quarta-feira, 28 de abril de 2010

MINHA PRIMINHA NO GUARUJÁ"

Conto de autor desconhecido


 


 

Bem, o fato que vou contar ocorreu já faz alguns anos, na época, eu tinha 18 anos e minha priminha Pâmela, tinha apenas 18 anos. Pâmela, era baixinha, loirinha, muito gatinha de rosto e seu corpinho era emoldurado com uma bundinha maravilhosa.

Eu, como primo mais velho, sempre mantive o respeito mas muitas vezes era impossível naum reparar o quanto ela havia mudado, o quanto seus peitinhos haviam amadurecido e a forma que ela se vestia contribuía para isso.

Pâmela usava roupas curtíssimas, shorts que mal cubriam akela bundinha virgem e tops que deixavam a mostra akeles biquinhos redondinhos dos seus peitinhos recém formados.

"Eu já sou bem diferente dela. Sou alto, moreno e quase o oposto dela. Nós dois sempre brincávamos na praia, pegávamos ondas e depois íamos pra casa a tardinha, onde tomávamos banho, lanchávamos e as vezes a gente jogava baralho ou íamos ao shopping que havia ali perto. Depois, a noite, víamos televisão e como o apartamento era pequeno, tínhamos q nos apertar para dormir.

Em um quarto, dormiam meus avós, no outro, dormia minha irmã com a Pâmela e, na sala, eu e meu primo Carlos.

"Numa certa noite, depois de jogarmos baralho, minha prima veio com umas brincadeiras de ficar fazendo cócegas e tal. Aliás, uma brincadeira muito normal para garotas da idade dela, porém eu, que já era um pouco malicioso, aproveitava descaradamente da situação para tocar as mãos em suas pernas, esbarrar com o rosto em seus peitinhos e encoxá-la como um animal no cio.

Minha mãe chegou para acabar com a festa e disse em voz alta: - Meninos, é hora de todos irem pra cama!!

Neste dia, havia chegado os pais de Pâmela para ficarem no apartamento, ou seja, minha mãe e minha irmã, tiveram que dormir na sala comigo, meu primo Carlos foi para o quarto e Pâmela que havia discutido com os pais, veio dormir na sala também, para minha felicidade.

Eram 3 colchões lado a lado para abrigar 4 pessoas, que em seqüência ficou minha irmã, minha mãe, eu e Pamela. Já deitado, fiquei na minha tentando me controlar para naum fazer nenhuma merda.

Pamela, com sua camisolinha azul, estava ao meu lado fazendo aquelas brincadeiras de cócegas.

Minha mãe avisou que se naum parássemos com o barulho, teríamos que nos separar. Só assim Pamela parou.

Esperei ela dormir para começar a sacanagem. Foi uma hora que pareceu durar um dia, nesta uma hora minha irmã, minha mãe e minha prima apagaram de sono.

Foi a hora em que já naum me agüentava, era como se o pecado tivesse dormindo ao meu lado. Ela estava queimadinha de sol, com a cor do pecado. Minha mão automaticamente caiu no seu pé e começou a acariciá-lo por alguns segundos, mas sempre estava atento a qualquer outra reação, minha mào foi subindo levemente, até chegar naquelas coxas de ninfeta da minha prima. Meu pau parecia que estava com febre de tão quente. Comecei a subir mais as mãos até chegar num ponto onde se iniciaria a camisola, não perdi tempo e fui levantando de leve, como minha prima parecia uma pedra dormindo, fui ganhando coragem para avançar naquela aventura.

Minha mão chegou na sua calcinha branquinha de rendas, quando senti sua bundinha nas minhas mãos, quase que tive uma ejaculação precoce, perdi totalmente o medo e comecei a beijar suas pernas, desde o pé até sua xoxotinha recém adulta, com pouquíssimos pelinhos loiros.

Tentei colocar um dedo, mas não entrava de jeito nenhum, nessa altura minha prima já estava acordada e disse: -Continua com a lingua por favor!

O seu pedido foi uma ordem, comecei a chupá-la com vontade e sem medo, apenas com medo da minha mae acordadar e nos pegar daquele jeito.

Enquanto eu fui chupando minha priminha ela começou a alisar minhas pernas e dizer: - Vem ca meu gostoso!

