sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

ELIANA

autor desconhecido

"Tudo começou através de uma descontraída troca mensagesn com Eliana, . A coisa ficou mais séria
quando ela escreveu dizendo que, na semana seguinte,
chegaria para me conhecer. - Estou supercuriosa, não
agüento mais a expectativa de fazer amor com você ao
vivo..., escreveu.
Confesso que fiquei nervoso, preocupado com uma
desilusão. Mas preparei tudo para recepcionar Eliana
da melhor forma possível. Por isso, levei um susto
quando, dois dias antes do combinado, um colega de
serviço, o Flávio, avisou que ela tinha ligado, dizendo que já estava na cidade, a caminho da firma.
-Mulher nova no pedaço, Milton?
- Não, é uma prima que mora longe daqui. Mas ela é casada, rapaz..., desconversei, sentindo que não tinha convencido
ninguém.
  Quando tem sacanagem no meio, fica difícil disfarçar, não é? Meia hora depois, uma mulher linda chamava a atenção do pessoal na recepção. Era a própria! Bem mais bonita e sensual do que na foto que tinha enviado. Com um tapinha nas costas, Flávio me fulminou: - Cara de sorte você! Para encurtar a conversa, tratei de levá-la logo para casa, louco para conversar mais à vontade com Eliana. Sentir o perfume dela, começava a me dar tesão. . Chegando lá, disse que estava cansada e que gostaria de tomar um banho, para relaxar. Foi tirando a roupa com o máximo de naturalidade, como se fôssemos casados
há anos. A saia para um lado, o sutiã para o outro...
Vamos tomar banho juntos? A pergunta resumia tudo e
não perdi tempo. Eliana tinha um corpo lindo, com tudo
em cima, da bundinha aos peitos. Começamos a nos
beijar com vontade, depois do nosso tesão ficar restrito por tanto tempo às folhas de papel. Passei a chupar aquelas tetinhas maravilhosas e a acariciar as coxas. Ela era toda cheirosa, nem precisava de banho... Meu pau sarrava Eliana de lado, procurando desesperadamente a xoxota inchadinha, aquele objeto de desejo ainda guardado na calcinha. Para desespero meu, Eliana deu uma freada na minha vontade, pedindo que
mostrasse a cidade a ela.  - Temos todo o tempo do mundo, querido. Aquilo me deixou mais excitado. Liguei para o trabalho e disse que não voltaria, estava fechando um negócio importante. E não era? A porra é que quem atendeu foi o Flávio, e não perdeu a viagem:  - Fechando negócio, camarada? Pensei que você
já estivesse abrindo o dito cujo!  Pensei em mandá-lo à merda, mas preferi rir, cínico: - É um negocio da China, meu querido.
Dei umas voltas com Eliana, mostrando os pontos turísticos e programando uma saída à noite para dançar. Andamos, fizemos compras, fomos à praia e, depois, dançamos muito.  Na volta, tive a recompensa, após um novo banho. Deitamos e começamos a trocar uma gostosa energia, num sessenta-e-nove arretado. Ela
tinha um grelinho com gosto de pitanga madura. Chupava a boceta rosada, enfiando a língua o máximo que podia, enquanto ela me dava pequenas mordidas, mamando loucamente a minha pica. Confesso que foi a primeira grande chupada da minha vida! As outras se limitavam a uns beijinhos na cabeça do bravo... Depois, passamos para um papai-e-mamãe caprichado. Desses que a gente só vê em vídeo erótico. Ao gozar dentro dela, pensei
que não fosse parar mais, de tão gostosa que estava aquela grutinha! Ela parecia abrir e fechar a porta da caverna, no ritmo das minhas bombadas. - Ai, que gostoso, meu furacão. Não para porque eu estou gozando..., dizia, com as unhas compridas cravadas nas minhas costas. Depois, ainda louca de desejo, pediu
para passar o pau entre os peitos dela. Os bichinhos eram tão durinhos que emparedaram o danado. Fiquei roçando ali como se continuasse dentro daquela molhadinha sapeca. Ia e vinha, aumentando a velocidade cada vez mais. A cabeçorra quase encostando na boca de Eliana, que ria bonito. Ela sabia que eu ia acabar gozando ali mesmo, e que sobraria porra pra tudo que é
canto. Quando fui gozar, ela se inclinou e abocanhou o martelo. 0 jato deve ter ido direto ao estômago da tinhosa!
Durante uma semana, continuamos aquela festa dos
deuses, até Eliana ter que ir embora. Não sem antes
brincar comigo de todas as formas e em todos os
locais. A mulher era quentíssima, capaz de cansar um
exército de bombeiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conte sua fantasia