só falar... Que pra ela, proporcionar prazer a alguém é tão prazeroso quanto sentir.. Tomei meu banho sim, mas ela nao ia mais apenas me proporcionar, eu ia pegar ela da próxima vez.. Marcamos outro encontro, este já direto no motel..e desta vez quem levou os acessórios fui eu...mas esta é outra historia que conto numa proxima oportunidade...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conte sua fantasia