"Cheguei até ela e ela perguntou: Se a gente transar, vai dar pros meus pais perceberem que eu naum sou mais virgem? Eu respondi: Claro que não linda, isso só médico especializado descobre com aparelhos específicos!

Nisso, ela pegou no meu pau e disse: -Deixe eu te conhecer um pouco. Ela foi acariciando e eu lhe ensinei como masturbar um homem, logo vi que ela tinha facilidade em aprender as coisas, então ja enmendei e lhe disse como ela devia se comportar no sexo oral.

Em alguns minutos ela ja me sugava como uma atriz pornô. Eu como um ser humano, naum aguentei e gozei na sua boquinha quente.

Ela, com medo de sujar o colchão, enguliu bastante porra e limpou o resto. Eu dei parabéns pra ela e disse que em sexo oral ela estava preparada para encarar qalquer pica. Naquela noite, paramos por aí.

Mas na noite sequinte eu contarei como tirei seu cabacinho...


 


 

TITIA SAFADA"

Conto de autor desconhecido


 

Meu nome é Mauricio, o conto que irei relatar aconteceu logo após eu ter voltado dos EUA,

Morei nos EUA por dois anos para estudar, quando voltei ,sentia saudades de tudo, principalmente de uma tia minha que era muito gostosa.( e que continua muito gostosa).

Depois de rever amigos , fui visitar minha família que a muito tempo não via.

Fui até a casa dessa minha tia, quando à vi fiquei encantado ainda mais com seu corpo, ela é uma mulher muto bonita, morena, 1,65 mts, olhos castanhos, seios fartos e uma bunda linda. Nos abraçamos muito, contei sobre os EUA, estudos e tudo mais.

Reparei que ela me olhava diferente, mas até aí nada de diferente pois estava chegando agora e talvez por termos ficado muito tempo sem nos vermos me achasse um pouco diferente. Conversa vai conversa vem, perguntou como eram as mulheres por lá, expliquei que não se comparavam com as brasileiras.

Chegada a hora do almoço, mais conversa, acabado o almoço meu tio foi trabalhar e minhas primas foram para o colégio. Ela pediu licença para tomar um banho e pediu para que eu ficasse a vontade.

Quando ela voltou notei que estava sem sutiã, pois estava com uma blusa quase que transparente, não é preciso dizer que meu pau ficou duro na hora, seus seios continuavam firmes, ela estava também com um calçanzinho que era de deixar loco qualquer sobrinho.

Ela retornou ao papo das mulheres norte-americanas, foi ousada perguntando se trepavam bem, fiquei sem palavras na hora e ela percebeu, comentei sobre o que tinha vivido por lá.

Ela notou que meu mastro ficava cada vez maior, então ela resolveu provocar de vez. Sem querer querendo derrubou um copo de suco em cima de mim, pediu milhões de desculpas e que iria consertar tudo aquilo, tirou minha camisa e minha calça, e a vergonha que passei quando ela viu que meu pau iria estourar, falou que iria buscar um calção e uma camisa do meu tio para mim.

Eis que ouvi meu nome do quarto dela pedindo para eu escolher uma camisa e um calção, para minha surpresa quando cheguei ao seu quarto eu à vi pelada em cima da cama, perguntando se as americanas eram assim. Fiquei boquiaberto com o que via, uma buceta linda, não muito peluda, era sem duvída a buceta mais linda que já tinha visto.

Ela pediu para secar meu pau com sua boca, não precisou pedir duas vezes. Chupou como uma putona, era realmente uma cadela, fizemos um 69 maravilhoso, sua buceta estava cheirosa e reparei seu cuzão, como sou louco por um cú, resolvi chupa-lo também, depois de me fazer gozar enlouquecidamente em sua boca sem perder uma gota se quer, mandou que o a penetra-se, lá fui eu comer aquela maravilhosa buceta.

Ela gemia muito, sentindo realmente muito prazer, depois de um tempo senti que ela havia gozado, ela já estava mordendo a fronha. demos um tempo, talvez uns 5 minutos e ela pediu que a emrabasse, pois queria sentir meu caralho em seu cú. Comecei a penetração naquele rabo já fudido, entrou como se fosse uma segunda buceta, mais foi um momento mágico, gozei como nunca.

Para encurtar a história fodemos à tarde toda.

Ela me disse que meu tio a tempo não dava no couro, e que eu tinha matado sua vontade pois disse que eu trepava demais. Depois disso trepamos outras vezes e cada vez melhor.


 


 


 

ENRABANDO A NOIVINHA"

Conto de Tim Drake –


timdrake@nutecnet.com.br.


 

Meu nome é Tim Drake. Antigamente me chamava Falstaff, mas a minha caixa postal (falstaff@nutecnet.com.br) deu pau e eu mudei. Escrevi este conto, a pedido de uma amiga que conheci na rede, que queria ouvir o que me aconteceu há algum tempo atrás Vou escrever tudo sem parágrafos, que é para auxiliar aquelas pessoas que, como eu, copiam e imprimem tudo o que está nesta homepage. Vamos lá:

"De tempos em tempos o meu círculo de amizades muda. Isso é comum. E foi numa destas mudanças que conheci Marcela e seu noivo, Iuri. Fui apresentado a eles por um amigo comum em um barzinho. Nada demais não fosse a exuberância de Marcela, que fez com que todos os homens ficassem de boca aberta, inclusive fazendo com que suas mulheres e namoradas notassem e passassem a quer matá-los (e a Marcela também).

Ficamos no barzinho até 4 horas da madrugada. No final estávamos apenas Iuri, Marcela, eu e minha mulher, Tânia.

Por incrível que pareça as duas se deram muito bem e praticamente conversaram a noite toda. Demos carona ao casal.

Ela ficou em uma casa linda, enorme, em um bairro nobre da cidade em que moramos. Ele, por coincidência, morava no mesmo bairro que nós, mas distante uns 10 quarteirões de nosso apartamento. Fomos embora.


 

No dia seguinte, por volta das 13 horas, fomos acordados por um telefonema de Iuri, nos convidando para um churrasco em sua casa, à beira da piscina. Minha mulher, que é louca por água, não titubeou e aceitou no ato, o que gerou uma briga entre nós, já que detesto não discutir tudo o que nos envolve. Não admito que tomem por mim decisões que envolvem os dois. Levamos mais de meia hora na pendenga, mas acabei aceitando, mais para encerrar a discussão que por qualquer outra coisa. Nem me lembrava que encontraria aquela mulher pela frente. Na realidade até foi bom. Já estava com o saco cheio dos rolos em que me meti e me dei mal.


 

Quando chegamos havia, além de Iuri e Marcela e nós, mais três casais. Todas as mulheres estavam de biquíni. Mas nada demais. Corpos normais, pessoas normais. Acho que a minha libido é que estava em baixa, porque não senti tesão por nenhuma delas, o que seria normal em um cara louco por sexo como eu. Nem Marcela me chamou atenção, apesar dos seus predicatos: cabelos compridos e lisos até a cintura, olhos negros, boca carnuda, seios grandes que me pareceram meio molinhos, mas não caídos, bunda arrebitada, pernas longas que justificavam seu 1,70. Mas o biquíni dela mais escondia que mostrava. A parte de baixo era grande, de cintura alta, e a de cima também era grande. Era quase um sutiã. Não entendi porque uma mulher linda como aquela não mostrava mais daquele corpo maravilhoso. Não era por conta do noivo, que se mostrava um cara aberto, sem preconceitos, mas não liberal, o que deixou claro naquelas conversas nas quais apenas os homens fazem.


 

O churrasco estava monótono e ficou pior quando deu a hora do jogo na TV. A cambada de homens se enxugou rápido e correu para dentro da casa. Algumas mulheres os seguiram. Ficamos somente eu, Tânia e Marcela, todos tomando sol. Foi aí que conversamos mais. Ela contou que estava de casamento marcado para o início do ano (estávamos em novembro), no mês de fevereiro, antes do Carnaval. Falou de trabalho e coisas assim. Quando o primeiro tempo do jogo acabou Iuri foi nos buscar, mas apenas Tânia entrou para comer alguma coisa. Eu juntei as coisas para ir embora e foi aí que tudo começou a mudar.


 

Quando fiz menção de me levantar Marcela me pegou pelo braço e disse que não fosse: "Se você for embora este churrasco vai perder a graça. Principalmente para mim".

Fiquei espantado e perguntei: "Por que principalmente para você?". Ela não teve tempo de responder, pois minha mulher já estava voltando. Iuri e Marcela foram nos levar até a porta. Ele fez questão de marcar uma visita a minha empresa de informática, porque queria usar os meus serviços no supermercado que tinha.

No dia seguinte ele apareceu lá, conversamos muito e fui visitar o supermercado dele. Fiz um projeto e iniciamos a implantação de um ousado esquema de informática para ele. A amizade entre os dois e eu e minha mulher foi crescendo, a ponto de nos visitarmos com frequência nas semanas seguintes.

Nas segundas-feiras, quando a minha mulher viajava para fazer pós-graduação em uma cidade vizinha, costumo ficar em casa logo depois do almoço para assistir vídeo pornô sossegado e bater as minhas punhetas.

Mas teve uma segunda-feira em que isso não foi possível, porque a campainha tocou. Praguejei, porque tinha certeza que era a minha cunhada folgada ou o meu sogro neurótico. Mas me enganei. Era Marcela.

Quando ela entrou eu quase tive um troço. Estava de vestidinho solto, daqueles bem levinhos, todo florido, de cabelos amarrados em rabo-de-cavalo e sandalinha baixa. Estava muito adolescente. Somente neste momento me dei conta de que Marcela tinha apenas 20 anos e se casaria com Iuri que tinha 32.

É que, fora o churrasco que participamos e que ela estava de biquíni, somente a tinha visto com roupas sociais ou "de sair", como se diz por aqui, quando iam na nossa casa ou nos recebiam na dela ou na dele.

Marcela perguntou por Tânia e eu disse que ela tinha ido viajar, como faz em toda segunda-feira e conforme havia dito a ela mesma, Marcela, que o faria quando fomos juntos cinema no dia anterior, domingo. Marcela se desculpou por ter se esquecido. Havia ido pedir opiniões a minha mulher sobre uma série de roupas que havia comprado.


 

Parou de repente e perguntou: "Você se importaria de perder alguns minutos dando a sua opinião sobre as roupas que comprei?". Achei muito estranho, mas aceitei. Arrependi-me em seguida, quando ela puxou detrás da porta ainda aberta do apartamento duas sacolas enormes. Ela foi para o quarto e voltou em seguida vestindo um conjunto de minissaia e mini-blusa. Neste momento me deu um start e lhe disse: "Marcela, se o Iuri ou a Tânia souberem que você me mostrou este conjuntinho minúsculo aqui em casa, sem ninguém, vai ser um Deus-nos-acuda. Vai dar pau".

Ela pensou bem e concordou, mas pediu para experimentar apenas mais uma roupa que comprou. Queria a opinião de um homem nesta peça, porque havia comprado para surpreender o Iuri.


 

Quando ela voltou do quarto eu quase tive um troço. Ela estava vestida com o menor biquíni que eu já havia visto na Terra. Nem quando o fio-dental estava na moda eu havia visto algo semelhante. Não que fosse menor que o fio dental, mas porque era o mais sensual que meus olhos tiveram a oportunidade de ver. O biquíni era de crochê branco. A parte de cima quase não conseguia sustentar os grandes seios de Marcela, porque apenas tampavam os bicos. Todo o resto do seio ficava de fora. Era um conjunto de cores morenas e brancas que estavam me levando à loucura. Na parte de baixo, atrás, era quase todo enterrado no reguinho. Na frente, era um triângulo pequeniníssimo. De repente meus olhos bateram em algo que me alucinou: os pêlos da buceta de Marcela saíam para os lados em tufos consideráveis.


 

Ela notou meus olhares e ficou vermelha. Nesta hora correu para o quarto e eu fui atrás. Ela se virou e pediu desculpas: "Perdão, Tim, eu havia me esquecido deste detalhe. É que quase nunca me depilo nas virilhas. Por isso uso biquínis grandes quando tem gente por perto. Meu Deus, como eu vou fazer agora. Quero tirar o forro para ficar mais excitante, mas terei que me depilar". Quase a agarrei naquele momento, não fosse a própria Marcela me empurrar do quarto e fechar a porta para se trocar. Pensei que era ilusão da minha parte e que ela realmente havia ido em casa para mostrar as roupas para a Tânia. Ela saiu e se despediu para ir embora, não sem antes deixar uma brecha: "Vou aproveitar este sol e estreiar o biquíni novo hoje. Pena que o Iuri viajou e chega somente no final de semana. E hoje é somente segunda-feira".


 


 

Ela foi embora e eu corri para o banheiro para bater uma punheta aquela mulher maravilhosa que parecia que queria dar para mim. No final de semana seguinte saímos juntos. Pude ver o que o sol havia feito com o corpo de Marcela. Ela estava moreníssima. O efeito que o biquíni novo havia feito no Iuri ele mesmo me contou: "Tim, você não vai acreditar. Viajei esta semana toda e quando voltei a Marcela havia me preparado uma surpresa. Está vendo como ela está morenona? Pois ela comprou um biquíni pequeniníssimo, de crochê. Cheguei ontem e já fomos direto para minha casa. Você não imagina o tesão que ela ficou com aquele biquíni. Não aguentei. Esqueci até da putona que comi na viagem, que era uma delícia e fez coisas malucas comigo. Mandei bala na Marcela".


 

Aquela confidência me deixou confuso. Achei que os dois estavam armando para mim. Talvez quisessem realizar a fantasia de ter mais um homem na cama com eles e haviam me escolhido. Isso não seria nada mal, mas preferia que fosse somente a Marcela. Mas tirei isso logo da cabeça, porque a Marcela sequer me olhou a noite toda e o Iuri não voltou mais a falar no assunto.


 

Na segunda-feira seguinte eu estava na minha empres, preste a sair para cumprir meu ritual de punheta em frente à TV, quando toca o meu celular e era a Marcela: "Iuri, você pode me ajudar? É que a piscina em casa está lotada hoje, porque tem festa do meu sobrinho e estão arrumando tudo lá, e eu queria tomar um solzinho hoje à tarde, para aliviar da prova ferrada da faculdade. É que o Iuri deixou a chave da casa dele comigo antes de viajar, mas não consigo abrir a porta". Disse-lhe que iria para lá logo e me mandei, deixando a secretária com a incumbência de anotar todos os recados, porque talvez não voltasse tão cedo. Cheguei e aquela morena linda, de cabelos compridíssimos, estava sentada na soleira da porta. Realmente a porta não abria de jeito nenhum. Tive que buscar óleo de máquina de costura que tinha em casa, colocar na fechadura para poder abrir. Já dentro da casa Marcela fez questão que eu ficasse mais um pouco.


 

Nisso correu para o quarto, se trocou e voltou com a biquíni de crochê. Meu Deus, eu ia ficar louco. A diaba não havia se depilado e tinha tirado o forro do maldito biquíni. Assim, a mata de pêlos que tinha na xana estavam todos saindo pelos lado e pelos buraquinhos dos pontos do crochê. Ela nem se preocupou, foi até a geladeira pegar suco e voltou.


 

Nesta hora eu já havia me decidido: "Marcela, preciso conversar com você. Eu não estou aguentando mais ver você desfilando por aí com este biquíni. Primeiro foi lá em casa e agora aqui. Parece que você faz isso exclusivamente para mim. Eu estou ficando louco. Naquele churrasco que fomos na sua casa você disse que eu não fosse embora, porque ia tudo ficar chato, sem graça, principalmente para você. Mas quando nos encontramos em outros lugares parece que você nem nota a minha presença. Você quer me deixar louco?". Ela ficou branca, quase se engasgou com o suco. Olhou-me de cima a baixo, mas desceu os olhos para o chão, cheia de receio e timidez. Achei que tinha marcado um gol contra. Mas aí ela começou a falar:


 

"Olha, Tim, vou ser bem sincera. Nunca falei disso para ninguém, nem mesmo para a Sandra, a minha melhor amiga. E você sabe que tudo o que me acontece ela é a primeira pessoa a saber. O Iuri foi meu primeiro homem, foi quem tirou a minha virgindade. Depois dele ninguém nunca mais me tocou. Mas eu não estou aguentando. Minha formação religiosa me impede de falar certas coisas, de pedir ao Iuri para fazer coisas que a gente nunca fez. Isso tudo fica muito confuso dentro da minha cabeça. É uma luta do coração contra o sexo e do sexo contra a cabeça. Tudo para mim é diferente das minhas amigas. A Sandra, por exemplo, perdeu a virgindade aos 18 anos com um cara de 17. Eu perdi a minha no ano passado, no dia em que completei 19 anos. Foi o presente que o Iuri me deu. Na realidade sei que foi mais um presente meu para ele. A gente se gosta muito. Ele é o meu homem ideal. Gozei com ele pela primeira vez há uns dois meses. De lá para cá foram poucas, mas gratificantes, as vezes que eu gozei. Mas tudo parece maluquice. Vou me casar em um mês e sei que tenho tudo para ser a mulher mais feliz e fiel do mundo. Nem exijo que o Iuri seja. Sei lá, ele viaja tanto. Deve ter mulheres por aí que ele deseje, da mesma forma que há homens que eu desejo intensamente. Mas se ele come estas mulheres é problema dele. Eu não sinto vontade de sair por aí dando. Nunca tive esse lado meio piranha que todas as mulheres parece que têm. Na verdade, eu não tinha vontade de ter outro homem na cama... até conhecer você. Para você ter uma idéia, eu comecei a me masturbar recentemente. Mais precisamente na noite em que nos conhecemos. Eu te disse que seria sincera e vou ser mais uma vez. Você não é tipo de homem que me atrai. Gosto de homens como o Iuri, pequenininhos, franzinos, branquelos, com cara de menino pidão. Você é muito grande, é mais alto e mais forte que eu, por exemplo, que tenho 1,70. Tem pêlos demais, o que não me desagrada, mas prefiro os homens lisinhos e magrinhos. Mas não consigo mais parar de pensar em você. Tem uma coisa em você meio animal, meio cafajeste (aqui ela errou, porque não sou de forma alguma cafajeste, a nào ser que a mulher queira que eu me porte assim na cama). A impressão que eu tenho é que se você pegar uma mulher que queira dar para você e deixe fazer o que você quiser, é capaz de os dois ficarem dias e dias sem sair da cama. E isso me enlouquece. Fico imaginando como você me pegaria, como você meteria em mim. Na realidade, o que me faz me masturbar várias vezes ao dia pensando em você é a possibilidade de realizar tudo aquilo que eu tenho vontade de fazer na cama com um homem".


 

A Marcela tinha dito tudo isso de um fôlego só, como se estivesse há muito tempo engasgado na garganta. Eu estava pasmo, sem ação, arrepiado mais que ouriço sendo atacado, de pau duro e melado. Instintivamente, esquecendo-me que ela estava na minha frente, eu arrumei o pau mesmo por cima da calça. Ela parou o copo de suco no caminho para a boca e mirou demoradamente a minha braguilha. Foi aí que eu vi a coisa que me serviu de gatilho para a ação: olhei para o minúsculo triângulo que cobria o monte de pêlos da buceta dela e vi que ela estava todinha molhada e que o líquido de sua xana escorria pelas pernas.


 

Sem pensar duas vezes eu arranquei a camisa e joguei longe os sapatos. Quando Marcela viu que eu ia comê-la naquele momento se deu conta de que talvez não aguentasse o tranco de trair o noivo, e ainda por cima na casa dele. Deu um gritinho e saiu em disparada para a cozinha. Tentou fechar a porta, mas eu já estava perto demais. Empurrei a porta com força e Marcela foi parar na beira da pia. Cheguei perto dela e de um puxão só eu arranquei o sutiã do biquíni. Os seios enormes dela penderam, branquinhos de bicos rosados, contrastando com a morenice do seu colo e do resto do corpo. Tentou esconder os peitos com as mãos, mas foi inútil. Segurei os braços dela em cruz e beijei-a com força. Ela não mais resistiu e me beijou profundamente, molhando até meu queixo com a abundância de saliva que soltava. Parecia uma mulher faminta, cheia de vontade de comer um macho. Numa fração de segundo pensei que se fosse muito delicado com aquela mulher eu lhe daria tempo para voltar atrás e, pior, não era isso que ela esperava de mim. Tive que me tornar o animal que ela tanto queria. Dobrei os braços dela para trás e os segurei. Com a boca eu suguei seus seios como um animal faminto de leite. A cada chupão ela entrava em delírio e gemia alto. Mordisquei de leve os bicos dos peitos e ela pediu que fosse com força. Apertei-os fote com as mãos até meus dedos marcarem aquela pele alva. Apesar de seu tamanho, Marcela me pareceu leve quando a joguei sobre meus ombros e a carreguei para a cama de Iuri. Ele pedia quase chorando que não fosse ali. Não arredei o pé. Se aquela mulher queria trair o noivo que fosse, então, no melhor estilo. Joguei-a sobre a cama e montei em cima dela. Rasguei em mil pedaços a parte de baixo do biquíni. Aí surgiu uma das bucetas mais deliciosas e bonitas que eu vi na vida: enorme, de grandes e gordos lábios, mas com um clitóris pequeno. Sua racha parecia monumental. Era estufada e a quantidade enorme de pêlos fazia com que ela parecesse ainda maior. Não a chupei: eu me joguei de encontro aquela chavasca deliciosa e lambi tudo o que pude. Chupava e mordia os grandes lábios, esfregava a minha barba nos pequenos lábios.


 

Sua voz era de uma mulher à beira da loucura: "Tim... pelo amor de Deus... que coisa mais gostosa... me chupa... chupa sua Marcela...". Fiquei tomado: parei o que estava fazendo e lhe disse que somente continuaria se ela se tornasse a puta mais rampeira que o mundo já havua visto. Ela não titubeou: "Chupa a minha buceta, seu canalha... morde esta xana cabeluda.. você gosta de bucetona como a minha, heim, gosta?? Você quer enfiar o seu pau nela, quer me fuder como um garanhão fode uma égua?? Faz isso para mim, faz, me chupa mais... ai, eu vou gozar, não pára que eu vou gozar, eu tô gozaaaaaaaaaaaando.... aí, ai, aiiiiiiiiiiiiiii". Ela estremeceu, esticou todo corpo e depois amoleceu.


 

Não quis dar tempo para ela se recompor e enfiei um dedo na buceta para lubrificar e, em seguida, coloquei na portinha do cu. Foi como seu eu tivesse acendido um isqueiro no pé dela. De um pulo ela estava em pé na cama: "Não, pelo amor de Deus, aí não. Nunca fiz e nunca vou fazer. Nem o Iuri tenta porque ele sabe que eu não quero. Atrás não". Nào me contive: "Não me venha com esta história que eu sei bem que você morre de vontade de ser enrabada. E eu vou comer o seu cu, nem que seja à força, sua piranha".


 

Ela saltou da cama e correu para a sala. Corri atrás e consegui alcançá-la quando tentava se vestir. Puxei-a pelos cabelos e a joguei sobre o braço do sofá. Aquela bunda empinada ficou a minha mercê. Ela tentava se levantar, mas eu não deixei. Ajoelhei-me atrás dela e me pus a lamber delicadamente aquele buraquinho marrom. O cu de Marcela começou a piscar sem parar. Ela gemia e quase chorava. Disse-me depois que tinha medo. Lambi interminavelmente, depois molhei um dedo no suco do gozo que escorria da xana dela e enfiei devagarinho, bem lentamente. Ela dava gritinhos, dizia que estava doendo, que era para eu tirar. Mas não parei. Quando todo o dedo estava dentro ela passou a gemer mais alto e eu, a tirar e pôr. Ordenei-lhe: "Pede!". Ela: "Não". Eu retruquei: "Pede, vagabunda, senão nunca mais eu apareço na sua vida". Ela aquiesceu: "Põe atrás". Fiquei puto da vida: "Assim não. Fale como uma putana que você é". E disse isso na hora em que enfiei dois dedos no cu de Marcela:


 

"Aiii... Tim, por favor, coma o meu cu, enfie este seu pau delicioso no meu rabo que eu não aguento mais de vontade de dar o meu cabacinho traseiro para você".


 

Com o que ela disse me recordei que Marcela era virgem atrás, que nunca ninguém, nem o Iuri, havia tirado o selinho da bunda dela. Isso me enlouqueceu ainda mais. Agora eu queria mais que nunca ter a chance de enrabar aquela mulher maravilhosa, de apenas 20 anos. Arranquei o resto da minha roupa e procurei na minha carteira uma camisinha. Vesti o pau, passei na entrada da buça dela para molhar bem, o que fez ela gemer profundamente, e fui colocando bem devagar. Meu pau é pqueno, tem 15 cm quando duro, mas quando fico excitado ela parece que adquiri proporções além disso, principalmente a cabeça, que fica parecendo um tomate de bom tamanho. Quando a cabeça passou ela começou a chorar. Não quis parar. Sabia que se eu tirasse naquela hora tudo iria por água abaixo e não teria mais aquela deusa de formas impressionantes. Doeu além do que esperava e Marcela deu um pulo para escapar. Só que eu já havia passado o meu braço direito pela frente da cintura dela para alcançar o clitóris. Ela pulo, mas eu segurei e neste solavanco o meu pinto entrou todo dentro dela e dois dedos da minha mão direita entraram na buceta. Ela virou o rosto na minha direção, a boa aberta e babando e os olhos revirados, um misto de dor e prazer, uma loucura. Ela não havia gozado. Era apenas o reflexo da minha entrada desajeitada pela retaguarda dela.


 

Quando ela saiu deste transe pude ver duas lágrimas rolando em sua face e ela passou a rebolar e a falar coisas que jamais pensaria que ela falasse: "Isso mesmo, me come o cu... arregaça bem a minha bunda... põe todo o seu cacete lá no fundo do meu rabo, me arranque bosta do cu, se quiser, mas me faça uma mulher sem rodeios... vamos, come com força... me faz sangrar... come esta noivinha... Tim, isso te excita... saber que eu sou noiva de um amigo seu e que vou me casar?... Tim, você tá comendo uma mulher comprometida... todo homem sonha com isso... quer comer uma mulher que já tem dono... Isso... põe chifre naquele safado... você é muito mais homem que ele... vai. Tim... me estupra....aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii".


 

Nesta hora a massagem que eu vinha fazendo no fundo da buceta dela fez efeito e Marcela gozou como uma cadela no cio. Gemia e arfava. Alguns minutos depois eu não aguentei, saquei o pau do cu dela. Ficou um grande buraco no rabo dela, que voltaria ao normal em pouco tempo. Senti ganas de gozar dentro dele, mas o meu juízo e responsabilidade me fizeram gozar nas costas dela. Ela apagou. Dormiu por mais de meia hora.


 

Eu fiu até o banheiro, tomei banho e esperei ela acordar. Ela foi ao banheiro em seguida, se banhou e voltou. Pensei em comer a buceta dela, mas tinha que voltar ao trabalho urgentemente. Acredito que nem ela aguentaria outra sessão como aquela. Mas quando ela estava por me levar até a porta, já que permaneceria na casa para arrumar toda a bagunça que que havíamos feito, o telefone tocou. Ela estremeceu da cabeça aos pés. Ficou branca. Atendeu e confirmou suas expectativas.


 

Era Iuri, que havia chegado em Salvador e resolvera ligar. Ela conversou com ele a princípio engasgando um pouco, mas depois se soltou. Disse que eu estava ali e que viera para abrir a porta. Marcela estava sentada e de pernas cruzadas. Pela minha cabeça passou uma loucura e eu não resisti. Subi no sofá ao lado da cabeça dela, tirei o pau já latejando de dentro. Ela ficou branquíssima, mas não teve jeito. Enquanto era Iuri quem falava com ela, Marcela me chupava. Quando tinha que responder ficava me punhetando. Ao terminar de falar com ele me passou o telefone. Ficou me chupando o tempo todo.


 

Desliguei e avisei que ia gozar. Ela tirou da boca - para minha frustração - e eu gozei no tapete. Fui embora em seguida. Marcela e eu transamos outras vezes, sempre em locais malucos, como a sala da minha casa enquanto Tânia tomava banho, no meu escritório depois do expediente, no banheiro da casa dela durante um churrasco, mas principalmente no apartamento de Sandra. Eu até quis envolvê-la na transa, mas Marcela ficou puta. Não admitia isso e quase acabou com nosso caso.


 

Ela se casou um mês depois. Fui ao casamento. Na tradicional sessão de cumprimentos aos recém-casados, na porta da igreja, ao me dar um beijo no rosto Marcela me disse: "Espere eu voltar da lua-de-mel...". Eu esperei, mas Marcela nunca mais quis transar como antes. Acredito que ficou com medo do risco que correria, maior que aquele quando ainda não era casada. Ainda bato gostosas punhetas pensando nela.


 


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conte sua fantasia